Young Boys, o time que ofuscou CR7 e foi decisivo para acabar com 'regra do gol fora de casa'

Última atualização
Getty Images

O Young Boys começou bem sua jornada na Liga dos Campeões 2021/22. O time suíço não só conseguiu segurar os avanços do Manchester United de Cristiano Ronaldo, como também venceu o time na estreia da competição. Mas a história da equipe vai muito além disso, tendo um papel importante para acabar com a regra do gol fora de casa.

Mesmo saindo atrás, o Young Boys, que jogou com um homem a mais durante boa parte do jogo, conseguiu dar a volta por cima, até conseguir o gol da virada no último lance do jogo. E se os suíços acabaram com a festa do Manchester United na estreia da Champions League desta temporada também vai ter um papel importante para acabar com tantas outras festas, mesmo que de maneira indireta. 

Futebol ao vivo ou quando quiser? Clique aqui e teste o DAZN grátis por um mês!

Para a temporada de 2021/22, que está começando agora, a Uefa anunciou o fim da regra do gol fora de casa como critério de desempate nas partidas de mata-mata. Ou seja, um time não mais se classifica por maior número de gols marcados como visitante. E, para isso acontecer, o CEO do Young Boys, Wanja Greuel, teve um papel importantíssimo.

Gruel, por conta de uma experiência pessoal que passou com o time de sua cidade da Alemanha, o FC Kaiserslautern, lutou para o fim da vantagem do gol fora de casa quando assumiu o clube suíço, conforme contou à Goal e ao SPOX.

"Em novembro de 1991, FCK jogou contra o Barcelona na Copa da Europa na fase de classificação para a fase de grupos. A primeira partida no Camp Nou foi uma derrota por 2 a 0. Eu tinha 14 anos quando estive no estádio para o segundo jogo, foi uma atmosfera maciça e um jogo sensacional. O FCK levava o 3 a 0, mas José Mari Bakero marcou e deixou o placar em 3 a 1 e o FCK foi eliminado. Fiquei impressionado com o fato de um time ter sido eliminado, mesmo com o placar agregado de 3 a 3", lembrou.

Segundo ele, desde então, ele viveu inconformado com a regra que classificou o Barcelona, tendo mandado diversas cartas à revistas sugerindo a mudança, o que nunca aconteceu - até agora. 

Em 2019, quando foi eleito para a Associação de Clubes Europeus, o tema da mudança de regra tornou-se mais concreto para Greuel, que levou a questão para o grupo. "A maioria também era de opinião que algo tinha que ser mudado, já estava em discussão há algum tempo. Então eu disse: 'Vamos avançar' e fiz uma moção oficial. Foi assim que a regra dos gols de fora entrou na agenda do Comitê de Competição de Clube da UEFA e, a partir daí, houve uma recomendação ao Comitê Executivo, que finalmente aboliu oficialmente a regra no final de junho para a nova temporada", explicou.

Para ele, o futebol não é mais o mesmo de 1965, quando a regra foi introduzida pela Uefa."Os jogos fora de casa ainda eram viagens de aventura caras, em estádios e em campos de grama pobres que não eram comuns. E os jogos de decisão, anteriormente habituais, tornaram tudo isso ainda mais caro. Hoje, esse não é mais o caso", disse. "Portanto, a injustiça de eliminar uma equipe que não é inferior, mas igual em pontos e gols, deveria ser abolida. E que um objetivo simplesmente vale mais do que outro".

Na opinião de Greuel, o fim da regra beneficia o bom futebol, já que o ataque passa a ser recompensado. "Se você fizesse um gol fora de casa, o adversário teria que marcar três gols para compensar um 1 a 0 - e então toda a tensão desapareceria".

"Estou absolutamente convencido de que a mudança de regra torna o futebol mais justo e atrativo", completou Greuel, que recusa todo o crédito pela mudança. "O assunto vem sendo discutido há anos, e muitos treinadores como Arsene Wenger e Thomas Tuchel já se pronunciaram a favor da sua abolição. Eu não o iniciei por conta própria".