Como encaixar Arrascaeta no time? O dilema de Abel Braga no Flamengo

Comentários()
Alexandre Vidal/CR Flamengo
Torcida demonstrou insatisfação ao ver a contratação mais cara da história do clube ficar no banco de reservas na derrota para o Peñarol

O futebol é mesmo um esporte fascinante, você nunca sabe o que pode acontecer. No domingo, o Flamengo empatou com o Vasco aos 48 do segundo tempo em uma cabeçada espetacular de Arrascaeta e garantiu o título da Taça Rio nos pênaltis utilizando apenas os suplentes. Na quarta-feira(03), com o time titular, o Rubro-Negro foi derrotado pelo Peñarol, em um Maracanã lotado e o camisa 14, que outrora decidiu o jogo, sequer entrou em campo. 

O uruguaio, inclusive, virou assunto em toda a mesa de bar, programa de televisão e grupos de whatsapp, todos incrédulos como Abel Braga não colocou a contratação mais cara da história do Fla em campo, mesmo precisando do resultado positivo dentro de casa. O treinador, no entanto, ainda não encontrou o espaço devido para a maior contratação da história do futebol brasileiro e isso ficou ainda mais claro após explicar na entrevista coletiva o motivo de não ter utilizado o meia. 

"No futebol a oportunidade vem, e vai chegar o momento dele. Joguei com uma equipe há 10 jogos sem perder, liderando o nosso grupo. Tem momento que ele vai entrar, tem momento que não. No jogo passado ele decidiu para nós, foi muito bom. Falta um pouquinho de entrosamento, jogar mais por dentro".

Abel Braga Flamengo Peñarol Libertadores 03 04 2019
(Foto: Getty Images)

Desde que chegou ao clube, Abel deixou claro que não pensava em mudar muito a equipe, já que o Flamengo tinha brigado pelo título do Brasileiro do ano passado e mantido boa parte do elenco. O treinador trocou algumas peças, como a saída de Vitinho do time titular para a entrada de Bruno Henrique, jogadores com as mesmas características. 

Para o treinador, o fator mais importante era a mudança de postura, que de fato aconteceu. O Flamengo entra mais ligado no jogo, o que de vez em quando tem provocado um descontrole como nos casos de Bruno Henrique no final de semana e Gabigol, diante do Peñarol. Mas no geral, o grupo está mais ativo, mais intenso, só precisa dosar a "vontade" para não ser confundida com desespero. 

A linha de raciocínio de Abel, no entanto, tem deixado os torcedores irritados, uma vez que Arrascaeta é pouco utilizado pelo treinador. Com preferência por atuar pelo lado esquerdo, o uruguaio encontra a concorrência de Bruno Henrique, jogador estratégico do comandante.  O ex-Santos é o homem não só da velocidade, como também responsável por contribuir na marcação fechando os espaços e acompanhando o lateral ou pontas adversários se necessário. 

Bruno Henrique Flamengo Peñarol Libertadores 03 04 2019

Contra o Peñarol, por exemplo, time que explora bastante a velocidade pelos lados, Abel preferiu deixar Arrascaeta de fora. O uruguaio encontra o mesmo problema na seleção, onde também fica no banco de reservas. Quando joga com Tabarez, Arrascaeta precisa se comprometer mais na marcação, o que atrapalha seu futebol, que precisa estar mais solto para fazer a diferença lá na frente. 

No meio-campo, para Arrascaeta jogar no Flamengo precisaria barrar Diego, o que para Abel também parece ser complicado. Além de ser o capitão do treinador, o camisa 10 deixou de ser um armador para se tornar um organizador, volta bastante para buscar a bola quase que entre os zagueiros e contribuir na marcação. 

Mais artigos abaixo

A solução seria deslocar Diego para atuar como volante, na vaga de Willian Arão, e encaixar Arrascaeta no meio, como o armador da equipe. O camisa 10, inclusive, se colocou à disposição de Abel Braga para desempenhar esta função, algo que o treinador ainda não experimentou.

Neste sábado, o Flamengo terá pela frente o Fluminense, na semifinal do Campeonato Carioca e Abel viverá um dilema, escalar os titulares ou poupar novamente de olho no confronto contra o San José na próxima quinta. No entanto, em caso de derrota para o Tricolor, a pressão sobre o comandante ficará ainda maior, principalmente se não der espaço para Arrascaeta, que pela qualidade precisa ter mais minutos em campo.

E agora, comandante?

Fechar