O que foi a Copa João Havelange? 'Brasileirão' de 2000 teve 116 times e surgiu de disputa judicial

Última atualização

Hoje, todos já estão acostumados com o formato atual do Campeonato Brasileiro: desde a edição de 2003, a primeira divisão do torneio é disputada no sistema de pontos corridos. Porém, como todos sabem, em outras épocas, existiram outros formatos para a competição. E talvez o mais caótico de todos tenha sido o "Brasileirão de 2000", a Copa João Havelange.

Quer ver jogos ao vivo ou quando quiser? Acesse o DAZN e teste o serviço por um mês grátis!

Há 20 anos, o Vasco despachava uma das maiores zebras da história do futebol brasileiro para se tornar campeão nacional pela quarta vez. Entretanto, para entender o que foi o torneio,é preciso voltar ainda mais no tempo. Mais precisamente, para o Brasileirão de 1999.

Vasco - Copa João Havelange - Brasileirão 2000 Foto: Getty Images

Naquele ano, 24 equipes jogaram a primeira divisão nacional: o Corinthians foi o campeão, batendo o Atlético-MG na final, enquanto que teoricamente, os rebaixados haviam sido Botafogo-SP, Juventude, Paraná e o gigante Botafogo. Mas a disputa acabou caindo nos tribunais.

Em 1999, o São Paulo, que brigava por uma vaga entre os oito primeiros classificados do Campeonato Brasileiro, contava no seu elenco com o jovem atacante Sandro Hiroshi. Posteriormente, no entanto, foi descoberto que o jogador estava em situação irregular, devido a um imbróglio judicial entre Tocantinópolis e Rio Branco-SP, seus ex-clubes - além de um caso de "gato"...

Assim, Botafogo e Internacional, que brigavam contra o rebaixamento, entraram na justiça para obter os pontos de suas partidas contra o Tricolor.

Naquela edição do Brasileirão, os quatro rebaixados seriam determinados por uma média de pontos nas últimas duas competições. Como Botafogo e Internacional conseguiram na justiça os pontos de seus jogos diante do São Paulo - o Alvinegro havia sido goleado e o Colorado, empatado o duelo -, ambas as equipes ultrapassaram o pequeno Gama, do Distrito Federal, que então cairia para a Série B.

Só que o Gama não aceitou o rebaixamento e entrou na justiça comum contra a CBF, que foi impedida de organizar o Brasileirão de 2000. Assim, a organização do campeonato ficou com o saudoso Clube dos 13. Depois de mais brigas judiciais, intervenção da Fifa e políticos influentes mediando a situação, todas as partes chegaram a um acordo: surgia aí a Copa João Havelange.

Com 116 times, divididos em quatro módulos, a competição marcou época: contava com times históricos e craques como Romário, Juninho Pernambucano, Ronaldinho Gaúcho, Ricardinho, Rogério Ceni e muitos outros.

Funcionava da seguinte forma: 25 times da "elite", incluindo Gama, Fluminense, Bahia e América-MG (que subiram em uma "virada de mesa"), formavam o módulo azul, que classificava 12 times ao mata-mata. A "segunda divisão" era o módulo amarelo, com 36 equipes e três classificados ao mata-mata. Os outros dois módulos, Verde e Branco, correspondiam à "terceirona", contavam com 55 clubes e classificava um para o mata-mata.

No final, a surpresa São Caetano - que vinha do módulo amarelo - eliminou em sequência os gigantes Fluminense, Palmeiras e Grêmio e se classificou para jogar a decisão contra o poderoso Vasco (de Romário, Euller, Juninho Paulista e Juninho Pernambucano). Depois de um primeiro jogo em São Paulo, uma tragédia em São Januário fez com que os dois finalistas tivessem que jogar uma terceira partida já em 2001.

No estádio do Maracanã, o Vasco da Gama - com propaganda do SBT na camisa - derrotou o Azulão por 3 a 1 e finalmente se sagrou campeão brasileiro de 2000. Quer ver mais detalhes da história? Assista no vídeo produzido pela Goal.