Covid-19 transforma PSG em "time comum" - e Ligue 1 começa com derrota

Sem Neymar, Mbappé e mais da metade de sua equipe titular, os atuais campeões perderam para o Lens

Pouco mais de duas semanas após a derrota na final da Champions League, o PSG enfim fez sua estreia na edição 2020-21 da Ligue 1 francesa (que já está em sua segunda rodada). Mas ao contrário do que estávamos habituados, o esquadrão recheado de grandes nomes como Neymar, Mbappé e Di María entrou em campo sem os seus melhores jogadores. Isso porque, além dos três citados, Mauro Icardi, Paredes, Keylor Navas e Marquinhos foram infectados com o novo coronavírus e não puderam estar às ordens do técnico Thomas Tuchel.

Futebol ao vivo ou quando quiser? Clique aqui e teste o DAZN grátis por um mês!

Mais artigos abaixo

As ausências foram muito sentidas no Stade Félix Bollaert-Delélis, com o Lens batendo os parisienses por 1 a 0 – Ganago fez o gol. Além do revés dos atuais campeões nacionais de tudo, cuja última derrota em torneios domésticos havia sido em novembro de 2019, impressionou a superioridade da equipe mandante – que acabou de subir da segunda divisão. O Lens teve menos posse de bola (21.9%), mas teve as melhores chances da partida.

Pelo lado do PSG, apenas cinco jogadores que iniciaram a final da Champions contra o Bayern de Munique foram listados no time titular desta quinta-feira (10): Kehrer (lateral-direito contra os alemães) ficou na zaga diante do Lens, o zagueiro Kimpembé, o lateral-esquerdo Bernat e o meio-campista Ander Herrera. Marco Verratti, que entrou no decorrer da decisão europeia, também foi titular.

Os jogadores citados acima foram os que mais participaram contra o Lens, que marcou o gol da vitória aproveitando o grande erro de passe cometido pelo goleiro Marcin Bulka. Mas seja pelo cansaço de já terem que iniciar uma nova campanha, menos de um mês após o encerramento da última temporada, ou pela ausência de nomes como Neymar, Mbappé, Di María, Marquinhos e Keylor Navas, a primeira impressão do PSG neste início de campanha é óbvia: sem os seus astros, o Paris Saint-Germain vira um time comum na França. Afinal de contas, qual equipe no mundo conseguiria se manter dominante sem sete – mais da metade do time titular – de seus principais nomes?

A dúvida que fica por hora é sobre quando Neymar, Mbappé e os demais infectados com a Covid-19 poderão retornar às atividades e aos jogos oficiais. A certeza é de que, uma vez que passar a contar com seus melhores jogadores, derrotas do PSG prometem ser um artigo raro no futebol jogado na França.

Fechar