Corrupção no Barcelona é evidente, acusa ex-vice-presidente do clube

Comentários()
Emili Rousaud, ex-vice-presidente do clube, acusa a direção do Barcelona de participar de esquemas de corrupção; investigações devem sair em breve

À medida que a janela de transferências se aproxima, os torcedores do Barcelona ficam a espera de novas notícias sobre possíveis reforços. A tão sonhada volta de Neymar, a contratação de Lautaro Martínez e uma possível chegada de Xavi como novo treinador da equipe são as maiores esperanças da torcida. Mas agora, mais uma polêmica promete esquentar a crise do Barça.

Emili Rousaud, ex-vice-presidente do clube, renunciou recentemente seu cargo em conjunto com outros cinco membros do conselho, em protesto contra a atual direção culé. Segundo o dirigente, “a corrupção é evidente” no Barcelona e o clube tentou manchar sua honra ao pessoal para desviar o foco de suas acusações. 

A renúncia do grupo de cartolas aconteceu após um escândalo - “BarcaGate” - envolvendo o presidente do clube, Josep Maria Bartomeu, que foi acusado de contratar uma empresa para melhorar sua imagem durante o último ano de seu mandato, por meio de figuras de alto nível associadas ao Barcelona.

Depois disso, Rousaud alegou que os serviços estavam sendo pagos por um preço bem superior ao valor de mercado, permitindo que os intermediários ficassem com a diferença. 

Goal 50 Revelado: Os 50 Melhores Jogadores do Mundo

Uma auditoria externa está em andamento para provar se tal acusação é verdadeira ou não. De acordo com informações apuradas pela Goal, o relatório poderá vir a público nas próximas duas semanas. Vale destacar que as investigações foram adiadas por conta da pandemia do novo coronavírus. 

Enquanto o resultado não sai, Rousaud já está se preparando para uma possível batalha legal na sequência, ainda insistindo que pagamentos ilícitos foram feitos em pequenas parcelas, a fim de proteger aqueles que estão mais acima na hierarquia do clube.

"Com o único objetivo de responder o porta-voz do Barcelona, que registrou uma queixa criminal contra mim, pelas declarações feitas sobre o chamado caso 'BarcaGate', quero declarar o seguinte:”, declarou Rousaud ao Mundo Deportivo.

Emili Rousaud, Barcelona Foto: Goal

"1. A existência de corrupção dentro do clube é evidente, pelo fato de já ter sido demonstrado que contratos entre empresas - uma baseada em um paraíso fiscal - foram pagos em prestações para evitar controles internos, aprovações pelo Comitê de Adjudicação - que garante a compra a preço de mercado - e pelo Conselho de Administração”.

"2. As declarações que fiz sobre esse assunto são absolutamente verdadeiras e demonstráveis. As opiniões que expressei são absolutamente fundamentadas, o que me permite afirmar que a denúncia contra mim não tem base alguma”.

Além disso, o dirigente afirma que foi afastado após denunciar tais irregularidades, mas afirma que tem a responsabilidade de tornar o caso público. Agora, o dirigente também se concentra em se defender das ações legais movidas pela diretoria culé. 

"3. Infelizmente, quando avisei o clube sobre essas irregularidades, fui demitido. No entanto, não se pode subestimar que há uma obrigação moral e legal de denunciar publicamente ações irregulares que possam constituir crime”.

"4. Nesta situação, eu me reservo o direito de realizar ações legais em defesa dos meus legítimos interesses e direitos, especialmente quando considero que a denúncia anunciada pode ser um crime de acusação falsa e um crime de insulto, dado que seu real objetivo poderia apenas para manchar minha honra pessoal. Este assunto está nas mãos do meu advogado”.

Mais artigos abaixo

"5. Nunca questionei a honra de nosso amado clube e de seus funcionários - pelo contrário. Sinto-me muito honrado por servir meu amado Barça e por ter tido a oportunidade de conhecer pessoas que trabalham no clube com grande qualidades profissionais e humanas”.

"6. Minha intenção em todos os momentos é ser consistente com o meu desempenho no quadro desde o início, com ações guiadas por transparência, honestidade e respeito, e não decepcionar a confiança depositada no quadro nas eleições passadas”.

Fechar