Jayme abre o jogo: declarações de Lomba, saída de Rueda, cobranças no Fla e muito mais

Comentários()
Gilvan de Souza/CR Flamengo/Divulgação
Ex-auxiliar técnico foi demitido do clube após derrota para o Botafogo que deixou o Rubro-Negro fora da final do Campeonato Carioca

A história de Jayme de Almeida se confunde com a do Flamengo, revelado nas categorias de base do clube, ele é filho do lendário Jaime de Almeida, que marcou época na década de 40, além de faturar muitos títulos, realizou 342 partidas e marcou 31 gols com a camisa Rubro-Negra. Cheio de classe, ficou famoso também por jamais ter sido expulso de campo.

Nos passos do pai, Jayme de Almeida Filho iniciou a carreira no Rubro-Negro, mas ao invés de meia, como seu procriador, ele se tornou zagueiro e de muito sucesso. Visão de jogo e inteligencia para saber o que fazer com a bola eram as suas principais características..

Quando pendurou as chuteiras, Jayme seguiu no futebol e depois de muitos anos afastado do seu time de coração retornou ao clube em 2010 como auxiliar técnico. De lá para cá foram muitos momentos no Rubro-Negros, entre eles o ponto mais alto, a conquista da Copa do Brasil em 2013 como treinador efetivo da equipe. 

No ano seguinte, em 2014 deixou o Flamengo mas retornou em 2015, junto a Vanderlei Luxemburgo, no entanto, em março deste ano, quando fazia parte da comissão permanente do futebol, voltou a ser desligado do Rubro-Negro ao lado de outros quatro profissionais, entre eles o técnico Paulo César Carpegiani.

"Foi assim meio de surpresa, a gente estava trabalhando no Flamengo, nessa minha volta há três anos e acredito que estava fazendo um trabalho que, sabe, a forma como sempre me dediquei, me dedicando o máximo, procurando fazer o meu trabalho da melhor maneira, eu não esperava a gente ter perdido para o Botafogo, não ir a final, o clube resolveu fazer mudanças drásticas, mas eu respeito a decisão do clube e vou continuar seguindo a minha carreira", disse Jayme em entrevista exclusiva à Goal Brasil.

Aos 65 anos de idade, Jayme não quer parar com o futebol, ele acredita que ainda tem muito a contribuir com o esporte no qual dedicou praticamente toda a sua vida.

"Eu fiquei muito tempo no Flamengo, de 2010 a 2018, eu fiquei só um ano fora, foi uma etapa longa, eu já comecei a entrar em contato, tentar voltar a trabalhar com o esporte. Eu passei a minha vida inteira no esporte, no futebol, desde os 15 anos como jogador, depois me formei em educação física, fiz curso de técnico, trabalhei como técnico, como auxiliar e fui coordenador de futebol. Então, a minha vida é voltada para o esporte e eu vou retomar isso em outro clube, outro trabalho, espero que as portas se abram para mim, pelo meu trabalho, minha experiência, eu tenho certeza que ainda posso ajudar muito no esporte que é o futebol".

Abaixo, confira os principais trechos da entrevista com Jayme de Almeida 

DECLARAÇÃO DE RICARDO LOMBA DEPOIS DO JOGO CONTRA O BOTAFOGO

GFX JAYME DE ALMEIDA

"Houve um problema depois do jogo com o Ricardo Lomba, as considerações que ele falou na imprensa repercutiram mal, isso gerou um mal estar dentro do clube. A cobrança é normal, faz parte do nosso meio, um clube como o Flamengo de alto investimento tem que haver cobranças, a gente ficar fora do Carioca foi uma coisa que ninguém esperava, mas faz parte do esporte. O que ficou latente é que foi feito de cabeça quente, isso nunca é bom, uma derrota todo mundo fica chateado, acho que ele poderia fazer de outra maneira, ir para casa, pensar, não daquela maneira que ficu muito feio. Falou dos jogadores, de todo mundo, de uma maneira de cabeça quente, no final das contas, quem acabou saíndo foram os cinco profissionais que não jogam, os jogadores que ele falou tanto estão lá jogando".

O QUE FALTA PARA O FLAMENGO DAR CERTO?

