Quando a Grécia calou Portugal e adiou sonho de título de Cristiano Ronaldo

Última atualização
Getty/Goal

Historicamente, a Grécia nunca foi um país reconhecido pelo futebol. Antes de 2004, apenas uma vez se classificou para a Eurocopa e para a Copa do Mundo, em 1980 e 1994, respectivamente. E os gregos sairam das competições sem nenhuma vitória.

Dez anos depois, o país voltava a disputar um grande campeonato. Mas ninguém apontava que a Grécia seria uma das candidatas ao título europeu de 2004, em Portugal. Mas eles surpreenderam a todos e venceram os donos da casa na decisão por 1 a 0, em uma das vitórias mais inesperadas da história do esporte.

"O objetivo no início era vencer apenas um jogo. Isso já seria considerado um sucesso para nós: vencer só uma partida", ilustra Vasilis Tsiartas, ex-meio campista que fez parte daquele elenco.

"Os gregos fizeram história no futebol", afirmou o alemão Otto Rehhagel, que comandava o time. "Sempre há surpresas. Você se lembra da Coreia do Norte vencendo a Itália na Copa do Mundo de 1996, na Inglaterra? Desta vez, nós somos a surpresa".

Após perderem os dois primeiros jogos das eliminatórias, o time venceu as seis partidas restantes e se classificaram para o torneio em Portugal como líderes do grupo, que tinha a Espanha. Foram apenas oito gols em oito partidas, mas o time demonstrou uma solidez defensiva muito grande: apenas quatro gols sofridos.

Traianos Dellas e Michalis Kapsis eram os dois zagueiros. Fortes fisicamente e muito bons no jogo aéreo, impediam que os cruzamentos dessem trabalho a Antonios Nikopolidis, um goleiro extremamente confiável.

O meio de campo era formado por três jogadores defensivos mas que pensavam o jogo: Theo Zagorakis, capitão daquela seleção, Angelos Basinas e Kostas Katsouranis. Angelos Charisteas, de 1,9m, era o atacante do time, muito forte no jogo aéreo e que sabia prender a bola no ataque.

O lateral esquerdo daquela seleção, Takis Fyssas, comparou o time com o Atlético de Madrid de Diego Simeone. "Só tínhamos as armas que nos foram dadas. Não tínhamos um Zidane, um Simão ou um Cristiano Ronaldo. Apenas tínhamos que trabalhar duro e nos sacrificar, ter determinação e aquele espírito de família. Fizemos o que Simeone faz agora com o Atlético", disse Fyssas à ESPN.

Confira informações sobre a Eurocopa de 2021!

Na fase de grupos, a Grécia estreou justamente contra Portugal e venceu: 2 a 1. No segundo jogo, empate com a Espanha por 1 a 1. Por fim, bastava uma vitória sobre a Rússia para avançar. A derrota por 2 a 1 para os russos ainda serviu para classificar os gregos, que contaram com a vitória de Portugal contra a Espanha para avançar.

A França de Zinedine Zidane, Thierry Henry, Robert Pires, Patrick Vieira e outros craques foi o adversário dos gregos nas quartas de final. Um contra-ataque no segundo tempo definiu mais uma vítima da Grécia. O gol de Charisteas deu a classificação para a semifinal.

Thierry Henry France Greece Euro 2004

O "gol de prata" de Dellas contra a República Tcheca classificou o país para a final inédita. O gol de prata era uma regra, que durou pouco, que dizia que se algum time estivesse à frente do placar ao final do primeiro tempo da prorrogação, ele seria declarado o vencedor da partida.

A grande final foi, novamente, contra os donos da casa. Em um Estádio da Luz lotado, Portugal sabia que não poderia cometer os mesmos erros do jogo de abertura. Os mandantes tiveram 58% de posse de bola, finalizaram 17 vezes e tiveram 10 escanteios.

Mais artigos abaixo

Tudo isso, porém, não foi o suficiente para penetrar na forte defesa grega. E no único escanteio que a Grécia teve na partida inteira, Charisteas cabeceou para o fundo do gol para levar sua nação ao delírio.

Greece winning Euro 2004

Na Seleção do Torneio, cinco gregos marcaram presença e Zagorakis foi eleito o melhor jogador do torneio. A Grécia já não era mais irrelevante no futebol e aquela vitória vai ficar para sempre na história do país.