As dez maiores viradas da história da Champions League

Comentários()
Liverpool, Barcelona, ​​Manchester United e Roma estão entre os clubes que conseguiram o aparentemente impossível na principal competição da Europa

Nos últimos anos, a Liga dos Campeões teve uma série de viradas históricas e improváveis.

No futebol, a lógica normalmente não vale de nada, e isso fica ainda mais claro durante as disputas de mata-mata.

A principal competição da Europa não foge da regra, tendo se mostrado um torneio em que o inimaginável pode se tornar realidade… e os torcedores de grandes equipes, como Liverpool, Barcelona, Roma e Tottenham podem comprovar isso.

Mas qual virada da era moderna da Liga dos Campeões é a maior e mais emblemática?

  1. Mônaco 3x1 Real Madrid (agregado: 5x5, Mônaco vence com gols fora)
    Getty

    #10 Mônaco 3x1 Real Madrid (agregado: 5x5, Mônaco vence com gols fora)

    O Real Madrid não esperava ser eliminado da competição de 2003-04.

    O Mônaco foi bastante competitivo na primeira partida, marcando com Sebastien Squillaci e Fernando Morientes, mas o poder ofensivo do Real Madrid tinha conseguido a vitória e com certeza voltaria a conseguir.

    Ivan Helguera, Zinedine Zidane, Luis Figo e Ronaldo marcaram no Santiago Bernabéu, e mais gols eram esperados em Mônaco. Quando Raul se acertou uma pintura no primeiro tempo, O Real ganhava por 5x2, e o jogo parecia acabado.

    Mas, é claro, não estava. Ludovic Giuly voleou para casa antes do intervalo e depois Morientes - emprestado pelo próprio Real - cabeceou para Mônaco marcando no início da segunda etapa.

    O Real jogou como um time que achava que não poderia ser derrotado, mas que acabou sendo o segundo melhor.

    O excelente Giuly empatou no agregado, mas deixou o Monaco na frente nos gols fora de casa, enquanto os reservas Shabani Nonda e Emmanuel Adebayor acertaram a trave no final da partida.

  2. PSG 1x3 Manchester United (agregado: 3x3, Man Utd vence com gols fora)
    Getty

    #9 PSG 1x3 Manchester United (agregado: 3x3, Man Utd vence com gols fora)

    O Manchester United foi duramente derrotado pelo Paris Saint-Germain no Old Trafford na primeira partida das oitavas de final, em 2018-19.

    Embora Neymar estivesse desfalcando o PSG, Kylian Mbappe comandou o show e o United teve a sorte de sair com uma derrota por apenas 2x0, agravada pelo cartão vermelho de Paul Pogba.

    Mas enquanto Marcus Rashford e Romelu Lukaku nem sempre brilhavam juntos, às vezes eles formavam uma dupla de se temer.

    E foi o que aconteceu no segundo jogo. Lukaku animou o torcedor do United com dois gols ainda primeiro tempo.

    Tahith Chong e Mason Greenwood foram chamados do banco, Ole Gunnar Solskjaer apostou na juventude como arma contra a experiência de Gianluigi Buffon, Thiago Silva e Dani Alves, que já não estava mais resolvendo.

    Aos 44 minutos do segundo tempo, Diogo Dalot chutou obrigando Presnel Kimpembe a desviar para escanteio - mas depois de consultar o VAR, o arbitro entendeu que o desvio foi com a mão, marcando pênalti para os visitantes.

    Rashford, com apenas 21 anos, se deparou com um dos grande sgoleiro de todos os tempos e bateu o pênalti no canto superior esquerdo. Neymar ficou de olho, perplexo. No que diz respeito aos torcedores do United, os bons tempos estavam de volta.

  3. Chelsea 4x1 Napoli (agregado: 5x4)
    Getty

    #8 Chelsea 4x1 Napoli (agregado: 5x4)

    O Chelsea estava um caos quando foi derrotado pelo Napoli  por 3x1, em 2012.

    Andre Villas-Boas, trazido como um dos melhores jovens treinadores do mundo, estava em declínio.

    Em baixa e em desvantagem na Liga dos Campeões, os Blues o demitiram e nomearam o favorito dos torcedores, Roberto Di Matteo, cuja única experiência como treinador tinha sido no MK Dons e no West Brom.

    Di Matteo transformou o Chelsea, e virou o jogo a seu favor.

    O trio principal dos Blues, Didier Drogba, John Terry e Frank Lampard marcou para levar o jogo para a prorrogação,  depois deGokhan Inler fazer para os italianos, antes de Branislav Ivanovic definir para o Chelsea no tempo extra.

    O Chelsea venceu o Benfica nas quartas de final, antes da famosa vitória sobre o Barcelona na semifinal, e conquistou o título contra o Bayern de Munique.

    Di Matteo foi demitido sete meses, mas poucos treinadores podem afirmar ter tido um impacto tão grande em tão pouco tempo.

