Superliga Europeia gera revolta mundial; confira o posicionamento de jogadores, clubes e entidades

A maioria das manifestações de personagens ligadas ao futebol é contrária ao novo torneio

O anúncio da Superliga Europeia gerou reações quase imediatas de diversas personagens ligadas ao futebol. Com exceção dos clubes fundadores do torneio, a grande maioria daqueles que se manifestaram são contra essa ideia. A lista inclui jogadores, ex-jogadores, clubes, torcedores e entidades.

Futebol ao vivo ou quando quiser? Clique aqui e teste o DAZN grátis por um mês!

Gary Neville foi um dos primeiros a se manifestar contra a Superliga. Em comentário na Sky Sports , o ex-Manchester United fez duras críticas aos primeiros 12 clubes que anunciaram a criação do campeonato.

"Eu torço pelo Manchester United há 40 anos na minha vida mas eu estou com nojo. Absolutamente enojado. Estou com nojo principalmente do Manchester United e do Liverpool. No Liverpool eles dizem que "você nunca caminhará sozinho", as pessoas do clube, os torcedores. Manchester United, 100 anos. Nascido de trabalhadores por aqui. E estão entrando em uma liga sem competição da qual eles não podem ser rebaixados. É uma absoluta desgraça", comentou Neville.

"É pura ganância. Eles são impostores. Eles não tem nada a ver. Os donos de Manchester United, Liverpool, Chelsea, Manchester City, eles não tem nada a ver com o futebol deste país. Existem 100 anos de história neste país de fãs que viveram e amaram estes clubes. Eles precisam ser protegidos".

"A motivação é a ganância", insiste Neville. "Tirem todos os pontos deles amanhã. Ponha-os no fim da tabela. E tire o dinheiro deles. Sério. Você tem que pisar nisso. É um crime".

Outro ex-jogador que se manifestou contra foi o italiano Guiseppe Rossi, que chamou o torneio de piada em um comentário no Twitter.

"Quem mais acha que essa m... da Superliga é uma piada??? Espero que todos os fãs de futebol no mundo percebam como isso é prejudicial para o nosso jogo. #SuperligaNão", publicou.

Personagens atuais do futebol também se manifestaram contrárias ao novo campeonato. Ander Herrera, jogador do PSG, que não faz parte desta elite, publicou um texto em suas redes sociais.

"Me apaixonei pelo futebol popular, pelo futebol dos torcedores, do sonho de ver a minha equipe competir entre as maiores. Se esta Superliga avança, acabam os sonhos, acabam os sonhos dos torcedores dos times que não são gigantes de poder ganhar em campo e competir nas melhores competições. Amo o futebol e não posso ficar calado diante disso. Creio em uma Champions League melhorada, mas não que os clubes roubem o que o povo criou, que não é outra coisa que não o esporte mais bonito do planteta".

Pep Guardiola, treinador do Manchester City, um dos fundadores, também demonstrou seu incomôdo com a Superliga. Em entrevista nesta terça-feira (20), o catalão criticou muito o torneio .

"É desconfortável para nós porque não temos todas as informações", disse. "Eu apoio meu clube. Amo fazer parte deste clube. Mas também tenho minha opinião; agora é apenas uma declaração. É por isso que é desconfortável para os técnicos. Não é um esporte se o sucesso está garantido ou se não importa quando você perde".

"Se você me perguntar por que essas equipes foram selecionadas para jogar esta competição hipotética no futuro... esporte, não é um esporte quando a relação entre esforço e recompensa não existe. É um problema mundial e precisa ser esclarecido por que essas equipes estão dentro e outras não. Como o Ajax, que tem quatro ou cinco Champions League. Eles têm que esclarecer isso", completou Guardiola.

Zinedine Zidane optou por um caminho diferente. Empregado por Florentino Pérez, presidente do Real Madrid e da Superliga, o francês ficou "em cima do muro" quando perguntado sobre o principal assunto do momento.

