Caio Roque vê futebol na Bélgica mais exigente taticamente: "nunca tinha passado por isso"

Comentários()
Jovem lateral foi vendido pelo time Rubro-Negro ao Lommel, da Bélgica e cita oportunidade para evoluir como atleta

Este ano, o Flamengo montou uma força tarefa e buscou negociar alguns atletas da base em busca de um equilíbrio financeiro devido a crise causada pela Covid-19. Entre os jovens promissores, estava o lateral-esquerdo Caio Roque, de 18 anos. O jogador foi vendido ao grupo City e dá os primeiros passos na Europa vestindo a camisa do Lommel SK, da Bélgica

Futebol ao vivo ou quando quiser? Clique aqui e teste o DAZN grátis por um mês!

Em bate papo exclusivo com à Goal, o lateral destacou a boa adaptação ao país e se tornou até guia do companheiro Vinicius Souza, outro cria do Ninho do Urubu que desembarcou no Lommel. 

"A adaptação está sendo boa, venho treinando forte. Uma coisa que falicitou aqui é que quando cheguei o Marlos Moreno, que já jogou no Flamengo, estava aqui, então ele fala português, inglês, isso ajuda na nossa comunicação. O Vinicius chegou depois e a gente vai se ajudando". 

Caio fez sucesso na base do Flamengo e até figurou em convocações da seleção brasileira de base, ele estava feliz no time Rubro-Negro, mas a oportunidade foi vista com bons olhos por todos. 

"Eu estava bem no Flamengo, feliz, não estava pensando nisso (Europa), mas chegou uma boa proposta para mim, para o Flamengo, para a minha família e agora estou focado nos objetivos com o Lommel". 

Caio chegou ao Rubro-Negro com 13 anos e saiu aos 18, sem antes ter a oportunidade de deslanchar entre os profissionais, o lateral sonha em retornar ao clube um dia, mas primeiro quer gravar seu nome na história do futebol europeu. 

"Claro, eu penso sim (voltar ao Flamengo um dia), mas antes quero fazer o meu nome aqui, primeiro no Lommel, conquistar meu espaço, levar esse clube aos títulos, depois ir para um outro clube grande aqui da Europa". 

Nos primeiros passos na Europa, Caio já sente de longe a diferença para o futebol brasileiro, principalmente o futebol desenvolvido na categoria de base.

Mais artigos abaixo

"Aqui o jogo é muito mais rápido, eu nunca tinha passado por isso, é muito diferente, os treinos com mais intensidade, exigência tática, a gente vai buscando se adaptar e acredito que eu já venha conseguindo evoluir nisso, isso vai ajudar muito na minha evolução como jogador". 

O Flamengo desembolsou cerca de R$ 10 milhões de reais com a venda de 50% dos direitos econômicos de Caio Roque, o Rubro-Negro ficou ainda com os outros 50%. Há ainda gatilhos contratuais que podem levar o time carioca a faturar mais com o lateral. Se Caio vestir a camisa do Manchester City, por exemplo, outro clube do grupo City, o time da Gáve levará mais R$ 42 milhõs. 

Fechar