Yony González: como joga o atacante colombiano reforço do Corinthians?

Fluminense Yony Gonzalez Palmeiras Felipe Melo
Alexandre Schneider / Correspondente
Envolvido na negociação que levará Pedrinho ao Benfica, o ex-jogador do Fluminense chega ao clube paulista para dar mais opções a Tiago Nunes

Com 25 anos de idade, Yony González está prestes a encarar mais um desafio na carreira: será o novo jogador do Corinthians. Utilizado como moeda de troca na negociação que levará o Pedrinho ao Benfica, o colombiano assinou um empréstimo de um ano com o clube paulista, que tem obrigação de contratá-lo ao fim do vínculo por três milhões de euros.

Acompanhe o melhor do futebol ao vivo ou quando quiser: clique aqui e teste o DAZN por um mês grátis

Depois de ir bem no Envigado, equipe pequena da Colômbia, Yony González foi contratado pelo Junior Barranquilla, um dos maiores clubes de seu país. Lá, viveu três anos de altos e baixos, mas sempre sendo peça importante de uma equipe que foi vice-campeã da Sul-Americana de 2018 e tinha nomes como Yimmi Chará, Victor Cantillo, Téo Gutierrez e Luis Díaz.

No Brasil, foi um dos principais nomes do Fluminense em 2019, chegando ao Benfica no final da temporada para ser utilizado como moeda de troca. Agora, retorna ao Brasil para reforçar um gigante do futebol tupiniquim.

"O torcedor pode esperar gols e entrega. Um jogador que não desiste de nenhuma bola." declarou o colombiano sobre seu futebol, perguntado ao desembarcar em São Paulo para assinar com o Corinthians. Mas, é isso mesmo que pode se esperar de Yony González? A Goal preparou uma matéria se você não conhece o estilo de jogo do atleta. Confira!

Como joga Yony González?

Yony Fluminense

O apelido do colombiano já diz muito sobre seu futebol. "Speedy" González, como ficou conhecido, mostra aquela que talvez seja sua principal qualidade: a velocidade. O atacante atua pelos lados de campo, fazendo muita fumaça com sua aceleração, força e entrega.

No entanto, Yony não é só um velocista: o atleta se destaca por sua capacidade em balançar as redes. No Fluminense, em 2019, foi o principal artilheiro da equipe, com 17 gols no ano. Sob o comando de Fernando Diniz, treinador mais ofensivo, o colombiano teve uma média muito boa para um jogador que joga pelas pontas: 0,40 tentos por partida.

Em seu último ano em Barranquilla, a história foi parecida: foi o terceiro maior artilheiro da equipe colombiana, com 11 gols, mesmo tendo jogado mais de mil minutos a menos do que os dois principais goleadores naquele ano. Yony também ajuda na recomposição defensiva e raramente se machuca.

Cabe ressaltar, porém, que seus números caíram muito após a saída de Diniz - o atacante caiu de produção após a saída do treinador - Yony González, apesar de ter sido decisivo em vários momentos pelo Flu, não é um exímio finalizador: o colombiano precisa de várias chances para balançar as redes. Com sua imposição física, normalmente acaba tendo boas oportunidades e sendo goleador, mesmo sem um grande aproveitamento nos chutes e cabeceios.

Como pontos fracos, podemos destacar o seu baixo número de assistências: para um jogador que em teoria joga ao lado de um centroavante (embora já tendo atuado por dentro), Yony distribui poucas assistências, já que não é nenhum primor da técnica.

Ou seja: Yony González, assim como qualquer outro jogador de futebol, não é perfeito, mas pode ajudar muito o Corinthians, se destacando pela sua entrega, poder de decisão, velocidade e ímpeto físico.

Fechar