Notícias Placares ao vivo
Flamengo

Como o Vasco quase impediu o 2019 brilhante do Flamengo

19:34 BRST 13/11/2019
Arão comemora gol na vitória do Flamengo sobre o Vasco
Jorge Jesus poderia ter ido para o Gigante da Colina, primeiro clube brasileiro que o procurou. Agora, rivais se reencontram no Brasileirão

O terno preto e o cabelo desalinhado são inconfundíveis. Da beira do campo, Jorge Jesus não se faz por satisfeito com a vantagem no placar e dá mais uma bronca homérica no garoto Talles Magno. Momentos depois, vê o menino de 17 anos marcar um belo gol. Ainda bravo, comemora com intensidade, mas não deixa de ficar irritado com algo feito pelo lateral Danilo Barcelos.

Quer ver jogos ao vivo ou quando quiser? Teste o DAZN com um mês grátis!

É claro, essa cena é de ficção. Mas ela poderia ter acontecido. Após a demissão de Alberto Valentim, no começo do ano, Jorge Jesus era o alvo da diretoria do Vasco para o cargo de treinador da equipe. No papel, fazia muito sentido. Afinal, Jesus poderia trazer a tal "união Brasil-Portugal", citada no hino do Cruz-Maltino.

Naquele momento, o flerte do português com o Vasco da Gama era muito mais do que ilusão: Jorge Jesus quase defendeu o clube de São Januário. Atraído por sua admiração ao futebol brasileiro, a única coisa que separou o treinador do clube teriam sido detalhes financeiros. Detalhes importantes, esses. Importantes não só para o Vasco, mas também para um de seus rivais.

Na verdade, o português acabou desembarcando na Gávea. Após meses de tensão com a torcida e setores da mídia, caiu a bomba: Abel Braga não era mais o técnico do Flamengo. Para o seu lugar, chegou Jorge Jesus, um treinador não muito conhecido no imaginário do torcedor brasileiro, mas famoso por seus flertes com Vasco e Atlético-MG.

No entanto, a desconfiança logo deu lugar à admiração. Hoje, Jorge Jesus é um dos protagonistas do que talvez seja o melhor time brasileiro do século, além do "Mister" já ter se tornado ídolo da torcida flamenguista. E ele tem feito por onde. Este Flamengo é memorável e já está marcado como uma das equipes mais fantásticas de sua ilustríssima história.

Não que os vascaínos devam estar muito tristes com o que acabou acontecendo. No final das contas, "a união Brasil-Portugal" deu lugar a uma "união Luxemburgo-Brasil", e o veterano treinador transformou o Vasco, tirou a equipe da briga contra o rebaixamento e hoje vive em paz com a torcida. No entanto, é claro que o 11º lugar não se compara à dominação do Flamengo atual.

Ironicamente, essa dominação flamenguista começou num duelo contra o Vasco. Apesar de já ter goleado anteriormente o Goiás, a primeira amostra do "rolo compressor" que vemos hoje teve início naquela 15ª rodada.

Aquela partida foi aberta, as duas equipes jogaram bem e tiveram chances. No final, o Flamengo acabou saindo com uma vitória cujo placar parece mais tranquilo do que realmente foi aquele duelo. De lá pra cá, o Fla não perdeu mais.

Foram 21 partidas por todas as competições, desde aquele confronto, com 16 vitórias e cinco empates para o Flamengo. Mesmo que o trabalho de Jorge Jesus tenha sido impulsionado pela chegada de reforços de peso como Gerson, Filipe Luís e Rafinha, é inegável que o advento do português acabou sendo o divisor de águas desta temporada do Fla.

Isso acaba por nos levar a um "e se...". Será que Jesus teria realizado um trabalho tão bom assim com o elenco do Vasco, absurdamente mais barato e limitado? Como seria o desempenho do Flamengo se ele tivesse sido forçado a procurar outro treinador? Poderíamos ter um Grenal na Libertadores? Poderíamos ter o Fla indo mais longe na Copa do Brasil? Nunca saberemos.

O que nós podemos ter certeza é que todo Clássico dos Milhões é memorável e inesquecível por si só, já que vemos duas das maiores camisas do Brasil em partidas que sempre pegam fogo. Então, quando Flamengo e Vasco forem ao campo nesta quarta-feira, às 21h30 (de Brasília), não cabe a nós chorarmos pelo leite derramado, mas sim, aproveitar a coalhada que fica. Sim, a metáfora ficou ruim, mas o jogo será ótimo, pode ter certeza.