Flamengo deixa de arrecadar ao menos R$ 47 milhões e precisará vender jogadores

Comentários()
Orçamento inicial do clube previa ano mágico com ida às semifinais da Copa Libertadores e à decisão da Copa do Brasil

Se a precoce eliminação diante do Racing, nas oitavas de final da Copa Libertadores da América, foi um golpe duro para o Flamengo, a diretoria vai precisar lidar com outro problema: o orçamento financeiro. Afinal, o clube planejava chegar ao menos na semifinal da competição continental e na grande decisão da Copa do Brasil

Futebol ao vivo ou quando quiser? Clique aqui e teste o DAZN grátis por um mês!

Com a derrota para o Racing nos pênaltis, o Flamengo vai deixar de faturar US$ 3,5 milhões (US$ 1,5 milhão pela classificação às quartas e US$ 2 milhões pela classificação às semis), algo em torno de R$ 18 milhões na cotação atual. 

Já na Copa do Brasil, o planejamento era chegar ao menos à final do torneio, mas o Flamengo caiu para o São Paulo nas quartas de final e deixou de embolsar R$ 29 milhões. A ida para a semifinal renderia R$ 7 milhões e, na final, o vice-campeão embolsaria R$ 22 milhões. Caso fosse campeão, o clube faturaria R$ 54 milhões. 

Desta forma, o Flamengo não tem mais premiações para receber em 2020, ficando apenas a cargo da classificação na tabela final do Campeonato Brasileiro, que termina dia 24 de fevereiro. 

Impactos na manutenção do elenco

Além de perder receitas previstas em premiações, o Flamengo sentiu impactos financeiros decorrentes da pandemia da Covid-19. O Rubro-Negro deixou de arrecadar com a renda de público (em 2019, o Fla faturou R$ 109 milhões apenas com este item) nos jogos e teve queda no número de sócios-torcedores.

Para efeito de comparação, em dezembro de 2019, o clube chegou ao número de 150 mil sócios. Nesta quarta (2), um dia depois da eliminação na Libertadores, o site do Nação aponta 73.665 mil sócios-torcedores. 

As perdas de receita afetam diretamente a manutenção do elenco. Só em dezembro, Flamengo terá pela frente a definição das situações de Pedro, Pedro Rocha e Diego Alves. O último está com a renovação parada no setor financeiro desde antes das eliminações.

Já no caso de Pedro, o Rubro-Negro precisa exercer o direito de compra até o dia 31 de dezembro. O grande problema é que o investimento é de € 14 milhões (cerca de R$ 88 milhões na cotação atual). 

O caso de Pedro Rocha, que está entre os cinco maiores salários do elenco, também pode sofrer uma reviravolta. O Flamengo já conversava com o Spartak da Rússia sobre a possibilidade de esticar o empréstimo do jogador, mas admite que pode desistir caso o clube russo faça jogo duro.  

Engana-se, porém, quem pensa que são apenas esses os problemas. Em busca de receitas, o Flamengo, segundo apurou a Goal, vai precisar vender alguns atletas. Em 2020, para manter o elenco e seguir o planejamento feito, a diretoria optou por segurar os "medalhões" e negociou jovens talentos como Caio Roque, Vinicius Souza e Wendel, entre outros. 

Antes da eliminação na Copa Libertadores, o Flamengo já tinha desenvolvido um planejamento visando o ano de 2021. No documento, que ainda precisa ser aprovado pelos conselheiros, consta a compra de apenas um atleta no valor de R$ 30 milhões e uma estimativa de quase R$ 170 milhões em vendas de jogadores. 

Como dito, o documento foi feito antes da eliminação na Copa Libertadores e contava com, ao menos, uma ida às semifinais da competição. 

Reta final do Campeonato Brasileiro preocupa

À medida em que precisará buscar receitas com venda de jogadores, o Flamengo teme pela reta final do Brasileirão. Isso porque o torneio termina no dia 24 de fevereiro, mas as principais janelas de transferências do mundo abrem no dia 2 de janeiro. Ou seja, a diretoria se depara com a possibilidade de perder atletas importantes logo na reta final da competição nacional, sem a possibilidade de inscrever novos nomes. 

Dívida com Domènec Torrent

O Flamengo também precisa equacionar a dívida que tem com Domènec Torrent. Para desligar o treinador (que ainda tem vínculo ativo), o clube tem pagar US$ 2 milhões pela rescisão de contrato. A diretoria tenta negociar, mas o catalão não abre mão de receber o montante integral. 

Fechar