Diego Maradona: gols, títulos, polêmicas e outros fatos do D10S da Argentina

Diego Armando Maradona nos deixou em 25 de novembro de 2020. O argentino se tornou um dos maiores e melhores jogadores de futebol de todos os tempos entre conquistas e polêmicas. Nascido a 30 de outubro de 1960, o histórico meia-atacante argentino teve seis décadas de bagagem cheia.

Saudoso por onde passou, sempre envolvido com conquistas e histórias curiosas. Maradona deixou seu nome na história o futebol, sem nenhuma brecha para ser esquecido algum dia. E para celebrar a vida do D10S, a GOAL repassa parte de sua carreira e de seus números no mundo do futebol.


Índice de conteúdos

  1. Argentinos Juniors (1976-81)
  2. Boca Juniors (1981-82)
  3. Barcelona (1982-84)
  4. Napoli (1984-91)
  5. Sevilla (1992-93)
  6. Newell's Old Boys (1993-94)
  7. Boca Juniors (segunda passagem) (1995-96)
  8. Seleção argentina (1977-94)
  1. Probelma com drogas
  2. La Mano de Dios
  3. Copa de 1994
  4. Família
  5. Relação com Pelé
  6. Fifa


Quantos gols Maradona marcou?


A carreira de Maradona foi muito mais do que os gols marcados e, até por isso, muitos não sabem ao certo quantos tentos o argentino marcou, mas foram 346 em 679 partidas, entre clubes e seleção, e a nas mais diversas competições.


Argentinos Juniors (1976-81)

Diego Armando Maradona Argentinos JuniorsGetty Images

Pelo clube que o revelou para o futebol, Maradona tem 116 gols em 166 jogos disputados, com uma média de 0,7 gol por partida, isso porque atuou com a camisa do clube quando era bem novo, entre os 16 e 21 anos de idade.

Voltar ao início


Boca Juniors (1981-82)

Diego Maradona Boca Juniors Talleres Metropolitano 22021981Archivo

Durante a primeira passagem pelo clube argentino, Maradona anotou 28 gols em 40 jogos, mantendo a média de 0,7 gol por partida disputada.

Voltar ao início


Barcelona (1982-84)

Maradona BarcelonaMaradona Barcelona

Antes de Lionel Messi, Maradona representou a Argentina no clube catalão, em sua passagem pelo time foram 38 gols feitos em 58 aparições, tendo diminuído ligeiramente a média para 0,65 gol por jogo.

Voltar ao início


Napoli (1984-91)

Diego Maradona Napoli

Foi então que Maradona desembarcou na Itália para fazer história com a camisa do tradicional Napoli. Em 259 partidas disputadas com a camisa do clube, balançou as redes em 115 oportunidades e, mesmo que tenha diminuído ainda mais sua média - que foi para 0,44, teve um número impressionante de tentos.

Voltar ao início


Sevilla (1992-93)

Sevilla, MaradonaGetty Images

Apesar de poucos jogos, apenas 29, Maradona marcou sete gols em sua segunda passagem pelos gramados espanhóis.

Voltar ao início


Newell's Old Boys (1993-94)

Diego Maradona Newells 1993Archivo

Este foi o único time pelo qual Maradona não balançou as redes. Foram apenas cinco jogos e o camisa 10 da seleção passou em branco em todos eles.

Voltar ao início


Boca Juniors (segunda passagem) (1995-97)

Diego Maradona Boca Velez 16061996Getty Images

Sua segunda passagem pelo Boca foi bem mais curta, apenas 31 jogos, mas que foram o suficiente para que o meia-atacante marcasse mais sete gols com a camisa amarela e azul.

Voltar ao início


Seleção argentina (1977-94)

Maradona Argentina World Cup 1986

Ícone incontestável da albiceleste, Maradona fez 91 partidas vestindo a camisa de sua seleção, nos quais marcou 34 vezes, sendo oito nas quatro Copas do Mundo nas quais defendeu seu país, sendo que um deles é constantemente considerado como o mais bonito da história da competição.

Voltar ao início



Quais títulos Maradona conquistou?


Diego Maradona Argentina West Gemany 1986 FIFA World Cup trophy

A galeria de Maradona conta com 12 títulos conquistados coletivamente, além de uma série de honrarias pessoais que recebeu ao longo de seus 21 anos de carreira.

Boca Juniors: Campeonato Argentino (metropolitano) - 1981

Barcelona: Copa do Rei - 1983; Copa da Liga Espanhola - 1983; Supercopa da Espanha - 1983

Napoli: Copa da UEFA -1989; Campeonato Italiano - 1987 e 1990; Copa da Itália - 1987; Supercopa da Itália - 1990

Seleção argentina: Copa do Mundo - 1986; Troféu Artemio Franchi - 1993; Campeonato Mundial sub-20 - 1979

Entre os prêmios individuais estão: Fifa 100 (2004); Melhor jogador da Copa do Mundo Fifa (1986); Seleção Argentina de Todos os Tempos (2016) entre tantos outros.

