Borja de volta ao Palmeiras? Qual será o destino do atacante?

Atacante usou suas redes sociais para afirmar que não seguirá no Junior Barranquilla; com o fim do empréstimo, o colombiano pode retornar ao Alviverde

O atacante Miguel Borja, que ainda pertence ao Palmeiras, seguirá emprestado Junior Barranquilla, da Colômbia. O clube anunciou na madrugada deste domingo (3) que chegou a um acordo para a permanência do atacante no clube por mais seis meses.

Futebol ao vivo ou quando quiser? Clique aqui e teste o DAZN grátis por um mês!

O novo contrato estipula que o Palmeiras poderá vender o colombiano a qualquer momento caso receba uma proposta pelo jogador. O Junior Barranquilla ainda terá a oportunidade de cobrir a oferta antes de que ele seja negociado em definitivo. A equipe colombiana também será responsável por 100% dos vencimentos do atacante, que tem 20 gols marcados em 36 partidas disputadas na temporada de 2020.

Nesta altura da temporada, não é possível registrar atletas no Brasil e a janela de transferências internacionais só reabre em março. Com isso, caso quisesse usá-lo, o Palmeiras teria de pedir uma exceção na Fifa para poder registrá-lo para a disputa da Libertadores, por exemplo.

Enquanto isso, o Palmeiras volta a procurar um novo destino para o colombiano. O atacante foi comprado em 2017 por R$ 35 milhões, se tornando a contratação mais cara da história do Alviverde. Dessa forma, o clube segue interessado em vender o jogador para recuperar o alto valor investido. 

Como é o contrato de Borja com o Palmeiras?

Miguel Borja Cerro Porteno Palmeiras Libertadores 09082018 Foto: NORBERTO DUARTE/AFP/Getty

O contrato de Miguel Borja com o Alviverde paulista é válido até dezembro de 2021, originalmente. Contudo, existe uma cláusula que dá ao clube mais tempo para tentar recuperar o dinheiro investido. 

Se não conseguir vender o jogador até o final da primeira janela de transferências de 2021, o vínculo do atleta será estendido automaticamente por mais um ano, com fim previsto para dezembro de 2022. 

Então, no ano seguinte, a história se repete. Caso não venda o colombiano, o contrato será novamente prorrogado por um ano, até o final de 2023. Somente após esse período Borja poderia se transferir sem custos a um outro clube.

 

Fechar