Seleção Brasileira: relembre todas as camisas usadas em Copas do Mundo

Comentários()
Divulgação/CBF
Confira como foi a evolução de um dos uniformes mais bonitos (e pesados) da história do futebol

A camisa que a Seleção Brasileira vai usar na Copa do Mundo de 2018 já foi divulgada, e mostra inspiração em alguns dos modelos mais clássicos usados pela nossa equipe.

Entretanto, os nossos uniformes usados em Copas do Mundo já passaram por inúmeras mudanças. Confira abaixo!

  1. Divulgação/CBF

    #1 1930 e 34

    A primeira camisa usada pelo Brasil em Copas do Mundo era branca, com detalhes em azul nas colas e manga.

    Em uma época sem constantes trocas no uniforme, o Brasil viajou para a Itália, em 1934, com a mesma camisa usada no Mundial de 1930.

  2. Divulgação/CBF

    #2 1938

    Duas mudanças: pela primeira vez (em jogo contra a Polônia), a Seleção usou um uniforme absolutamente azul e sem detalhes em outras cores. Na camisa titular a grande mudança foi na gola, que passou a ser em "V" - sempre com detalhes em azul.
  3. Divulgação/CBF

    #3 1950

    Para o Mundial disputado em casa, voltava o modelo usado nas primeiras participações: gola pólo, com detalhes em azul. Entretanto, o escudo da CBD [precursora da CBF] passou a ser maior e mais bem desenhado.
  4. Divulgação/CBF

    #4 1954

    Após o trauma do Maracanazo, o Brasil deixou de lado a camisa branca. Nascia a "Canarinho", toda amarela e com detalhes verdes nas mangas e na gola pólo.
  5. Divulgação/CBF

    #5 1958

    A camisa titular era exatamente a mesma usada em 1954, mas a grande novidade foi a camisa azul. Fruto de uma improvisação necessária, já que a final seria disputada contra a Suécia [de camisa amarela], os números foram costurados na cor amarela. Deu sorte! Com ela, veio o primeiro título!
  6. Divulgação/CBF

    #6 1962

    Muito parecida com a camisa usada em 1958, mas no Mundial realizado no Chile o Brasil atuou com mangas longas e a gola era um pouco diferente: a impressão é de que saía de dentro de uma camisa "gola V".
  7. Divulgação/CBF

    #7 1966

    Idêntica à de 1958.
  8. Divulgação/CBF

    #8 1970

    Mudanças significativas: o escudo ficava menor, e a gola passava a ser redonda. A fórmula na distribuição das cores seguia a mesma: amarelo, com detalhes em verde nas golas e mangas. Curiosidade: antes de disputar a decisão, o Brasil mudou o seu fornecedor de material esportivo. Por isso, o formato dos números atrás dos uniformes ficou ligeiramente mais arredondado.
  9. Getty

    #9 1974

    A partir daqui, as mudanças seriam constantes. O uniforme passou a contar com três estrelas acima do escudo, para simbolizar o Tri. A camisa titular era basicamente a mesma de 1970: gola redonda com detalhes verdes. Já a camisa reserva, também usada, era predominantemente azul com detalhes brancos.
  10. Divulgação/CBF

    #10 1978

    Pela primeira vez a camisa da Seleção passou a contar com uma marca explícita: no caso, as três listras da Adidas, em detalhes verdes na manga. Foi a mudança mais significativa - a azul seguia o mesmo modelo, mas com detalhes em branco.
  11. Getty Images

    #11 1982

    O algodão começava a encontrar seus últimos momentos, com uniformes feitos em misturas de poliéster. O uniforme da Seleção passou por grandes modificações: mudava o escudo [agora, com a sigla da CBF e a Taça Jules Rimet]. A curiosidade: um ramo de café que representava o patrocínio do IBC [Instituto Brasileiro do Café].
  12. Gettyimages

    #12 1986

    As grandes mudanças foram três: a saída do ramo de café no escudo, a logomarca da Topper na parte frontal e a volta da gola pólo.
  13. Getty Images

    #13 1990

    O algodão vai saindo cada vez mais da confecção. De grandes mudanças em relação à camisa usada em 1986, apenas um detalhe: a gola pólo se misturava com uma "gola V".
  14. Getty Images

    #14 1994

    O fim do algodão! As camisas passaram a ser 100% em poliéster... e muito chamativas. A do Brasil passou por mudanças: saía o escudo com o desenho da Jules Rimet e voltava o design que remetia às conquistas de 58, 62 e 70. O uniforme tinha marcas d'água com outros escudos no uniforme titular, e a inscrição "CBF" na camisa azul. Com ela, veio o Tetra!
  15. Getty Images

    #15 1994 (azul)

    Na camisa azul de 1994, a diferença era apenas no "CBF" escrito em marca d'água
  16. Getty Images

    #16 1998

    Saía a Umbro, entrava a Nike. Uma camisa com listras verdes no ombro e gola redonda na mesma cor. O escudo voltava a ser menor.
  17. Getty Images

    #17 2002

    O modelo mais incomum já usado. A Nike padronizou absolutamente todos os uniformes, que passavam a ter mais detalhes. Pelo Brasil, a presença do verde na camisa amarela [e azul, na branca] passavam a ser presentes também abaixo dos braços. Foi a camisa do Penta!
  18. Getty Images

    #18 2002 (azul)

    A grande diferença em relação à camisa titular (além das cores) era na gola
  19. Getty Images

    #19 2006

    Uma gola mais estilizada, em verde, e um escudo inserido em um espaço maior exatamente no formato deste escudo.
  20. Getty Images

    #20 2010

    Um uniforme mais simples, com menos detalhes em verde.
  21. Getty Images

    #21 2010 (azul)

    A novidade maior foi na camisa azul, que, em homenagem à 58, voltava a ter numeração e detalhes na cor amarela.
  22. Getty

    #22 2014

    Mais um exemplo de camisa bem clássica. Simples, mas cheia de acertos.
  23. Reprodução

    #23 2018 (azul)

    Volta o azul "absoluto"
  24. Divulgação Nike

    #24 2018

    Assim como a de 2014, simples e absolutamente acertada. uma homenagem à várias edições anteriores, como dá para ver em algumas marcas d'água. Que venha o Hexa!