Barcelona arranca virada história na maior demonstração de força sob Koeman

A vitória por 3 a 0 sobre o Sevilla também serve de inspiração para os catalães tentarem o "impossível" contra o PSG, na Champions League

A temporada 2020-21 do Barcelona começou envolta em polêmicas poucas vezes vistas na história da instituição: na esteira da humilhante desclassificação na Champions League anterior, com derrota por 8 a 2 frente ao Bayern, e com o explícito pedido de Lionel Messi, o maior craque da história do clube, para deixar o Camp Nou. O argentino seguiu e segue, ao menos por enquanto, vestindo a camisa blaugrana, mas as feridas não foram completamente curadas. É por isso que a épica vitória por 3 a 0 sobre o Sevilla, que garantiu os barcelonistas em mais uma final de Copa do Rei, ganhou um sabor ainda mais especial que o comum.

Na mesma semana em que viu seu ex-presidente, Josep Maria Bartomeu, ser preso por causa de irregularidades cometidas dentro de sua administração, o Barcelona se preparou para uma missão das mais difíceis: precisava bater o Sevilla por três gols de diferença para avançar à final da Copa do Rei, depois de ter sido derrotado por 2 a 0 na ida. Ter vencido os andaluzes por 2 a 0, em jogo válido por La Liga, dias atrás, ajudou a construir o clima de que o triunfo seria possível, mas o roteiro visto nesta quarta-feira (03), dentro do Camp Nou, teve contornos épicos e surpreendentes.

Futebol ao vivo ou quando quiser? Clique aqui e teste o DAZN grátis por um mês!

Jogando como dupla de ataque ao lado de Messi, no sistema 3-5-2 que passou a ser utilizado pelo técnico Ronald Koeman, Dembélé abriu o placar no início do primeiro tempo, acertando um lindo chute no fundo das redes do goleiro Tomás Vaclik. O Barcelona era superior, mas não aproveitava suas chances. Lionel Messi participava ativamente das jogadas, mas este parecia ser um dos raros dias em que o argentino não conseguiria resolver tudo sozinho. Bom para o Barça que havia outros heróis em campo.

Ter Stegen (Foto: Getty Images)

Ter Stegen, sempre decisivo, foi um deles. O goleiro alemão defendeu pênalti cobrado por Ocampos, que poderia ter sacramentado de vez a classificação sevillista. Ainda assim, o 1 a 0 não era suficiente e o relógio seguia o seu curso até os acréscimos, quando o zagueiro Gerard Piqué subiu para, de cabeça, dar sobrevida ao Barcelona – completando belo cruzamento de Griezmann. Foi o seu segundo gol na temporada, e o primeiro em jogos de Copa do Rei desde 2017. Na prorrogação, Braithwaite fez o 3 a 0 que teve ares de tragédia para o Sevilla e salvação para o Barcelona.

Gerard Pique Barcelona Sevilla Copa del Rey 2021 (Foto: Reprodução/DAZN)

Em uma temporada ainda marcada pela irregularidade, nesta primeira campanha do time sob o comando de Ronald Koeman, os 3 a 0 sobre o Sevilla representam a maior demonstração de força do Barça desde a chegada do holandês. Um triunfo que pode inspirar também viradas de chave em La Liga (onde o Barcelona ocupa a terceira posição) e, quem sabe, até mesmo na Champions League, embora neste último caso a missão seja consideravelmente mais difícil: reverter contra um PSG que venceu por 4 a 1, em pleno Camp Nou, no jogo de ida das oitavas de final.

Independentemente do que o futuro poderá reservar ao Barcelona, a “remontada” sobre o Sevilla foi um respiro de felicidade necessário para um ambiente tão carregado.

"Estamos felizes por esta situação, nós queremos sempre dar alegrias para os nossos torcedores. Não queremos deixar de acreditar no que fazemos, estamos melhorando e queremos este título", disse Ter Stegen após a vitória, em declarações para a Barça TV. "Nós não estamos no melhor momento da história do clube e era importante. Com muita intensidade, conseguimos a virada do resultado de ida e merecemos", completou o zagueiro Lenglet.

Ídolo como jogador e atual treinador, Koeman não escondeu o orgulho que está sentido. "Como técnico, não se pode pedir mais de seus jogadores", afirmou em sua entrevista coletiva. O holandês também já começou a falar do encontro frente ao PSG, marcado para o próximo dia 10, e embora tenha passado ceticismo, é inquestionável que esta vitória na Copa do Rei serve como combustível para o Barcelona correr, mais uma vez, atrás do impossível diante dos franceses.

"Não é fácil com 2 a 0, mas com 1 a 4 é outra coisa. Mas nós vamos entrar pra ganhar e, durante o jogo, vamos buscar por oportunidades de avançar", sentenciou Koeman.  

Fechar