Bando de Loucos: Dezoito

Comentários()
Getty Images
"Meus 18 anos chegavam com a consagração corinthiana semanas antes"

Por Luís Butti, de São Paulo


Ubatuba, 14 de Janeiro de 2000.

Fazia muito calor. Mas ninguém largava as vestes pretas (ou brancas) do Corinthians ou alusivas ao clube. Uns, com a camiseta dos Gaviões da Fiel. Mas todos prontos para o acontecimento mais importante da história de Ubatuba: o Corinthians seria Campeão Mundial e a esmagadora maioria de moradores e turistas levariam o verão do litoral ao êxtase.

Contagiados ao som dos sambas-enredo do Brasil 500, que desfilariam algumas semanas depois do Mundial da FIFA, todos empunhavam as suas bandeiras em varandas, quiosques e guarda-sol na Praia Grande.

“O Povo....à luta Em busca de seus ideais”

Era, de fato, a luta, a batalha. Assim a Gaviões se preparava para cantar tais versos no Anhembi em um desfile épico, que culminaria num Vice (maldito costeiro). A batalha, contudo, naquela noite, era contra Juninho, Romário, Edmundo, Viola, Gilberto e cia.

Ramon Vasco x Corinthians Mundial de clubes 2000 Maracanã

Era para eu estar no Maracanã. Não deu. Não consegui ingresso. Meu pai viajava para Sampa junto a mais quatro funcionários. Dois no Parque São Jorge, dois nos Gaviões. Mais dois iam
para o Rio. Nada.

Na época, eu tinha dezessete para dezoito anos. Completaria a maioridade no dia 27 de Fevereiro. Mas já sabia muito bem o que simbolizava ganhar o mundo naquela noite. Confiava em Dida. Ali nada passaria e bota fé que ela vai entrar nos pés de Edílson, Marcelinho, Ricardinho e Luizão.

Mais atrás, Rincón e Vampeta davam a qualidade para o Corinthians desarmar e ser letal. Na defesa, Índio, Fábio Luciano, Adilson e Kléber.

Mas eu queria estar lá. Não pude. A batalha era lá. Ao som de “ÔÔÔ....Todo Poderoso Timão!” calando a torcida do Vasco

Não vamos perder. Aquilo era essencial para um rapaz de quase dezoito anos. A internacionalização definitiva do Corinthians.

Em campo, um 0x0 pegado, definido nos pênaltis. Vai, Dida ! Voa para a eternidade. Defendia o penal de Gilberto. Mas Hélton defendia o golpe fatal de Marcelinho.

Corinthians x Vasco - Mundial 2000


Edmundo, meu carrasco de criança, ia para a bola.

- PQP! Tem que ir pra fora ! Some daqui, bola!

E assim foi. Deus quis assim. A bola ia pra fora e o Corinthians batia o Vasco da Gama.

Corinthians Campeão Mundial 2000 Maracanã
(Fotos: Getty Images)

O Solar das Embaúbas virava o Maracanã nas janelas. E aquilo era importante demais para mim.

Meus 18 anos chegavam com a consagração corinthiana semanas antes.

Este mês, quem atingiu a maioridade foi ela. Esta conquista, que faz os 18 anos bem vividos e vitoriosos. Ganhou uma irmã mais nova em 2012 e se Deus quiser ganhará outra em alguns
anos.

Ah, os dezoito.

Fechar