Conmebol TV surge de ruptura com Globo e deixa Libertadores mais cara e escondida

Após seis meses de interrupção por conta da pandemia do novo coronavírus, a Copa Libertadores da América está de volta nesta terça-feira (15/09) com uma nova organização na transmissão dos jogos para o Brasil, oferecendo ao torcedor a contratação de um novo canal, a Conmebol TV, a R$39,90 mensais, disponível apenas para assinantes das duas operadoras de TV por assinatura parceiras e com seis jogos exclusivos nesta terceira rodada da fase de grupos.

Futebol ao vivo ou quando quiser? Clique aqui e teste o DAZN grátis por um mês!

O arranjo se dá com a saída do grupo Globo da principal competição do continente, já que não houve acerto na renegociação dos valores nesse período de pandemia. A Globo procurou baixar os valores, e a abordagem da empresa desagradou a Conmebol. Se a principal rede do país se manteve irredutível, a Confederação agiu para colocar seu principal conteúdo em concorrentes, fechando com SBT e Band.

Se por um lado a Globo usou de seu poder de barganha, "pagando para ver" se outra rede alcançaria patamares tão elevados pelos direitos de transmissão, por outro a Conmebol respondeu firmando contratos mais baixos, mas celebrando a continuidade do torneio sem depender do maior parceiro até então. A Globo pagava 60 milhões de dólares para transmissões em seus canais aberto e fechado, enquanto o SBT ocupará a faixa gratuita por cerca de 15 milhões de dólares, informou a Máquina do Esporte.

Com a saída da Globo e da Sportv, a configuração para a retomada do torneio é a seguinte: o horário da TV aberta, 21h30 das quartas-feiras, passa a ter um ou dois jogos disponíveis para o SBT; o pacote principal da TV a cabo segue com a Fox Sports, que transmite a final com exclusividade nos canais por assinatura; o Facebook segue com seus jogos gratuitos, na internet, às quintas; e a TV Conmebol, uma parceria com a Bandsports, assume as partidas que eram da Sportv, uma prioridade secundária em relação à Fox.

Com base nisso e nos sete jogos envolvendo clubes brasileiros, a distribuição fica a seguinte nesta semana: na quarta, Palmeiras e Grêmio jogam no SBT, sendo que o primeiro passa também na Fox, e o segundo também na Conmebol TV; Inter, na quarta, e São Paulo, na quinta, são jogos exclusivos da Fox; o Flamengo é o jogo do Facebook, na quinta; Santos e Athletico-PR, nesta terça, são as partidas exibidas apenas na Conmebol TV (disponível a assinantes Claro/Net e Sky, com início gratuito).

A nova configuração abre alguns debates neste momento de mudanças na relação do público com o futebol. Primeiro, o financeiro. Os assinantes de TV a cabo que já pagam os canais esportivos agora precisarão assinar um novo pacote extra, com preço acima do mercado atual e sem saber quais jogos serão transmitidos por lá. É bem possível que determinados times estejam sempre contemplados por TV aberta, Fox Sports ou Facebook.

Ainda que a Sportv não transmita mais a Libertadores, é difícil imaginar que um assinante abriria mão dos canais que transmitem Estaduais, Brasileiro e Copa do Brasil para pagar por uma mensalidade mais econômica e investir na Conmebol TV. Ainda assim, se o objetivo for a Libertadores, essa TV a cabo mais básica perderia a Fox, o que exigiria uma assinatura à parte na internet.

Segundo, a exclusividade. Se o país tem cerca de 15 milhões de assinaturas de TV a cabo vigentes, a Conmebol TV fica disponível para 80% disso, já que está na Claro/Net e na Sky. Diferentemente da tendência dos canais de streaming, não há opção para assinatura via aplicativo de celular ou site. Então ainda que alguém aceite pagar por todo e qualquer jogo da Libertadores, é preciso ser assinante e ter a instalação das empresas escolhidas pela Confederação.

De toda forma, é um movimento amplo, que continua abastecendo a discussão sobre o apelo do futebol, a capacidade de ele motivar as pessoas a pagarem diversas assinaturas, cada uma com seu formato, para juntas oferecerem um cardápio completo. Se há algum tempo o dilema era conseguir assistir a um jogo de futebol - há cerca de 15 anos a Libertadores ainda tinha grandes clubes brasileiros jogando sem televisão e já no início da madrugada -, agora nunca foi tão fácil ter tanta bola à disposição. Resta saber se o torcedor acompanhará o ritmo.