Libertadores promete "tolerância zero" com violência

Comentários()
Reprodução
Dirigente lembrou de Kevin Espada ao falar sobre como a entidade pretende combater todos os tipos de violência

Header Tauan Ambrosio

Durante a entrevista coletiva na qual explicou os avanços na forma de transmitir as partidas da Libertadores, o diretor de competições de clubes da Conmebol, Fred Nantes, prometeu rigor máximo para combater os atos de violência que muitas vezes são atrelados aos torcedores na competição.

As palavras de Nantes foram ditas após uma pergunta sobre como as formas de violência poderiam ser identificadas, uma vez que é intenção da entidade não transmitir tais atos em sua nova forma padronizada de filmagem.

Segundo Nantes informou, a Conmebol vai utilizar um centro de controle das imagens, que será utilizado para identificar violências verbais e físicas em meio aos jogos.

"Vamos ter imagens das arquibancadas e outros lugares. Nós vamos poder ajudar com este centro de controle. Mas isso não significa que todas as imagens serão exibidas", disse.

Em meio à explicação o dirigente brasileiro disse que as atualizações no regulamento de segurança, assunto que levantou polêmica por ter aumentado o rigor em relação a bandeiras de torcida, foram pensadas justamente para evitar casos como o da morte do jovem Kevin Espada.

O boliviano tinha 14 anos quando foi atingido por um sinalizador durante a partida entre San José e Corinthians, em 2013. A pessoa que disparou o artefato não foi identificada prontamente, pelo rosto encoberto e posterior sumiço entre os bandeirões do time brasileiro.

"A Conmebol não está proibindo bandeira dentro dos estadios. Está regulamentando o tamanho delas. Se não podemos ver a cena, não podemos mapear as pessoas. Nós não vamos esperar que aconteça outra tragédia", disse, referindo-se ao caso acontecido em fevereiro de 2013.

"Ninguém vai deixar passar nada. Não cumpriu com o regulamento, cada um tem que ser responsável pelas suas atitudes. E agora nós temos um acesso mais fácil a isso, como detentores das imagens".

Fechar