Exclusivo! Brasileiro passou pela base de Santos e Corinthians antes de realizar o sonho de jogar a Champions e se tornar ídolo na Bélgica

Comentários()
VIRGINIE LEFOUR/AFP/Getty Images
Em entrevista à Goal Brasil, Fernando Canesin falou sobre a sua trajetória no país europeu, o momento atual no Oostende e os seus planos para o futuro

Header Fernando H. Ahuvia


GOAL Por Fernando H. Ahuvia 

Aos 25 anos, Fernando Canesin é pouco conhecido no Brasil. Afinal, o garoto nascido em Ribeirão Preto fez até hoje toda a sua carreira profissional no futebol belga. No país europeu, o meia ficou famoso. Jogando pelo Anderlecht, foi escolhido como revelação da competição nacional na temporada 2011/12, depois virou ídolo do KV Oostende, clube em que atua desde 2013, e chegou até a ter o seu nome especulado na badalada seleção do país, que conta com craques como Hazard, Romelu Lukaku e Courtois.

“Cheguei na Bélgica com 17 anos. Tinham três jogadors brasileiros no Anderlecht: o Kadu e o Reinaldo no profissional, além do Renan no sub-21. Todos eles e uma brasileira que cuidava dos sul-americanos no clube me ajudaram bastante. No início sofri por não falar francês e com o frio também porque cheguei no inverno, mas com o tempo aprendi o idioma, me acostumei com o clima e hoje já são mais de oito anos aqui”, declarou Canesin em entrevista exclusiva à Goal Brasil.

Fernando Canesin - Anderlecht - 14/12/2011
(Foto: JOHN THYS/AFP/Getty Images)

Antes de chegar ao Anderlecht, Canesin teve rápidas passagens pelas categorias de base do Santos e do Corinthians, mas a concorrência no primeiro clube e um drama por conta da perda do pai no segundo fizeram com que o jogador seguisse outros caminhos e disputasse apenas uma Copa São Paulo e dois jogos pela Série B Paulista (equivalente a quarta divisão) com a camisa do extinto Olé Brasil antes de ir de vez para a Bélgica.

“Na época do Santos, era muito novo. Meu empresário, que era o Wagner Ribeiro, disse para mim que eles tinham vários jogadores na minha posição, então fiquei só três semanas e acabei sendo dispensado. O Corinthians me lembro mais. O Olé Brasil me emprestou no começo de 2009. Fiquei seis meses lá, mas meu pai acabou falecendo e eu voltei para Ribeirão Preto para ficar perto da minha família. Um tempo depois, naquele mesmo ano, acabou surgindo a oportunidade de ir para Bélgica”, contou.

No Anderlecht, Canesin ficou alguns meses no sub-21 até subir para o time principal, sendo campeão e eleito a revelação do Campeonato Belga.

“Minha primeira temporada no profissional pelo Anderlecht foi inesquecível. Tive grandes atuações, que abriram várias portas para mim aqui na Bélgica. Fiz mais de 30 jogos como titular e fomos campeões”, afirmou.

Fernando Canesin PS - Anderlecht - 22/02/2018

Na temporada seguinte, porém, acabou perdendo espaço com a troca de treinador. Mesmo assim, antes de deixar o Anderlecht, realizou o sonho de jogar a Champions League.

“No ano seguinte, chegou um técnico holandês e acabei não me dando muito bem com ele até porque não conseguia me comunicar muito. Acabei perdendo espaço, mas, mesmo assim, consegui realizar o sonho de jogar a Champions. Fiquei dois jogos no banco e cheguei a atuar contra o Milan. Acabamos perdendo por 3 a 1, mas foi uma experiência incrível, que espero ter de novo. Quando você escuta aquele hino da Champions, o coração já acelera”, contou o brasileiro, que, em 2013 resolveu sair por empréstimo para o KV Oostende.

No novo clube, Canesin foi muito bem, acabou posteriormente sendo adquirido em definitivo, se tornou ídolo e chegou, inclusive, a ter o seu nome especulado na seleção belga.

