Quem pode ser o parceiro ideal de Neymar na Seleção?

Comentários()
Confira alguns nomes que podem aparecer como “braço direito” do craque brasileiro pensando na Copa do Mundo de 2022

"É bobagem falar que o Romário ganhou a Copa de 94 sozinho. O Neymar também não vai ganhar nada sozinho. Se a seleção não tiver uma base forte, não vai ganhar nada. Ele jogou uma Copa do Mundo, praticamente sem condição, vindo de uma cirurgia no pé, e ainda rendeu o que rendeu. Mas não ia ganhar sozinho, ninguém ganha".

As palavras acima foram ditas por Bebeto, atacante campeão mundial pela Seleção em 1994, em participação ao programa Resenha ESPN. E se lembrarmos todo o histórico de vitórias mundiais do Brasil, é verdade que todo grande craque sempre contou com uma parceria inesquecível.

Em 1958, Pelé e Garrincha entraram no decorrer do torneio e foram decisivos no primeiro título mundial; em 1962, Garrincha brilhou com maior destaque após a lesão de Pelé, mas fez boa parceria com Amarildo – seu companheiro de ataque no Botafogo. A Seleção de 1970 também esbanjava talentos, com Pelé vendo em Jairzinho, Tostão e Rivellino grandes parceiros.

Bebeto and RomarioBebeto e Romário fizeram história na Seleção

O Tetra, relembrado por Bebeto, teve nele e Romário a dupla mais inesquecível desde Pelé-Garrincha e em 2002 Ronaldo e Rivaldo dividem, até hoje, opiniões sobre quem teria sido mais decisivo rumo ao Penta.

Com Neymar, entretanto, a história vem sendo outra. Em 2014, era o único craque absoluto e quatro anos depois não chegou nas melhores condições para desempenhar no mais alto nível. Pior: o excesso de quedas o transformou em piada mundial e o melhor brasileiro em campos russos talvez tenha sido Philippe Coutinho. O meio-campista do Barcelona ainda é um candidato a ser o ‘braço direito’ de Ney em campo, mas a tendência é que este seja um espaço a ser preenchido por jovens  talentos que já começam a despontar. Confira abaixo!


Vinícius Júnior


Vinicius Junior Real Madrid Copa del Rey 2018(Foto: Getty Images)

O xodó do Real Madrid tem boa relação extracampo com Neymar e jamais escondeu a admiração pelo camisa 10.  Na Copa do Mundo de 2022, ainda terá 22 anos, além de uma experiência maior. Vinícius costuma atuar como ponteiro pela esquerda, exatamente a posição em que Ney mais vezes foi escalado ao longo de sua carreira.

Entretanto, no PSG o brasileiro vinha desempenhando em alto nível uma função mais centralizada – como “10 clássico” – antes de se lesionar. Exatamente por isso, dá para imaginar os dois fazendo tabelinhas, criando espaços e infernizando a vida dos defensores futuramente.


David Neres


David Neres Ajax 2018-19(Foto: Getty Images)

Convocado no lugar de Vinícius Júnior, cortado por lesão, para os amistosos de março, o ex-jogador do São Paulo é outro candidato forte. E a sua polivalência nas posições de ataque pode ser um trunfo até mesmo para formar uma linha de meias junto de Vinícius e Neymar. Neres atuou a maior parte de sua breve carreira pela ponta-direita, mas sua qualidade não caiu quando foi deslocado para o flanco oposto. Ou seja: daria qualidade e ainda poderia alternar de posições com Neymar no campo de ataque.


Rodrygo


Rodrygo Brasil Venezuela 21012019(Foto: Getty Images)

A joia do Santos é um caso parecido ao de Vinícius Júnior em quase todos os sentidos. Além de também ter sido contratado por 45 milhões de euros pelo Real Madrid, costuma atuar mais vezes pela extremidade esquerda. A expectativa que vale para Vinícius também pode ser transportada, ainda que em nível momentaneamente menor, para Rodrygo.


Richarlison


Richarlison Neymar Brazil El Salvador Friendly 11092018(Foto: Pedro Martins/MoWa)

A parceria com Neymar já começou nos primeiros amistosos realizados após a Copa de 2018. E a favor do atacante do Everton, além de sua habilidade e o bom entrosamento já apresentado com Ney, está no fato de Richarlison ser efetivo tanto aberto pela esquerda quanto como referência mais adiantada do time.


Arthur


Arthur Brasil Argentina Amistoso Superclássico das Américas 16102018(Foto: Lucas Figueiredo/CBF/Divulgação)

A opção taticamente mais ‘recuada’, uma vez que o ex-jogador do Grêmio é um meio-campista completo. No entanto, apesar da pouca idade Arthur mostra uma maturidade em comportamento e na leitura do jogo que são raras. Pode contrabalancear com o estilo mais despojado de Neymar, além de ser garantia de entregar a bola ‘redondinha’ na transição para o ataque.


Roberto Firmino


Firmino USA Brazil Friendly 07092018(Foto: Lucas Figueiredo/CBF/Divulgação)

O atacante do Liverpool talvez seja o brasileiro que faz a melhor temporada na Europa. E embora possa chegar no próximo Mundial na casa dos 30 anos, a mesma de Neymar, hoje não é um nome a se descartar.

Fechar