Clubes da Bundesliga voltam a se manifestar contra racismo

Comentários()
Mensagens de apoio a luta contra o preconceito racial e gestos apareceram em jogos da rodada

Na rodada que teve início nesta semana, os clubes da Bundesliga voltaram a se manifestar contra o racismo. Os protestos mundiais começaram depois que um homem negro foi morto asfixiado por policiais nos Estados Unidos.

Desde o começo dos protestos intitulados "Black Lives Matter" (Vidas Negras Importam, em português) os jogadores da Bundesliga estiveram muito ativos com manifestações em redes sociais e, principalmente dentro de campo, com mensagem e gestos pedindo o fim do preconceito racial. 

Desta vez, os clubes entraram mais firmes nos portestos dentro de campo. No jogo entre Leverkusen e Bayern de Munique, no sábado, os jogadores bávaros usaram braçadeiras com a frase "Black Lives Matter".

Já no duelo Borussia Dortmund x Herta Berlim, os atletas da casa foram ao aquecimento vestindo camisas com diferentes mensagens: alguma tinham as palavras preto, branco, amarelo e vermelho riscados e embaixo escrito humano e outras dizem "sem justiça, sem paz". Além disso, antes da bola rolar, os doi times se ajoelharam no meio de campo, gesto que ficou famoso na NFL por Colin Kaepernick e que se tornou sinônimo da luta contra o racismo.

Houve protesto, também, na vitória do Mainz contra o Eintracht Frankfurt, por 2x0. Após marcar o segundo gol da equipe visitante, Pierre Kunde também se ajoelhou no gramado.

Nesta semana, a Federação Alemã de Futebol (DFB), decidiu por não punir quem fizesse tais protestos, apesar de a regra permitir punição a quem fizer manifestações políticas em campo.

A própria Fifa pediu que nenhum jogador sofresse penalidades e a DFB acatou. "A DFB se opõe firmemente a todas as formas de racismo, discriminação e violência e defende tolerância, abertura e diversidade - valores que também são da DFB. Portanto, as ações dos jogadores têm nosso respeito e entendimento", disse Fritz Keller, presidente da Federação.

Mais artigos abaixo

Anteriormente, jogadores já haviam protestado, mesmo com a possibilidade de receberem uma punição. Jadon Sancho e Achraf Hakimi vestiram camisetas pedindo justiça para George Floyd - o homem negro morto por policiais -, o americano do Schalke 04, Weston McKennie usou uma braçadeira de luto com o mesmo pedido. Marcus Thuram, do Borussia Monchengladbach, também foi um deles, ao se manifestar ajoelhando em campo depois de marcar um gol contra o Union Berlin. 

George Floyd foi morto no último dia 25 de maio, depois de ser asfixiado por um policial que se ajoelhou em cima dele. Desde então, fortes protestos têm marcado o mundo, com grande apoio do mundo do futebol

Fechar