Saídas de Varane e Ramos escancaram crise financeira no Real

Última atualização
Getty/Goal

Sergio Ramos e Raphael Varane não jogam mais pelo Real Madrid. As duas lendas da zaga merengue estão de mudança para o PSG e para o Manchester United, respectivamente, e escancaram os problemas financeiros do clube.

Futebol ao vivo ou quando quiser? Clique aqui e teste o DAZN grátis por um mês!

Depois de vários anos construindo histórias de peso no Real Madrid, Ramos e Varane deixam o clube com status de lenda, e diversos títulos conquistados. No caso do francês, foi uma década vestindo a camisa branca com 18 títulos conquistados - entre eles quatro Champions League e três títulos da La Liga -, sendo o oitavo maior vencedor da história do clube. 

A velocidade e a antecipação de Varane ajudaram a salvar a equipe em inúmeras ocasiões, recuperando-se após erros cometidos em campo ou pelo próprio Ramos, provando ser uma ótima dupla para o espanhol na zaga merengue. Os dois também se equilibravam, enquanto o ex-capitão levou 160 cartões amarelos e 20 vermelhos em seus anos de Real, o francês tomou 14 cartões amarelos e dois vermelhos em 236 jogos da Liga.

"Vender patrimônio ou deixá-lo escapar é algo a que um madrileno não está acostumado, eu cresci com um Madrid poderoso que tem poder de compra", escreveu Tomas Roncero no AS. "Perder os dois em uma janela parece que sofri um golpe na cabeça".

A saída da consistente dupla de zaga na mesma janela de transferências é um golpe e tanto para o Real, além de um sinal de como as coisas vão mal no clube. Eles não estão em um estado tão caótico quanto seus rivais Barcelona, mas os gastos de Madrid, ou a falta deles, destacam a cautela que o presidente Florentino Pérez precisa exercer.

Desde que contratou James Rodriguez em 2014 por cerca de € 80 milhões, o Real não gastou mais de € 45 milhões em um jogador até 2019, quando trouxe Eden Hazard do Chelsea. Foi uma jogada motivada pelo desespero para substituir Cristiano Ronaldo, de quem sentiam muitas saudades, e saiu pela culatra. O belga passa mais tempo no departamento médico do que dentro de campo.

A saída de Varane de Madrid, então, faz parte de sua tendência de tomar decisões que garantam a sobrevivência do clube, ao invés de ser uma jogada que busque o sucesso esportivo. Embora o francês, de 28 anos, não estivesse em seu melhor momento na temporada passada, ele ainda é um dos defensores de elite do planeta e tinha sua posição garantida no Santiago Bernabéu.

O contrato de Varane se encerraria em junho de 2022 e ele não estava interessado em renovar o vínculo. Em parte, porque o Real não queria pagar os € 12 milhões por temporada que ele queria, mas também para que ele pudesse procurar aventura e novas experiências em outro lugar.

A ida para o Manchester United, então, ao menos rendeu um pagamento ao clube, que poderia perdê-lo de graça em breve - e a questão é algo notável nas intenções de Florentino Pérez, que tanto tentou o lançamento da polêmica Superliga, a fim de aumentar seu faturamento. O principal objetivo é conseguir a contratação de Kylian Mbappé, que não deve seguir no PSG após o término de seu atual contrato

Sem a dupla que se consagrou nos últimos anos, o Real deve apostar em Nacho Fernández e Eder Militão para formar a nova defesa, agora sob comando de Carlo Ancelotti. Além deles, os merengues ainda têm David Alaba chegando para ser parte do elenco, sendo capaz de atuar na posição. 

Apesar de ter peças para usar para substituir a dupla, é inevitável pensar que, ao menos Varane, parecesse uma das melhores opções entre os veteranos para guiar uma renovação necessária no Bernabéu, ao lado de Casemiro. Enquanto Luka Modric já está caminhando para o final de sua carreira, Marcelo não está em seu melhor, Isco é uma sombra do que ele era e Dani Carvajal é preocupantemente sujeito a lesões. Assim, entre os vencedores da Liga dos Campeões, o francês poderia ser uma boa opção.

Este, no entanto, não parece ser o pior dos momentos para que o Real passe por estas mudanças, visto que o Barcelona, seu principal rival, também vai de mal a pior. Assim, a briga pela La Liga parece equilibrada novamente, com o atual campeão Atlético de Madrid talvez aparecendo como favorito.