Notícias Placares ao vivo
Opinião

Messi, o salva-vidas de um Barcelona que quase se afoga

21:35 BRST 01/12/2019
Lionel Messi Atletico Madrid v Barcelona 12012019
Camisa 10 vai ao resgate do Barça diante do Atlético de Madrid depois de um mau primeiro tempo. Foi seu primeiro gol no Wanda Metropolitano

A cinco minutos do apito final, Messi comemorou o importantíssimo gol que deu a vitória do Barcelona como se fosse o primeiro. De certa forma, foi o primeiro, sim - no Wanda Metropolitano, novo estádio do Atlético de Madrid. E não poderia ter chegado em melhor momento, garantindo os três pontos que mantêm o time na liderança da tabela de classificação de La Liga, junto ao Real Madrid. Por isso a contundência da celebração: um tento que valeu ouro.

Assista ao melhor do futebol ao vivo ou quando quiser: experimente já o DAZN por um mês grátis!

Antes disso, porém, o quadro era bastante distinto. Os azulgraná sobreviviam com dificuldades na capital: aos oito minutos de partida, Mario Hermoso já havia acertado a trave, dando início a uma série de oportunidades do lado colchonero do duelo. Se Morata e Hermoso não balançaram as redes, foi por causa de Marc-André Ter Stegen, uma paredão sob a forte chuva que atingiu Madrid neste domingo. A bola corria com velocidade e o Barça, incômodo como sempre, achou Piqué para que acertasse o travessão pouco antes do intervalo.

O intervalo fez bem ao Barcelona. Uma lufada de ar fresco quando se sentia cada vez mais afogado e soube fazer uso da máxima de que, quem não faz, leva. O segundo tempo, então, foi muito distinto do primeiro, dominado pelos donos da casa que empilharam chances de gol. Messi demorou, mas passou a testar Jan Oblak ao lado de Luis Suárez, brilhando como não havia feito nos primeiros 45 minutos.

Do outro lado, Ter Stegen continuava se garantindo sob as traves, inclusive iniciando contragolpes como um que, iniciado pelo camisa 10, terminou em uma das poucas vezes em que apareceu Antoine Griezmann, esforçado, mas sumido sob as vaias da torcida que o aplaudia até o último ano.

E teve que ser ele, Messi, a acudir mais uma vez o Barça, tendo influência em dois de cada três gols de sua equipe desde o duelo contra o Getafe, última vez que não iniciou a partida.

Se a Bola de Ouro quiser manter sua credibilidade, não deveria ter nesta segunda-feira, quando será entregue, outro dono que não Lionel Messi.