“Estava numa grande fase na temporada 2015/16, fiquei na seleção do campeonato e aí vieram perguntar se tinha o passaporte belga, mas só fui fazer ele depois. Depois também acabei machucando o tornozelo na fase final dos playoffs, perdi vários jogos e o assunto acabou esfriando um pouco. A seleção belga é muito forte, tem jogadores de alto nível e com a proximidade da Copa ficou difícil. Hoje, para ter essa chance, acredito que precisaria ir para um clube maior”, explicou.

Fernando Canesin - KV Oostende - 11/2017
(Foto: Divulgação)

Na atual temporada, Canesin chegou a perder espaço na equipe, mas, após uma conversa com dirigentes do Oostende e com o treinador, voltou ao time titular nas últimas rodadas.

“Em janeiro tivemos uma pré-temporada na Espanha. Lá, conversei com o presidente e o diretor e disse que como não vinha jogando muito minha vontade era ser emprestado para algum time de outra liga, mas que se tivesse mais minutos aqui não pensava em sair porque gosto do Oostende e já estou adaptado. Depois, conversei com o treinador e ele disse que me daria mais oportunidades. Isso vem acontecendo e estou feliz. No fim da temporada vamos sentar de novo e ver o que é melhor para mim e para o clube. Tenho contrato aqui até o meio de 2020”, ressaltou.

Fernando Canesin - Oostende - 22/02/2018

Confira o restante do bate-papo com Fernando Canesin:

Goal – Quando você trocou o Anderlecht pelo Oostende sentiu muita diferença por ter ido para um clube menor aí na Bélgica?

Pra mim foi um choque de início, porque o Anderlecht é o maior clube da Bélgica. A estrutura deles não tem comparação com nenhum outro clube daqui. O Oostende tinha acabado de subir para primeira divisão. Mas depois fui me acostumando, comecei a jogar mais e era isso o que eu queria. Com o passar dos anos, o Oostende foi crescendo, o presidente investiu legal e agora posso falar que é um clube bem estruturado.

Goal – Como é a vida aí em Oostende?

Aqui é bem tranquilo. De dia é mais agitado, tem muitos turistas, mas chega à noite e tudo fecha. Não tem praticamente nada para fazer. Também morei em Bruxelas, que tem mais vida noturna, mas sou casado e sempre fui calmo, então gosto daqui. Aqui é perto de Bruges, então estou sempre indo para lá com a minha esposa para passear e ir jantar. Lá tem ótimos restaurantes típicos e também com culinária de outros países.

Goal – E o assédio do torcedor aí na Bélgica?

Aqui existe o assédio, mas o pessoal respeita bastante. É mais criança que vem pedir pra tirar foto, dar autógrafo. Eles respeitam bastante.

Fernando Canesin - KV Oostende - 10/02/2018
(Foto: VIRGINIE LEFOUR/AFP/Getty Images)

Goal – O seu melhor momento aí no Oostende você tinha como técnico o Yves Vanderhaeghe, que, na época de jogador, atuava na mesma zona de campo que você. O quão importante ele foi para que você evoluísse e a saída dele acabou te atrapalhando?

Ele me ajudou muito. Com ele, fiz minha melhor temporada no clube. Jogando como ponta direita, marquei oito gols e dei dez assistências... Com a saída dele senti um pouco. Embora o auxiliar tenha ficado, ele veio com outro sistema de jogo, mas, nos últimos jogos, voltei a atuar e a readquirir a confiança.

Goal – O Oostende também não conseguiu repetir o desempenho das últimas temporadas. O que aconteceu?

Na última temporada, nos classificamos para a Liga Europa e focamos muito nela. Acabamos tendo menos tempo de recuperação e as férias foram mais curtas também por conta do duelo eliminatório. Acabamos perdendo para o Olympique (Marselha). Sentimos um pouco e isso se refletiu no início do campeonato, mas o time vem reagindo bem nessa reta final.

Goal – Qual o planejamento pra próxima temporada. Seguir por aí, mudar de clube ou até de liga? Qual o campeonato que mais atraí você?

A maioria dos jogadores aqui sempre sonha em disputar a Premier League, mas a Ligue 1 ou a La Liga também são de altíssimo de nível e sonho poder jogar um dia. Tenho vontade de jogar profissionalmente em algum grande clube brasileiro também, mas hoje estou novamente feliz no Oostende e pretendo pensar nisso só mais pra frente.

Fechar