Esse é o pior Manchester United que já enfrentou o Arsenal na Premier League?

Comentários()
PAUL ELLIS / Colaborador
Às vésperas do clássico, problemas estruturais expõe a fragilidade do clube de Manchester

O Manchester United enfrenta o Arsenal nesta próxima segunda-feira (30) com o que pode ser o pior time que já foi a campo com a camisa do Red Devils para enfrentar o Gunners, desde o começo da era Premier League.

Quer ver jogos ao vivo ou quando quiser? Teste o DAZN com um mês grátis!

Desde o início do futebol "moderno", o United conseguiu derrotar seus rivais constantemente, mesmo quando seu time parecia muito pior ou desfalcado.

No comando de Sir Alex Ferguson, principalmente, estar sem os principais jogadores da equipe não era necessariamente algo que impedisse o United de conseguir achar o caminho da vitória. Em um jogo da FA Cup, em 2011, o escocês escolheu um time no mínimo excêntrico.

No gol, Van der Sar. Wes Brown, Chris Smalling, Nemanja Vidic e Patrice Evra; Fabio, Rafael, John O’Shea e Darron Gibson; Wayne Rooney e Javier Hernandez. Com gols de Fabio e Rooney, o United venceu por 2 a 0 numa vitória surpreendentemente fácil sobre o Arsenal de Wenger. Não fazia diferença a presença de sete defensores na equipe de Ferguson, sendo que três destes estivessem improvisados no meio de campo. O espírito vencedor e a motivação conduziam os jogadores a uma performance boa e uma crença no sucesso coletivo da equipe.

Após 15 anos de rivalidade, Ferguson encontrou a jugular do Arsenal. É claro que, naquele momento, Wenger havia tornado o Arsenal não muito difícil de ser batido, nada comparado as equipes históricas do começo do século 21.

Aplicando suas crenças no futebol sem nenhum impedimento, o francês reuniu vários elencos desprovido de força física e cheios de fraqueza mental. Mesmo um time muito fraco do United ainda era muito forte para os Gunners.

Algo que prova a habilidade de Ferguson em motivar seus atletas é que quase todos os times que ele montou em seus últimos anos acreditavam que poderiam vencer quase qualquer adversário, independente da sua força. Por outro lado, após vários anos de trabalhos fracos e de contratações sem inspiração, qualquer oponente agora acredita que pode vencer o time de Ole Gunnar Solskjaer.

Com o United enfraquecido por pouco investimento, lesões e um desempenho muito fraco, é bem capaz que o time que irá a campo na segunda-feira esteja recheado de improvisações e de lacunas em algumas áreas. 

Em 2017, David de Gea decidiu um clássico tenso contra o Arsenal no Emirates, com uma atuação sensacional, mas o de Gea de hoje não é o mesmo daquela época. O espanhol renovou o contrato, talvez apenas porque tenha entendido que o Real Madrid não irá o querer tão cedo, já que de Gea está errando constantemente, sem nenhuma presença de área. Os problemas do United agora começam debaixo das traves.

À sua frente, Victor Lindelof já mostrou muitas vezes suas falhas no jogo aéreo, e o veterano Ashley Young teve que voltar aos campos após mais lesões e problemas físicos de Luke Shaw.

A partir do meio de campo, os problemas se mostram ainda mais numerosos.

Paul Pogba retornou a equipe titular contra o Rochdale na Copa da Liga Inglesa na quarta-feira, mas não é provável que o francês enfrente o Arsenal, já que o meiocampista agravou sua lesão no tornozelo.

Com a lesão de Pogba, é bem provável que Nemanja Matic e Scott McTominay tenham que sair jogando. Além disso, o brasileiro Fred ainda não mostrou a que veio, sem jogar bem a mais de um ano. Com essas lacunas na posição, é impressionante que o United ainda não contratou outro volante, tanto para maximizar o talento de Pogba quanto para injetar mais energia na posição. 

Outras saídas que o United ainda não substituiu foram Alexis Sanchez e Romelu Lukaku. 

Marcus Rashford, outro jogador que não deve jogar contra o Arsenal, lesionado, demonstar muita confiança em fazer este papel de centroavante. No entanto, o atacante ainda não conseguiu provar que tem capacidade para realizar a função.

Desde uma temporada de estreia que mostrou, entre outras qualidades, talento, técnica e qualidade na finalização, o inglês parece precisar reaprender o básico da posição. Anthony Martial é uma opção melhor, mas ainda é muito inconsistente, e some durante jogos..

As saídas de Lukaku e de Sanchez foram muito justificadas, mas é assustador que o United talvez tenha que colocar Mason Greenwood para jogar como centroavante pois o jovem é a única opção que ‘sobrou’, ao invés de fazer o promissor atacante conquistar o espaço com seu talento. 

Ainda mais chocante é que não é pelo meio que o United irá sofrer mais contra o Arsenal, e sim, pelas pontas.

O único jogador de lado de campo que vem jogando bem é Daniel James. Com as outras opções sendo Juan Mata e Jesse Lingard, a falta de talento na função é mais um problema para o United corrigir.

A influência de Wenger no Arsenal foi tão profunda que seu DNA permanece incorporado no Emirates, com o novo técnico Unai Emery mudando muito pouco da mentalidade instável do clube. Desta forma, não seria nenhuma surpresa se o United conseguisse arranjar uma vitória.

Mais artigos abaixo

No entanto, a situação em Old Trafford é tão desesperadora que é mais provável que Solskjaer sofra mais vergonha.

Se isso acontecer, o norueguês poderá perder o apoio que restou de seus jogadores e dos poucos torcedores que ainda apoiam a manutenção do treinador. Esses fiéis apoiadores só precisarão olhar para a classificação da Premier League para perceber quão ruim está o United neste momento.

Fechar