Voltar ao início



Polêmicas


A carreira já tão bem-sucedida de Maradona poderia ter sido ainda mais se não fossem as inúmeras polêmicas em que se envolveu, principalmente antes de se aposentar. Uma das maiores foi o uso de drogas, além do corte no meio da Copa do Mundo de 1994 por ter sido pego no antidoping.


Problemas com drogas

O argentino há muito tempo tem um problema com drogas, tendo sido internado várias vezes depois de ter quase morrido.

Enquanto vivia um dos pontos mais altos de sua carreira, quando atuava pelo Napoli, Maradona viveu uma de suas maiores derrotas. Depois de ter sido pego no antidoping que acusou o uso de cocaína, o jogador foi banido pela Fifa por 15 meses. 

Além disso, teve sua prisão decretada na Itália por acusação de envolvimento com o tráfico e por ter oferecido cocaína a três prostitutas. 

Voltar ao início


La Mano de Dios

Diego Maradona Peter Shilton Argentina England 1986 World Cup

Nas quartas de final da Copa do Mundo de 1986, mesmo jogo em que marcou um dos gols mais bonitos da história das Copas, Maradona fez também um dos gols mais lembrados do mundo.

O primeiro gol da vitória argentina por 2x1 , aos seis minutos do segundo tempo, foi de Maradona, com a mão. O camisa 10 saiu correndo e comemorando, dizendo para seus companheiros fazerem o mesmo para que o árbitro não invalidasse o lance, e deu certo, mesmo com a enorme reclamação dos ingleses. 

Ao final da partida, perguntado sobre, Maradona disse: "Lo marqué un poco con la cabeza y un poco con la mano de Dios" ("Marquei um pouco com a cabeça e um pouco com a mão de Deus"), como ficou conhecido o gol, frequentemente lembrado, ainda mais hoje em dia com o VAR. 

Voltar ao início


Copa de 1994

Diego Maradona Argentina Grecia Mundial 1994Michael Kunkel/Bongarts

Após os 15 meses de suspensão, que resultaram em três anos sem vestir a camisa da seleção argentina, Maradona só voltou para a albiceleste em 1993, às vésperas da Copa do Mundo do ano seguinte. 

No torneio, porém, o craque se viu novamente envolvido em problemas com o doping. Com uma forma física muito melhor do que tinha pouco tempo antes, o jogador foi novamente pego por uso de substâncias e teve de deixar a competição no meio.

Para que a Argentina não fosse desclassificada da Copa, Maradona teve que jurar inocência no uso de efedrina e deixar a delegação imediatamente. Sem seu principal jogador, os hermanos viram seu rendimento cair exponencialmente e foram eliminados. 

Voltar ao início


Família

Até 2003 Maradona foi casado com Claudia Villafañe sua namorada de infância. Com ela, o jogador tem duas filhas, mas, ao longo do tempo, casos extraconjugais foram se tornando públicos e outros dois filhos apareceram. Mais tarde, em 2013, nasceu mais um de seu novo relacionamento. 

Voltar ao início


Relação com Pelé

Durante sua carreira, Maradona nunca escondeu seu desafeto com o brasileiro. Depois de aposentado, porém, o argentino foi apresentador de um talk show e, em certa oportunidade, recebeu Pelé no programa, que foi bastante descontraído e sem rivalidades entre os dois.

Voltar ao início


FIfa

A relação de Maradona com a Fifa é bastante delicada. O ex-jogador é sempre muito crítico sobre os bastidores da entidade e coleciona falas contra os presidentes. 

Voltar ao início



Carreira como técnico


Diego Maradona Gimnasia Superliga 2020Getty Images

Antes mesmo de deixar os gramados de vez, Maradona trabalhou como treinador de duas equipes argentina, o Textil Mandiyú e o Racing, entre 1994 e 1995.

Após se aposentar e se estabilizar em sua vida pessoal, Maradona voltou a atuar na beirada do campo para comandar a seleção argentina, que ele sempre havia deixado claro que era o seu objetivo. Entre 2008 e 2010 foi ele quem esteve na beirada do campo para comandar os jogadores, inclusive na Copa do Mundo da África do Sul, em 2010, seu último trabalho no cargo.

Depois disso comando Al Wasl, Al-Fujairah, Dorados de Sinaloa e Gimnasia y Esgrima, seu último trabalho, que deixou em 2019.

Voltar ao início

Publicidade