  4. Manchester United 2x1 Bayern de Munique
    Getty

    #7 Manchester United 2x1 Bayern de Munique

    Ole Gunnar Solskjaer gosta de falar sobre a final de 1999 e ele tem uma boa razão para isso.

    Diante de uma multidão de 90 mil pessoas no Camp Nou, a cobrança de falta de Mario Basler aos seis minutos parecia ter dado ao Bayern de Munique o primeiro título da Liga dos Campeões, desde 1976.

    O Bayern liderou por 84 dos 90 minutos do tempo normal, antes que o United conseguisse uma das maiores vitórias finais de todos os tempos.

    O escanteio de David Beckham resultou no gol de Teddy Sheringham após o chute de Ryan Giggs para impedir a vitória dos alemães.

    Quase imediatamente, o United conquistou mais um escanteio. Novamente Beckham cobrou, Sheringham acenou para baixo e Solskjaer chegou para mandar a bola para o gol.

    Foram apenas 101 segundos entre os dois gols. A equipe de Sir Alex Ferguson havia levantado a FA Cup apenas quatro dias antes, e sua tripla conquista continua inigualável no futebol inglês.

  5. Deportivo La Coruña 4x0 Milan (agregado: 5x4)
    Getty

    #6 Deportivo La Coruña 4x0 Milan (agregado: 5x4)

    Jogando contra os campeões europeus, o Deportivo já havia surpreendido ao fazer 1x0 no jogo de ida em Milão, em 2004.

    Os gigantes italianos rapidamente acertaram as coisas com uma vitória por 4x1, e começaram a se preparar para as semifinais. Afinal de contas, nenhum time havia marcado três gols para reverter um empate em mata-mata na Liga dos Campeões.

    Obviamente, ninguém havia dito nada ao Deportivo. Eles estavam empatados antes do intervalo.

    Walter Pandiani, Juan Carlos Valeron e Albert Luque marcaram enquanto os espanhóis corriam pelos ares do Milan, com Fran vencendo no segundo tempo com um chute desviado de Cafu.

    Rui Costa quase conseguiu tirar o Milan do buraco com um poderoso chute de longa distância, mas José Molina fez uma bela defesa para preservar a vantagem da sua equipe e selar a classificação para as semifinais.

    O técnico do Deportivo, Javier Irureta, havia rezado por um milagre e conseguiu um. Honrando uma promessa, mais tarde ele fez uma peregrinação a Santiago de Compostela em agradecimento.

  6. Roma 3x0 Barcelona (agregado: 4x1)
    Getty Images

    #5 Roma 3x0 Barcelona (agregado: 4x1)

    A Roma havia sido derrotada por 4x1 em Barcelona, no jogo de ida das quartas de final de 2017-18, marcando dois gols contra para ajudar os catalães em seu caminho, mas o gol crucial de Edin Dzeko fora de casa deu a eles o menor raio de esperança.

    Embora não tenha conseguido o gol da vitória, o grande bósnio foi fundamental em uma das maiores noites da Roma.

    Ele marcou contra  Marc-Andre ter Stegen no início do jogo, antes de ganhar um pênalti para Daniele de Rossi bater em casa e reduzir pela metade a desvantagem após o intervalo.

    O Stadio Olimpico tremeu e o Barça dobrou. Kostas Manolas, autor do segundo gol contra no Camp Nou, encontrou Cengiz Under no canto do gol e chutou perfeitamente dentro da trave para colocar a Roma à frente nos gols fora de casa.

    Uma última chance veio para Lionel Messi. Ele chutou de pênalti, mas não conseguiu acertar a bola no gol, mandando nos braços do goleiro da Roma, Alisson - que prontamente concluiu que gostava de uma reviravolta impossível contra o Barcelona, e gostaria de tentar outra.

  7. Ajax 2x3 Tottenham (agregado: 3-3, Tottenham vence com gols fora)
    Getty

    #4 Ajax 2x3 Tottenham (agregado: 3-3, Tottenham vence com gols fora)

    Este foi uma virada na semifinal de 2019, e que realmente pareceu vir do nada. Tottenham não foi o melhor no primeiro jogo e na maior parte do segundo, 3x0 no intervalo e sem Harry Kane.

    O Ajax já havia vencido o Real Madrid e a Juventus e buscava uma final com o Liverpool, mas a entrada de Fernando Llorente no intervalo mudou o jogo, já que os outros atacantes do Spurs se movimentavam ao seu redor.

    Dele Alli liberou Lucas Moura aos 10 minutos do segundo tempo, e o brasileiro manteve a compostura para encontrar espaço em uma área lotada e aproveitar um segundo apenas momentos depois.

    Hakim Ziyech disparou contra a trave com 12 minutos de jogo, antes de Jan Vertonghen, da base do Ajax, cabecear para fora do gol, do outro lado.

