Botafogo volta à Série B no pior rebaixamento de um grande no Brasileirão

Alvinegro é rebaixado no Brasileirão com menor número de vitórias entre gigantes e com dúvidas sobre como será no futuro

Sabe o que é pior, para um clube considerado grande, do que ser rebaixado? Ser rebaixado duas vezes. E três. E ver sua realidade estar tão mais próxima da queda do que dos títulos, a ponto desta sua grandeza passar a ficar ameaçada para o futuro – uma vez que, por mais belo que seja o seu passado, ele não entre em campo.

Futebol ao vivo ou quando quiser? Clique aqui e teste o DAZN grátis por um mês!

O Botafogo fez, entre 2020 e agora 21, o que muito provavelmente se comprovará ser a pior temporada em toda a sua história e, pela terceira vez em sua existência, caiu para a segunda divisão ao mostrar uma incapacidade completa de competir na elite do futebol brasileiro.

A derrota por 1 a 0, dentro de casa, para o Sport, pela 34ª rodada do Brasileirão 2020 decretou, matematicamente, o que muitos já esperavam. A queda botafoguense para a Série B.

Rebaixamentos são traumáticos não importa o tamanho do clube, mas o choque de realidades aliado à revolta de uma torcida acostumada a outras aspirações, nem que seja por causa das histórias que se acostumou a ouvir, fazem com que as quedas de gigantes sejam, tradicionalmente, mais sentidas.

É como naquele ditado: quanto maior a altura, maior é a queda. No passado, a CBF inclusive protegia, costumeiramente, seus gigantes de rebaixamentos – e em alguns casos deixando isso claro até em regulamentos de edições do Brasileirão. Quando isso mudou, os primeiros rebaixamentos de gigantes vieram sempre acompanhados de uma sensação de drama. Uma tristeza válida, mas que passava um sentimento de raridade que foi se dissipando.

Fluminense, Palmeiras, Corinthians, Grêmio, Internacional, Atlético-MG, Cruzeiro e Vasco já caíram. Alguns, mais de uma vez - o Cruz-Maltino, que segue ameaçado de queda neste Brasileirão, já disputou a Série B três vezes.

O agravo geral do terceiro rebaixamento para o Botafogo não abrange apenas a parte financeira, e a própria dúvida sobre como um clube “à beira da falência” (para utilizar as palavras insistentemente ditas pelos dirigentes alvinegros ao longo dos últimos anos) vai fazer para se manter é retrato de tão dramática situação.

Na comparação a todos os outros gigantes citados parágrafos acima, agora o Botafogo é o único membro do grupo dos chamados “12 grandes clubes” a ter mais rebaixamentos do que títulos brasileiros. O Alvinegro foi campeão nacional em 1968 e 1995... e amargou quedas em 2002, 2014 e agora pela temporada 2020.

O pior rebaixamento de um grande no Brasileirão se faz presente pelo menor número de vitórias conquistadas (4 e com um máximo possível que não mudaria este cenário), mas também pelo que esta terceira queda pode simbolizar para o clube. O Botafogo terá condições de voltar à elite em 2022? Se conseguir, qual será a sua luta? Fazer campanhas seguras na Série A e talvez sonhar com taças em mata-matas ou apenas evitar se transformar em um “clube iô-iô”? O que define a grandeza de um clube?

Fechar