Arão vai de herói a vilão em eliminação do Flamengo com gol e pênalti perdido

Comentários()
O meio-campista foi um dos melhores em campo contra o Racing, mas a noite de sonho virou pesadelo na Libertadores

É uma daquelas coisas que, no futebol, é tão corriqueira que parece, ainda que não seja, uma verdade absoluta: o herói que salva o seu time, levando a disputa para a sorte dos pênaltis, acaba desperdiçando a sua batida.

Futebol ao vivo ou quando quiser? Clique aqui e teste o DAZN grátis por um mês!

Aconteceu com Willian Arão. O meio-campista foi um dos melhores em campo pelo Flamengo no duelo de volta das oitavas de final da Libertadores da América contra o Racing e ainda salvou o Rubro-Negro, nos acréscimos, ao marcar o gol do 1 a 1 que levou o duelo para os pênaltis. Quis o destino, entretanto, que tenha sido o camisa 5 justamente o único a ter desperdiçado o seu penal. O Flamengo está eliminado desta Libertadores.

Mais artigos abaixo

No tempo regulamentar o placar foi o mesmo do encontro de ida, na Argentina. O Flamengo dominava a posse de bola e conseguiu criar um número considerável de chances, mas ou pecava nas finalizações ou o goleiro Gabriel Arias aparecia bem para salvar os adversários. Na defesa, a exibição flamenguista era segura até um momento-chave: até a metade do segundo tempo, antes de o zagueiro Rodrigo Caio, que retornava ao time e vinha fazendo a diferença, ser expulso ao receber o segundo cartão amarelo. O Racing abriu o placar no lance seguinte, com Sigali aproveitando uma bola presenteada pelo acaso de um desvio no calcanhar de Gustavo Henrique.

As opções de Rogério Ceni foram de colocar Pedro, recém recuperado de lesão, no ataque. A parte mais polêmica foi ter sacado Everton Ribeiro e Arrascaeta. Sem os seus meias, o Flamengo seguiu construindo e criando... mas já sem a mesma qualidade: até o final do encontro o rubro-negro foi mais valente do que teve qualidade e abusou das jogadas aéreas. Deu certo, no final das contas, quando Willian Arão subiu para cabecear após escanteio batido por Diego Ribas – outro que saiu do banco de reservas. O tento deu sobrevida ao Rubro-Negro e foi um presente ao camisa 5, que ao lado de Gerson vinha sendo um dos grandes destaques em campo.

Willian Arão Flamengo Racing Libertadores 02 12 2020 Arão comemora o gol aos 93 minutos (Foto: Alexandre Vidal/CR Flamengo)

Se Arão não foi o jogador mais participativo neste jogo de volta, esteve muito perto. Jogou praticamente no campo todo – recuando para bem perto dos zagueiros para ajudar na saída de bola, pisando no campo de ataque para contribuir com a criação das jogadas e arriscar finalizações de cabeça. Nenhum jogador rubro-negro recuperou tanto a posse de bola (8) ou trocou tantos passes (79, acertando 88.6% destes). Acontece que no futebol nem sempre existe justiça. Nós sabemos muito bem disso.

Assim como o futebol dá, ele também tira. Arão, o penúltimo a se apresentar para a batida, finalizou mal: Arias caiu para o lado certo e sequer precisou esticar o corpo para espalmar a esfera. Coube a Domínguez converter sua cobrança para classificar o Racing, que levou a melhor por 5 a 3 nas penalidades. Willian Arão foi de herói a vilão em poucos minutos... daquelas sensações que só o esporte pode proporcionar.

Fechar