Momentos Campeões: Na Copa de 2002, Ronaldo usou a cabeça e foi craque com os pés

Comentários()
Getty Images
Carreira do Fenômeno ficou em risco após lesão em 2000, mas camisa 9 voltou à tempo de ser chamado por Felipão e ser o artilheiro da Copa de 2002

De melhor jogador do mundo para completa incerteza para melhor jogador do mundo outra vez. Após uma operação no joelho, em 1999, e uma chocante lesão no mesmo, em 2000, muitos duvidavam que Ronaldo Luís Nazário de Lima voltaria a jogar em alto nível. Muitos erraram. O “Fenômeno” voltou à tempo para a Copa e mostrou que se garantia ao ser o artilheiro da Copa de 2002 e o grande herói do penta.

Advertisement Ronaldo ficou quase dois anos sem jogar. Mesmo assim, o técnico Luiz Felipe Scolari confiava no talento do atacante para liderar uma Seleção Brasileira, que havia sofrido durante toda as Eliminatórias para aquele Mundial. Ele voltou a vestir a camisa canarinho em uma amistoso, em março de 2002, e foi chamado para integrar o elenco que viajou para a Ásia.
Ronaldo Rivaldo Brazil 2002
(Foto: Getty Images)

Se ainda havia dúvidas que ele era um dos maiores da história, Ronaldo tirou todas na Ásia. Foram oito gols no principal palco do futebol mundial. A cicatriz no joelho deixava claro que ele nunca mais teria a mesma explosão que encantou o mundo. Porém, se a técnica e o faro de gol continuavam mortais. Só que ele realmente não estava 100% fisicamente, fruto das diversas lesões que teve após o retorno. Antes da semifinal contra a Turquia, a virilha o incomodava. 

A solução não foi médica, mas sim psicológica. Passou a máquina no cabelo, mas deixou a parte da frente intacta. O famose corte "Cascão" - lembrando o famoso personagem da "Turma da Mônica, nos quadrinhos - chegara com tudo.

Info Ronaldo | Brasil | 2002 corrigido(Foto: Getty Images)

"Minha virilha estava doendo. Eu estava apenas 60%. Então raspei a cabeça. Todo mundo falava apenas do meu problema físico. Quando eu cheguei para treinar com aquele corte de cabelo, todos pararam de falar da lesão", revelou o fenômeno em uma entrevista, na época.

Ronaldo sabia bem como o mundo preocupava-se com a sua situação. Na final da Copa de 98, a convulsão que sofreu horas antes da partida foi o centro das atenções ao invés dos gols de Zidane e a atuação apática do Brasil.

Enquanto o mundo ria da sua cabeça, os seus pés iam fazendo história. Na decisão, marcou os dois gols do penta, diante da Alemanha, de Oliver Kahn, sendo eleito melhor jogador da competição e melhor goleiro do mundo.

Ronaldo|Brasil|2002
(Foto: ROBERTO SCHMIDT/AFP/Getty Images)

De quebra, acabou eleito o melhor jogador do mundo naquele ano,  mostrando para todos que o “Fenômeno” se garantia dos "pés à cabeça".  

 

Próximo artigo:
Sem perder o humor: Guingamp zoa após ser humilhado pelo PSG
Próximo artigo:
Sergio Ramos analisa vitória do Real: "Quando queremos, damos o nosso melhor"
Próximo artigo:
Arsenal 2 x 0 Chelsea: Em casa, Gunners levam a melhor
Próximo artigo:
De virada, Firmino exalta vitória do Liverpool: "jogo emocionante"
Próximo artigo:
Ancelotti: "Como treinador, devo tudo a Zidane"
Fechar