PSG dá uma 'força' para continuidade de Solskjaer no United - e não é a primeira vez

Comentários()
A segunda vitória dos Red Devils na casa do adversário francês com a presença de Solskjaer no banco de reservas ajuda o técnico a ter estabilidade

Nesta terça-feira (20), o Manchester United visitou o PSG, no Parque dos Príncipes, e conquistou uma importante vitória por 2 a 1 na primeira de jogos da fase de grupos da Liga dos Campeões. A vitória não poderia vir em melhor momento para o treinador Ole Gunnar Solskjaer, que vê a possibilidade de se estabilizar no cargo após um período conturbado. O adversário 'usado' para trazer essa paz ao norueguês foi o mesmo PSG que o ajudou a ser efetivado em março de 2019.

Futebol ao vivo ou quando quiser? Acesse o DAZN e faça o teste por um mês grátis!

O time inglês saiu na frente do marcador com gol de pênalti de Bruno Fernandes, que foi o capitão dos Red Devils. Um cabeceio contra o próprio patrimônio de Martial empatou o jogo, mas já ao final da peleja, Rashford (de novo ele) selou a vitória do United.

É uma importante arrancada de Champions League para a equipe de Ole Gunnar Solskjaer. O treinador já tem seu trabalho questionado há algum tempo, mas depois do vexame de perder em casa por 6 a 1 para o Tottenham de Mourinho, os clamores pela sua saída aumentaram ainda mais.

O time tinha pouco tempo para reagir, mas fez bem. Jogando fora de casa, venceu o Newcastle por 4 a 1, pela Premier League. A vitória contra o atual vice-campeão da Champions em domínios franceses ajudará o norueguês a recuperar um pouco de tranquilildade. O PSG em específico tem um papel importante nisso assim como teve há pouco mais de um ano e meio na efetivação de Solskjaer.

Em 6 de março de 2019, o Manchester United visitou o PSG no Parque dos Príncipes com uma difícil missão: reverter o 2 a 0 sofrido no Old Trafford e tentar a classificação para as quartas de finais da Liga dos Campeões.

Os Diabos Vermelhos venceram o duelo por 3 a 1, com dois gols de Lukaku e o último e decisivo de Rashford. O PSG, que anotou com Bernat, não contava com Neymar, que estava lesionado e viu boquiaberto o seu time perder a vaga nos últimos minutos de jogo.

Aquela classificação quase heroica foi fundamental na decisão da diretoria de efetivar o treinador e não mais tratá-lo como interino. Tanto é verdade que 22 dias depois, em 28 de março, o clube anunciava que o antigo ídolo da equipe seria o treinador principal.

Mais artigos abaixo

Vencer o PSG, na França, com um time recheado de estrelas, ajudou o norueguês a alcançar o objetivo de ser treinador principal da equipe, agora, quase um ano e meio depois, ajuda a apagar o fogo em um dos momentos mais conturbados de sua passagem pelo clube inglês.

Dessa vez, porém, a cobrança será maior, pois além do tempo de trabalho, o Manchester United investiu na contratação de peças importantes para o elenco e Solskjaer precisará de mais "vitórias improváveis" para provar sua capacidade de treinar o time que tem uma das marcas mais influentes no futebol.

Fechar