"O Flamengo fez uma estrutura fantástica, montou um centro de treinamento muito bom, fez concentração, contratou muitos jogadores, na minha opinião sincera, eu acho que esse plantel do Flamengo é um plantel de alto nível técnico mas acho que a cobrança tem que ser mais firme, mais séria, porque com um plantel dessa envergura a gente não ter resultado, e o que eu vejo, não é porque eu saí, mas saíram vários profissionais do Flamengo, sempre saem os treinadores e a cobrança também tem que ser em cima dos atletas. Não estou querendo dizer que só os jogadores tem culpa, mas eu acho que o nível dos jogadores que foram contratados, de gastos, nível salarial, a entrega tem que ser maior e a cobrança tem que ser maior".

O JAYME PODIA COBRAR O ELENCO DO FLAMENGO?

"Essa cobrança tem que vir por parte da diretoria, eu não fazia parte desta cobrança, a cobrança tem que vir dos responsáveis pelo futebol do Flamengo, os que são gestores do futebol do Flamengo, eles que tem que fazer essa cobrança".

A SAÍDA DE REINALDO RUEDA

Reinaldo Rueda Flamengo Independiente Copa Sudamericana 13122017
(Foto: Gilvan de Souza / Flamengo / Divulgação)

"Eu soube da saída do Rueda pela imprensa, eu tinha ido ao cinema e quando eu saí do cinema eu olhei o celular, ele estava em conversações com a diretoria do Flamengo a mais de cinco horas aqui no Rio, e para mim, não que eu seja contra ninguém, mas o Rueda foi uma pessoa que me identifiquei muito, fazia um trabalho muito bacana com ele e até hoje a gente se comunica, é uma pessoa que aprendi a gostar, respeitar, a comissão técnica, foi uma experiência bacana, uma troca de experiências, ele é um cara muito experiente. Essa troca, essa convivência foi muito bacana, fizemos uma amizade muito legal e é algo que prezo muito no futebol, com certeza esse carinho, esse respeito vai ficar para o resto da vida".

A DIFERENÇA DO FLAMENGO DE 2013 PARA O DE HOJE

Flamengo Copa do Brasil 2013
(Foto: Gilvan de Souza / Flamengo / Divulgação)

"Acho que na minha época houve muita integração, a comissão técnica e os jogadores e a direção também em relação a gerencia, o entorno ali se formou um grupo muito bacana no sentido de todo mundo se ajudar, eu como comandante naquela época abria para todo mundo participar, a gente participava com todo mundo procurando ajudar e eu acho que os jogadores perceberam isso, num momento muito difícil, o Flamengo precisa muito de união, a gente fala na vitória da Copa do Brasil mas o momento foi muito difícil até para não cair, a gente estava brigando para não cair e disputando a Copa do Brasil. Foi um momento que precisamos de todos e jogadores e comissão, a gente conseguiu formar um grupo que pensasse igual, pensando no melhor para o clube e deu certo".

MAURÍCIO BARBIERI

Mauricio Barbieri Flamengo Santa Fe 18042018 Copa Libertadores
(Foto: Gilvan de Souza / Flamengo / Divulgação)

"Conheci ele em janeiro, é um rapaz muito qualificado, trabalhador, eu não torço nunca contra profissional, tenho o maior respeito por ele, convive muito bem com ele, um rapaz muito educado, estudioso do futebol, corre atrás, espero que ele consiga fazer um trabalho, que deem tempo dele mostrar o trabalho dele porque no Flamengo qualquer resultado negativo ele sendo muito jovem pode até interferir nesse processo dele crescer dentro do clube".

A TORCIDA DO FLAMENGO NA VISÃO DO JAYME

"A torcida do Flamengo, como eu fui criado do Flamengo, eu fui torcedor do Flamengo, eu tenho uma ligação, entendo mais ou menos como funciona, eu sempre comento que a torcida vai responder o que o jogador vai fazer em campo, se a torida do Flamengo sentir que o time está querendo, está trabalhando, está com vontade, está lutando não precisa nem jogar bem, o importante é estar tentando vencer as partidas, com certeza ela vai apoiar. Vi grandes jogadores do Flamengo, que não é que jogassem mal, mas não tinham essa... são jogadores mais frios, não serem ídolos, jogarem bem mas a torcida não ser apaixonada por eles e vi jogadores que falaria que eram medianos e se tornaram adorados pela torcida do Flamengo."

Fechar