Copa América: Vidal espera "jogo lindo" em Chile x Colômbia

Comentários()
Getty Images
Apesar da derrota para os uruguaios, o meio-campista mostrou confiança para o seguimento da campanha chilena

Arturo Vidal foi poupado pelo técnico Reinaldo Rueda na derrota por 1 a 0 do Chile para o Uruguai, na última rodada do Grupo C, que deixou os atuais bicampeões na segunda posição de sua chave na Copa América. No entanto, o meio-campista do Barcelona estava sorridente e confiante para um “jogo lindo” nas quartas de final contra a 100% Colômbia.

“Vai ser um jogo lindo. São duas seleções que jogam muito bem o futebol. O melhor vai ganhar”, disse o jogador do Barcelona, cujo sorriso na zona mista do Maracanã era contrastante em relação ao silêncio de grande parte dos seus companheiros após o revés.

Quer ver jogos ao vivo ou quando quiser? Teste o DAZN com um mês grátis!

Vidal destacou que a grande missão da equipe chilena era garantir o dia a mais de folga antes do primeiro mata-mata. Enquanto o Uruguai, que tomou a liderança do grupo, voltará aos gramados no dia 29 [contra o Peru], o compromisso dos chilenos frente aos colombianos será um dia antes – desta forma, dando menos tempo de descanso.

“A seleção já estava classificada. Nós buscávamos o dia a mais, um dia de descanso. Não conseguimos, então precisamos nos preparar da melhor forma para o próximo jogo”.

O sorriso e leveza no rosto de Vidal também veio à tona após duas lembranças: a primeira será o encontro com James Rodríguez, colombiano que atuou ao seu lado no Bayern de Munique. Apesar da parceria de somente uma temporada [2017-18], a amizade entre ambos perdurou. Mas o chileno descartou, ao menos por enquanto, qualquer aposta entre ambos.

“Sim, vai ser especial! Nós vivemos muitas coisas juntos, conversamos muito. Mas agora é cada um para cada lado”, disse.

Vidal James Rodríguez BayernVidal e James, juntos e entrosados na época de Bayern (Foto: Getty Images)

O outro sorriso veio ao ser lembrado da vitória por 2 a 0 nas semifinais da Copa América Centenário, em 2016, que levou La Roja para a final que seria conquistada sobre os argentinos.

“Tomara que não seja diferente!”, disse antes de deixar a área para entrevistas.

Fechar