Por que a Bundesliga não será a mesma com portões fechados

O Campeonato Alemão terá todos os holofotes do mundo por ser a primeira grande liga a retomar os jogos, mas ainda assim o Covid-19 afetará os jogos

Para muitos turistas na Alemanha, a viagem não é completa sem a assistir a um jogo de futebol local. É uma experiência esportiva única, graças a forma como os torcedores são apegados à seus clubes. A regra do 50+1 mostra que os torcedores ajudam até mesmo a gerir os clubes.

Os ingressos dos jogos são mantidos relativamente baixos para que todo jogo seja acessível, até mesmo contra os grandes clubes da liga, Bayern de Munique e Borussia Dortmund. A voz dos torcedores é ouvida dentro e fora de campo, e suas exibições, protestos e diálogo com governos e associações provocaram mudanças dentro e fora dos estádios na Alemanha.

Como a regra do 50+1 afeta o futebol alemão?

Em 1998, esta regra foi introduzida na Alemanha para assegurar que os clubes fossem mantidos por seus torcedores, prevenindo que corporações ou personalidades ricas tomem o controle dos times e os tratem como empresas lucrativas.

Essencialmente, esta regra, presente nos regulamentos da Liga Alemã de Futebol (DFL), declara que os clubes não poderão participar da Bundesliga se os investidores comerciais tiverem mais de 49% de participação. A porcentagem restante, que é maior, fica com os membros do clubes, ou seja, os torcedores.

Há algumas exceções. Wolfsburg e Bayer Leverkusen foram criados antes de 1998 por membros de empresas locais, Volkswagen e Bayer AG, respectivamente. O RB Leipizig, por sua vez, contornou a regra e os "membros do clube"são todos funcionários da Red Bull.

Proteger a regra do 50+1 é um dos objetivos de todas as torcidas do país. Há até uma união de torcedores para tratar de assuntos relacionados à regra, a Unsere Kurve. Jost Peter, um dos membros dessa associação, afirmou que este é o melhor jeito de proteger os clubes do comercialismo que afeta outros países.

"A maior parte dos clubes alemães é mantida e gerida pelos torcedores", disse Peter à Goal. "Os torcedores tomam as decisões de direcionamento dos clubes. Eles não esoclhem os jogadores que serão contratados, isso fica a cargo dos diretores do clube, mas decisões gerais são tomadas por eles".

"O 50+1 é uma barreira contra o interesse de capital nos nossos clubes. Isso siginifica que a maioria das decisões feitas são feitas pelos membros e que os negócios não podem ser colocados à frente do time e que isso seja o principal nas tomadas de decisões", completou.

Ingresso acessíveis, torcida em pé e bebidas nos estádios

A Bundesliga permite que clubes tenham setores para que os torcedores assistam aos jogos em pé. O mais famoso é a Muralha Amarela, do Borussia Dortmund, que comporta mais de 25 mil pessoas sem assentos.

Borussia Dortmund Sudtribune Yellow Wall

Isso ajuda a explicar o porquê dos ingressos serem consideravelmente mais baratos do que na Inglaterra, onde não há setores desse tipo nos estádios, proibidos desde o acidente de Hillsborough, em 1989. Os ingressos na Alemanha variam entre 15,20 e 70,60 euros, enquanto que na Premier League este valor varia entre 24,8 e 109 euros.

Outro fator que torna a Bundesliga única é que os torcedores podem consumir bebidas alcóolicas dentro dos estádios, seja nas assentos ou nas áreas em pé. As cervejas custam em torno de 4 euros na maioria dos estádios do país.

"A experiência em nossos estádios é melhor do que em outros países", afirma Peter. "Temos lugares onde é seguro ficar em pé. Isso foi esquecido em outros países e proporciona uma experiência totalmente diferente. A Alemanha é 'old school' e quer que os mais ricos e os mais pobres estejam nos jogos".

Bayern Munich fans Allianz Arena 2019-20

Protestos expõem questões sociais

Devido à influência dos torcedores sobre como os clubes são administrados, as equipes na Alemanha geralmente têm um impacto maior na comunidade local. Grupos de fãs trabalharam juntamente com os times para criar políticas contra questões sociais como racismo, misoginia, homofobia e fascismo.

Além disso, os torcedores costumam exibir faixas durante os jogos para destacar ainda mais as injustiças sociais. O progresso pode ser lento, mas a exibição de torcedores e a política do clube ajudaram a eliminar questões como exibições fascistas nas partidas.

"A maioria dos clubes tem posições contra anti-racismo, anti-homofobia, anti-sexismo", disse Peter. "Às vezes, esse é um trabalho difícil e envolve pequenos passos para trazer todos para trás desses objetivos".

Torcedores contra o futebol moderno

Embora a regra 50+1 mantenha a maioria dos clubes fundamentada, o impacto da receita da televisão pode ser visto nas taxas de transferências e nos salários de vários milhões de euros pagos aos jogadores no topo da pirâmide.

Alguns jogos da Bundesliga já foram jogados com portas fechadas no início da crise dos coronavírus e muitas pessoas ficaram consternadas com as notícias desta semana de que as duas principais divisões retornariam na próxima semana sem torcedores.

"O futebol não é nada sem torcedores no estádio", insistiu Peter. "Tudo o que é importante no futebol acontece no estádio. Vimos há algumas semanas (os primeiros jogos a portas fechadas), que o futebol em estádios vazios é realmente muito chato".

Mais artigos abaixo

Os torcedores já haviam se ouvido ao encerrar os jogos de segunda-feira à noite na Bundesliga. O horário foi usado pelas emissoras para mostrar mais partidas no espaço de um único fim de semana, mas teve forte oposição dos fãs, que fizeram protestos públicos contra os jogos de segunda à noite.

"Tudo aconteceu ao mesmo tempo, mas por causa do dinheiro da televisão, os jogos foram divididos em até oito horários diferentes. Os jogos de segunda-feira são especialmente problemáticos, porque se você quiser ir a um jogo fora, é quase impossível chegar lá", continuou Peter.

"Se você quiser viajar de Hamburgo a Munique, por exemplo [800 km], terá de tirar pelo menos um dia de folga do trabalho. Os jogos de segunda-feira são difíceis para um torcedor ativo que deseja acompanhar todos os jogos fora do clube deles".

Fechar