"Esta é uma questão para o presidente. Estou aqui para falar sobre o jogo de amanhã [quarta-feira, contra o Cádiz]. Todos têm suas opiniões, mas não estou aqui para falar sobre isso. Você pode dizer que Zidane sentou no muro. Eu poderia dar a minha opinião, mas não faria diferença".

Por outro lado, o empregador de Zizou falou sobre seu novo projeto. Em entrevista ao El Chiringuito , Florentino disse que a ideia da Superliga veio para "salvar o futebol". Confirma a fala do presidente merengue clicando aqui .

Confira outros posicionamentos contrários à Superliga

Richarlsion, jogador do Everton, retuitou duas postagens: a de Gary Neville e de Mesut Ozil. O alemão disse que "crianças crescem sonhando jogar a Liga dos Campeões e a Copa do Mundo - não uma Superliga. O prazer dos grandes jogos é que eles acontecem apenas uma ou duas vezes por ano, não todas as semanas".

A LaLiga condenou com veemência a criação da Superliga. Em nota , a entidade espanhola destacou que o novo torneio "ataca os princípios da competitividade aberta e do mérito desportivo que ocupam a parte mais profunda do ecossistema do futebol nacional e europeu".

"A nova proposta de concurso europeu nada mais é do que uma abordagem egoísta, destinada a enriquecer ainda mais os mais ricos. Usaremos todas as ferramentas à nossa disposição e trabalharemos com todas as partes envolvidas para defender a integridade e o futuro do futebol espanhol no melhor interesse do jogo".

Também em nota , o Borussia Dortmund se posicionou contra a criação da Superliga, afirmando que rejeitou o convite de participar do torneio e ainda enfatizou que o Bayern de Munique compartilha a mesma opinião.

Nasser Al-Khelaifi, presidente do PSG, se manifestou em nota publicada no site do clube. Embora não tenha citado diretamente a Superliga, disse que "o Paris Saint-Germain acredita firmemente que o futebol é um jogo para todos". Também afirmou que "qualquer proposta sem o apoio da Uefa não resolve os problemas que a comunidade futebolística enfrenta atualmente, mas sim é motivada por interesses próprios".

Até mesmo o primeiro ministro inglês Boris Johnson se manifestou contrário ao torneio. O político afirmou que trabalhará junto com demais autoridades para barrar esta Superliga "da forma como ela foi proposta".

Dois português que atuam em times participantes da Superliga, Manchester United e City, respectivamente, se manifestaram contra a competição. Bruno Fernandes e João Cancelo republicaram em suas histórias no Instagram um post feito por outro português, Daniel Podence, do Wolverhampton. O jogador dos Lobos ressalta o sonho de disputar a Liga dos Campeões e relembra lances icônicos do principal torneio europeu de clubes.

Outro jogador dos Red Devils que se pronunciou foi Marcus Rashford. Já conhecido por seu ativismo em diversas causas, o atacante publicou uma foto de um banner exposto no Old Trafford. Uma das principais críticas ao torneio é que os torcedores não terão condições de comprar ingressos e acompanhar seus times. A foto publicada por Rashford tem os dizeres: "Futebol não é nada sem os torcedores".

Miranda e Dani Alves, jogadores do São Paulo com passagens pelo futebol europeu, também se manifestaram contra o torneio. O zagueiro atuou em dois dos clubes fundadores da Superliga, Atlético de Madrid e Inter de Milão, e o lateral pelo Barcelona. O defensor não deixou de se posicionar sobre a questão, pedindo "que o caminho seja sempre democrático".

No Liverpool os jogadores se juntaram para compartlhar a mesma mensagem. Quem começou foi o capitão Jordan Henderson, que postou a nota em sua redes sociais. O texto diz: "Não gostamos e não queremos que aconteça. Esse é o nosso posicionamento coletivo. Nosso comprometimento com esse clube e seus torcedores é absoluto e incondicional. Você nunca vai andar sozinho".

Fechar