    A vibrante equipe jovem de Erik dez Hag sentia a pressão da longa e orgulhosa história do Ajax na Europa e, eventualmente, eles cederam.

    Cinco minutos e um segundo para o intervalo, Moussa Sissoko bateu a bola para frente, Llorente derrubou, Alli passou e Lucas encontrou o canto inferior.

    Mauricio Pochettino comemorou como um homem que havia guiado seu clube para a maior noite de sua história, e com razão.

  8. Liverpool 4x0 Barcelona (agregado: 4x3)
    Getty

    #3 Liverpool 4x0 Barcelona (agregado: 4x3)

    Lionel Messi sabia que o trabalho não estava feito. Com Barça 3x0 em casa na hora do intervalo, ele caiu no gramado em desespero quando Ousmane Dembele conseguiu uma finalização fraca nos braços de Alisson com o gol à sua mercê.

    Essa equipe do Barcelona tinha um coração mole e seu melhor jogador sabia disso. Mesmo depois de uma performance pessoal dominante e de uma das cobranças de falta mais emblemáticas de todos os tempos, Messi certamente deve ter uma dúvida incômoda em mente ao chegar ao gramado de Anfield para a segunda partida da semifinal de 2018-19.

    Divock Origi, o homem enigmático do Liverpool para os maiores momentos, marcou cedo para ver a equipe de Jurgen Klopp liderar no intervalo, mas mais dois gols foram necessários.

    "Nós marcamos, o Liverpool precisa de CINCO - e vamos conseguir pelo menos um... de acordo?" foi o chamado do Barça em sua conta oficial no Twitter.

    Eles estavam errados. A visão de Georginio Wijnaldum trotando do banco se tornaria emblemática para os torcedores do Liverpool, já que ele empatou o jogo com dois gols em três minutos.

    O Barça estava desmoronando, Messi atado, seus companheiros de equipe murchando ao seu redor, e então o Liverpool ganhou um escanteio. Trent Alexander-Arnold, com um flash de genialidade, levou-o rapidamente, e Origi levantou-o para o alto da rede.

    Pandemônio.

  9. Barcelona 6x1 PSG (agregado: 6x5)
    Getty

    #2 Barcelona 6x1 PSG (agregado: 6x5)

    Em 2017, o Barcelona estava prestes a ficar de fora das quartas de final da Liga dos Campeões pela primeira vez em uma década, após sofrer uma humilhante goleada por 4x0 em Paris.

    Foi um resultado que aparentemente sinalizou uma mudança na guarda - o novo-rico colocando um dos clubes mais antigos do mundo na espada, e sinalizando sua intenção de conquistar o trono europeu.

    Uma virada de 4x0 nunca havia sido visto na competição em 213 tentativas, mas a tentativa de Luis Suárez de abrir o placar logo no início fez o Camp Nou acreditar.

    Um gol contra de Layvin Kurzawa e um pênalti de Lionel Messi antes do intervalo fez com que Barça voltasse ao jogo, antes que Edinson Cavani fizesse um belo gol fora de casa para deixar os anfitriões precisando de mais três.

    Cavani e Angel Di Maria perderam chances de ouro para encerrar a disputa e foram obrigados a pagar. Suarez e Messi já tinham se recuperado, mas esta era realmente a noite de Neymar.

    Uma cobrança de falta impressionante aos 43 minutos do segundo tempo, um pênalti aos 46 e um lindo passe flutuante de fundo para Sergi Roberto aos 50. O histórico 'MSN' significava que o Barça nunca ficava de fora de um jogo.

  10. Milan 3x3 Liverpool (Liverpool venceu por 3x2 nos pênaltis)
    Getty

    #1 Milan 3x3 Liverpool (Liverpool venceu por 3x2 nos pênaltis)

    Algumas pessoas contestam o Milagre de Istambul na primeira colocação. Houveram viradas mais difíceis, viradas com o jogo ganho antes de uma disputa de pênaltis.

    Mas este jogo é a virada contra a qual todas as outras viradas são medidas.

    A cidade turca foi povoada pela primeira vez há cerca de 2600 anos e conta agora com mais de 15 milhões de habitantes - mas digam a palavra "Istambul" a qualquer fã de futebol, e as primeiras coisas em que vão pensar são Xabi Alonso marcando no rebote, e as pernas trémulas de Jerzy Dudek na final da Liga dos Campeões de 2005.

    A equipa do Milan, nesse dia, parecia uma lista de lendas de meados de 2000, e o gol de Paolo Maldini no primeiro minuto parecia dar o tom. Um belo duplo de Hernan Crespo matou o jogo antes do intervalo.

    O resto já se sabe. Gerrard, Smicer, Alonso, até Shevchenko e Dudek.

    Um resultado que reacendeu o caso amoroso dos Reds com a Europa e garantiu que nenhum torcedor do Liverpool jamais aceitaria que um jogo fosse perdido antes de o jogo terminar.