O que Renato Gaúcho mudou no Flamengo pós-Ceni?

Última atualização
Foto: Marcelo Cortes / Flamengo

O Flamengo ganhava e era muito competitivo sob o comando de Rogério Ceni, mas a impressão é que voltou a sorrir desde a chegada de Renato Gaúcho para ocupar a função. O corte de tempo ainda é muito pequeno, evidentemente. São apenas quatro jogos. Três deles, contudo, com vitórias que encantaram os torcedores e impressionaram os críticos. Com 100% de aproveitamento, Renato tem o melhor início de um técnico flamenguista desde 2009.

Muita água ainda vai passar debaixo da ponte e as impressões podem mudar – seja para melhor ou pior – mas o que explica tamanha mudança nas exibições do Flamengo, que nas últimas semanas voltou a vencer dando show?

Futebol ao vivo ou quando quiser? Clique aqui e teste o DAZN grátis por um mês!

Mudança no ambiente

Se havia algo muito evidente para todos verem era o desgaste em relação a Rogério Ceni. Não era algo estritamente ligado à comissão técnica de Ceni e, por exemplo, os analistas de desempenho do Flamengo. Embora tivesse uma boa sintonia inicial com os principais nomes do elenco, Rogério foi se desgastando com outras figuras com papel coadjuvante, digamos assim, dentre os jogadores. A chegada de Renato, cuja personalidade é muito diferente da de Rogério Ceni, mudou este clima.

A “vingança” dos renegados

Michael Renato Gaúcho Defensa y Justicia Flamengo Libertadores 14 07 2021 (Foto: Alexandre Vidal/Flamengo)

O ex-comandante gremista não apenas se aproximou dos grandes figurões do elenco, como busca conversar constantemente com atletas como Vitinho, Michael e outros. E tem dado certo. Nestes primeiros jogos, Vitinho já marcou três gols (tornando-se artilheiro nesta nova “Era Renato” ao lado de Gabigol e Bruno Henrique) e Michael passou a ser uma espécie de ‘amuleto’, fazendo efetiva diferença quando entra em campo – atuando mais vezes pelo lado direito de ataque, contribuindo para a construção de jogadas mas também ajudando na recomposição defensiva.

As mudanças de Arão e na zaga

Diego e Willian Arão Flamengo Corinthians Brasileirão 14022021 (Foto: Getty Images)

Talvez a principal mudança de peças no time de Renato, em comparação com o de Rogério, esteja centralizada na figura de Willian Arão. O meio-campista, que viveu o melhor momento de sua carreira como primeiro volante naquele Flamengo de 2019, treinado por Jorge Jesus, voltou à sua posição de origem com a chegada de Renato. Embora tenha desempenhado um bom papel improvisado como zagueiro, Arão sente-se mais à vontade no meio-campo, à frente da linha defensiva.

O retorno de Arão ao meio-campo tem como consequência a escolha de Gustavo Henrique como titular na zaga, ao lado de Rodrigo Caio. Ou de Léo Pereira em caso de ausência de algum dos zagueiros titulares. E também impacta na forma como time faz a sua saída de bola.

Filipe Luís mais construtor

Filipe Luís Flamengo Palmeiras Supercopa do Brasil 11 04 2021 (Foto: Alexandre Vidal/Flamengo)

Com Arão de volta ao seu habitat natural, é justamente ele quem volta para ficar entre os zagueiros e fazer a “saída de três”. Com isso, Filipe Luís ganha liberdade para avançar em diagonal no gramado, ajudando na construção enquanto Diego Ribas e o próprio Arão ficam mais concentrados também em evitar eventuais contra-ataques.

Isla liberado para atacar mais

Isla e Michael em Flamengo x Chapecoense, Brasileirão 11072021 (Foto: Alexandre Vidal/Flamengo)

Duas consequências desta postura mais apta a defender do meio-campo é que o lateral-direito Mauricio Isla tem aparecido mais vezes no apoio das jogadas de ataque.

Quarteto solto na frente

Bruno Henrique Flamengo São Paulo Brasileirão 25 07 2021 (Foto: Marcelo Cortes/Flamengo)

Grande destaque na goleada por 5 a 1 sobre o São Paulo, Bruno Henrique acaba tendo menos responsabilidades defensivas e tem conseguido participar mais dos lances de ataque. Gabigol, que também já marcou três gols em um único jogo (contra o Bahia, pelo Brasileirão), segue resolvendo. Jogando atrás do centroavante, Arrascaeta tem quatro assistências em quatro jogos com o treinador e Everton Ribeiro, com dois passes para gol, também têm resolvido.

Resta saber se a ótima forma deste início de trabalho de Renato Gaúcho será regra neste novo Flamengo.