Como o conflito entre Rússia e Ucrânia afeta o futebol europeu

A invasão da Rússia à Ucrânia impactou direta e indiretamente o mundo do futebol nesta última quinta-feira (24). O presidente da Rússia, Vladimir Putin, anunciou, em um discurso na TV, uma operação militar especial na Ucrânia.

Pouco tempo depois, a imprensa local relatou o início dos primeiros bombardeios das tropas militares russas em diversos pontos do país. Agora, os soldados russos já estão posicionados até mesmo na capital Kiev.

Futebol ao vivo ou quando quiser? Clique aqui e teste o DAZN grátis por um mês!

No futebol, diversos jogadores brasileiros solicitaram apoio da Embaixada brasileira, em Kiev, para retirada do país. Além disso, a Federação Ucraniana de Futebol comunicou que o campeonato local está suspenso por, pelo menos, 30 dias por conta da lei marcial imposta no país.

Abaixo, a GOAL explica os principais acontecimentos no futebol após a invasão da Rússia à Ucrânia.

Jogadores brasileiros na Ucrânia

Tete, Shakhtar Donetsk, 2021
Getty Images

Diversos jogadores brasileiros, principalmente do Shakhtar Donetsk, solicitaram apoio da embaixada brasileira para retirada do país. Ao todo, 30 atletas brasileiros atuam no futebol ucraniano - também representando Dínamo de Kiev, Inhulets Petrove, Vorskla, Chornomorets, Zorya Luhanks, Metalist Kharkiv, Dnipro, Kolos Kovalivka e Rukh Vynnyky.

Em um vídeo divulgado nas redes sociais, Marlon, ex-Fluminense e porta-voz entre os jogadores, pediu auxílio para que os atletas brasileiros possam sair da Ucrânia, já que as fronteiras e espaço aéreo estão fechados.

Porém, o governo brasileiro anunciou, por meio do secretário de Comunicação e Cultura do Itamaraty, Leonardo Gorgulho, que o país não tem condições de fazer qualquer operação de resgate no momento, afirmando que os brasileiros na Ucrânia devem se deslocar para outras regiões e países vizinhos.

“Aos brasileiros na capital Kiev, que permaneçam em casa seguindo a orientação de autoridades. Aos brasileiros no leste do país, que deixem a região; trens continuam circulando, os que não puderem devem retornar a Kiev e contatar imediatamente a embaixada”, disse o secretário.

*Júnior Moraes é jogador do Shakhtar e ex-Santos, nascido no Brasil e naturalizado ucraniano

Final da Liga dos Campeões 2021/22

Gazprom Arena St Petersburg Russia
Getty Images

A invasão da Rússia à Ucrânia teve impacto direto na final da Liga dos Campeões 2021/22. A final da competição estava marcada para acontecer na Gazprom Arena, em São Petersburgo, na Rússia, no dia 28 de maio.

Porém, após a invasão do país russo, a Uefa, organizadora do torneio, decidiu alterar o local da decisão após uma reunião emergencial de seu Comitê Executivo, já que o confronto entre as nações tornaria inviável a realização de uma partida desse tamanho no país.

Dessa forma, a grande final da Liga dos Campeões 21/22 será no Stade de France, localizado em Paris, na França, com capacidade para receber 80 mil pessoas.

Em nota oficial, a Uefa agradeceu ao presidente da França, Emmanuel Macron: "A Uefa deseja expressar os seus agradecimentos e apreço ao Presidente da República Francesa, Emmanuel Macron, pelo seu apoio pessoal e empenho em transferir o jogo mais prestigiado do futebol europeu de clubes para França num momento de crise sem precedentes."

Disputa dos play-offs da Copa do Mundo 2022

A seleção polonesa, sueca e tcheca, em um comunicado, expressaram sua firme posição de que as partidas dos play-offs da Copa do Mundo 2022 não devem ser jogadas em território russo.

Pela disputa das Eliminatórias Europeias, a Rússia e a Polônia se enfrentam no dia 24 de março, enquanto a Suécia recebe a República Tcheca no mesmo dia. Os vencedores de cada confronto se enfrentam por uma vaga na Copa no dia 29 de março e, por isso, a decisão em conjunto de não atuar no solo russo.

O presidente da Federação Sueca de Futebol admitiu que este confronto do play-off da Copa do Mundo é “quase impensável” neste momento.

Karl-Erik-Nilsson disse à Reuters: “É um cenário possível. Espontaneamente em torno dos sentimentos que temos é que é quase impensável que em algumas semanas joguemos uma partida de futebol na Rússia."

A seleção ucraniana, de qualquer forma, fará sua primeira partida dos play-offs longe de casa e, caso avançe de fase, atuará fora de casa novamente.

Diante do protesto, a Uefa, organizadora do torneio, comunicou que a seleção russa deverá mandar suas partidas em campo neutro até segundo aviso. Ou seja, longe do território russo e ucraniano.

Paralisação do Campeonato Ucraniano

Vitao Shakhtar Donetsk
Shakhtar Donetsk

O Campeonato Ucraniano foi suspenso por 30 dias após a invasão da Rússia ao país. A organização do torneio, em um comunicado, atribuiu a decisão da paralisação da competição à lei marcial imposta na Ucrânia.

"Devido à imposição da lei marcial na Ucrânia, o Campeonato Ucraniano está suspenso - anunciou a Premier League Ucraniana (UPL)."

Os clubes e federação já haviam marcado uma reunião para decidir o adiamento da competição. Porém, a maioria dos times já haviam liberados os jogadores das atividades e dos treinos. Dessa forma, o torneio permancece suspenso por, pelo menos, um mês.

Disputa das competições europeias

Spartak Mosca
Getty Images

A Uefa, organizadora da Liga dos Campeões, Conferência Liga e Liga Europa, decidiu que os clubes russos e ucranianos devem disputar suas partidas das competições da Uefa em campo neutro. Ou seja, em um país longe do confronto provocado pelo ataque russo.

Entre os países envolvidos, apenas o Spartak Moscou, da Rússia, segue vivo na disputa da Liga Europa. O time russo enfrentará o RB Leipzig, da Alemanha, pelas oitavas de final da Liga Europa.

A entidade, por sua vez, disse: "O Comitê Executivo da Uefa também decidiu que os clubes e seleções russas e ucranianas, que participem nas competições da Uefa, terão de jogar como mandantes em estádios neutros até novo aviso."

Schalke 04 e Manchester United quebram patrocínios russos

Em meio ao ataque da Rússia à Ucrânia, o Schalke 04, da segunda divisão alemã, anunciou que a retirada do patrocínio da Gazprom, empresa russa de gás, por tempo indeterminado de seu uniforme.

Uma declaração do Schalke, no site oficial do clube, diz: “Tendo em vista os eventos, desenvolvimento e escalada dos últimos dias, o FC Schalke 04 decidiu remover as letras de seu principal patrocinador - 'GAZPROM' - das camisas."

Um dia depois dos ataques, o Manchester United, da Inglaterra, também confirmou a quebra de contrato com a empresa Aeroflot, companhia área russa.

Um comunicado de um porta-voz do Manchester United disse: "Em meio aos eventos na Ucrânia, retiramos os direitos de patrocínio da Aeroflot. Compartilhamos as preocupações de nossos torcedores em todo o mundo e estendemos nossas condolências aos afetados."