Carille no Corinthians, Tite na seleção: de exaltados a criticados, mas por quê?

Comentários()
Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians
Apesar da entrega nos resultados, espera-se mais dos times comandados pelos treinadores

Tite mudou a história do Corinthians, conquistou títulos e o status por ele atingido o levou para a seleção brasileira. No Timão, Fábio Carille foi o seu grande sucessor e também aumentou o número de peças no museu de taças do clube. Outra coincidência está calcada no estilo de jogo do time, pragmático, quase sempre tendo na defesa a sua principal força, e no momento atual vivido por ambos: tanto um quanto outro hoje têm o trabalho questionado.

O Corinthians de Carille, por exemplo, ocupa a quarta posição na tabela do Brasileirão, longe da disputa por títulos e na última quinta-feira (10) precisou de um esforço hercúleo para, com duas jogadas de bola parada, empatar por 2 a 2 com o Athletico-PR dentro de Itaquera.

Acompanhe o melhor do futebol ao vivo ou quando quiser: assine o DAZN e ganhe um mês grátis para experimentar

Em uma noite onde a tão aclamada solidez defensiva não funcionou, o ponto conquistado foi lucro especialmente pelo desempenho apresentado pelo time. Esta necessidade de melhorar a forma de jogar tem sido reconhecida, desde o início do ano, mas a equipe segue deixando a desejar na forma que trata a bola e o comandante culpa a falta de peças melhores especialmente em seu setor criativo.

Carille culpa falta de peças

Fabio Carille Corinthians Fluminense Sul-Americana 29 08 2019(Foto: Getty Images)

Pela organização do Brasileiro, acho que devemos terminar em 3º, 4º ou 5º. Mas, pelo que estamos jogando, não”, disse Carille após o empate com o Athletico. “É como eu sempre digo, são muitos jogadores novos trabalhando comigo. Requer tempo. Mas isso também mostra o que é necessário para o Corinthians ser mais forte. Situação do clube não é boa, queremos um jogador definidor, mas jogadores qualificados, que resolve, não são muitos. Para comprá-los, é preciso dinheiro”.

Ainda na Arena Corinthians, o diretor de futebol do clube, Duílio Monteiro Alves, falou que o Corinthians não teve dinheiro para fazer mais contratações especificamente para o setor ofensivo. No início da temporada, o Timão chegou a sondar nomes como Gabigol (hoje no Flamengo), Rodriguinho (que acabou se acertando com o Cruzeiro) e Roger Guedes (que segue na China).

“O problema foi dinheiro. Os valores oferecidos pelo clube e o tempo de contrato não encaixaram e a gente entendeu que não foi possível. Faltou dinheiro”, disse o dirigente.

Tite insiste com peças

Tite Brasil Colombia Amistoso 06092019(Foto: Getty Images)

A situação com Tite é diferente, afinal de contas na seleção brasileira o que não faltam são boas opções. Entretanto, o comandante segue a demonstrar insistência exagerada com algumas destas peças.

O principal é Philippe Coutinho. Apesar de estar recuperando o seu melhor futebol no Bayern de Munique, na seleção o meia não consegue render o seu melhor pelo Brasil. Mesmo que tenha participado no gol marcado por Roberto Firmino, no empate por 1 a 1 com Senegal, o problema envolvendo Coutinho é o desenho da equipe de Tite: a ponta-esquerda é de Neymar, e Firmino tem como característica recuar muito para o setor de criação, entrelinhas, como se fosse um “Falso 10”. Philippe atinge o seu melhor justamente da meia para a ponta-esquerda.

Além disso, as exibições recentes não estão agradando. Desde o título da Copa América, em três jogos foram dois empates e uma derrota. Tite reconheceu o desempenho abaixo do esperado especialmente contra Senegal: “Esteve abaixo do seu padrão técnico, do padrão normal competitivo”, disse.

Sombra de Jesus e foco em desempenho

Jorge Jesus Corinthians Flamengo Brasileirão 21 07 2019(Foto: Getty Images)

Os questionamentos em relação a Carille e Tite têm mais a ver com desempenho do que com resultados. O Corinthians já foi campeão estadual e a avaliação é de que faz boa campanha, em números isolados, no Brasileirão. A seleção cumpriu com a obrigação de ser campeã da Copa América dentro do Maracanã. O problema tem sido a qualidade do entretenimento entregue.

Isso fica mais evidente em um momento no qual o Flamengo de Jorge Jesus encanta por resultados e pelo seu jogo. Tanto, que o treinador português, líder do Brasileirão e semifinalista da Libertadores, começou até mesmo a ser perguntado sobre a possibilidade de entrar no radar para futuramente treinar o Brasil.

Mais artigos abaixo

“Seleção brasileira é uma das melhores do mundo, tem os melhores jogadores do mundo. Tem um excelente técnico. Vim com objetivos ao Flamengo, esse é o meu grande foco, não há mais foco nenhum”, disse JJ após vitória por 3 a 1 sobre o Atlético-MG.

Em meio a críticas antes pensadas como impensáveis, hoje tanto Carille quanto Tite começam a ser mais questionados justamente pelo desempenho.

Fechar