Caso Sánchez: Santos é punido pela Conmebol e precisará reverter placar de 3 a 0 no Pacaembu

Comentários()
Entidade entendeu que Peixe errou ao escalar jogador uruguaio no jogo de ida das oitavas de final da Libertadores

A Conmebol resolveu punir o Santos por entender que o clube brasileiro escalou irregularmente o meia Carlos Sánchez no jogo de ida das oitavas de final da Libertadores, contra o Independiente, na Argentina.

"A Conmebol resolve declarar como perdedor o Santos Futebol Clube na partida disputada em 21 de agosto, determinar o resultado de 3 a 0 a favor do Club Atlético Independiente e confirmar a suspensão do jogador Carlos Andrés Sanchez Arcosa", diz parte do comunicado.

Com a decisão divulgada na manhã desta terça-feira (28), o jogo que tinha terminado empatado em 0 a 0 passa agora a ter como resultado oficial 3 a 0 para o Independiente. Assim, o Santos precisará vencer por pelo menos quatro gols de diferença às 19h30 (de Brasília), no Pacaembu, para avançar direto para as quartas de final.

Luis Peres Santos 23 07 2018
(Foto: Ivan Storti/Santos FC)

O Santos já anunciou que irá recorrer da decisão e promete, se necessário, ir também ao TAS, Tribunal Arbitral do Esporte, com sede na Suíça. A Conmebol deu sete dias para o clube brasileiro entrar com o pedido.

Além da punição ao clube, a suspensão de um jogo de Sánchez foi mantida fazendo com que ele não possa ser escalado por Cuca nesta terça.


Entenda o caso


Quando ainda defendia o River Plate, em 2015, Carlos Sánchez foi expulso por três partidas por ter agredido um gandula na semifinal da Copa Sul-Americana, contra o Huracán, que deveriam ser cumpridas no torneio seguinte organizado pela Conmebol.

Após a eliminação no torneio, porém, o jogador uruguaio disputou o Mundial de Clubes de 2015 organizado pela Fifa e se transferiu para o Monterrey, do México, de onde saiu no último mês para o Santos.

Em seu centenário comemorado em 2016, a Conmebol declarou anistia para metade das suspensões. Arredondando para baixo, Sánchez, então, teria que cumprir um jogo de pena. O Santos, porém, consultou o COMET, programa da Conmebol para conferência de suspensões, e viu Sánchez liberado para atuar.

Carlos Sanchez Independiente Santos 21082018
(Foto: Ivan Storti/Santos/Divulgação)

Esse, inclusive, foi o principal argumento utilizado pelo Santos para se defender durante julgamento realizado ontem (27). O clube citou outros casos onde o COMET foi levado em consideração  e que não ocasionaram em suspensão, como o de Zuculini, do  River Plate, que foi utilizado em sete partidas de forma irregular, mas sequer teve o procedimento aberto pelo fato de a entidade admitir ter cometido um erro ao não informar o clube sobre a pena quando foi consultada no início da competição.

Apesar disso, o artigo 11.8 do Regulamento diz que “as suspensões automáticas são denominadas assim porque operam sem necessidade de que a Unidade Disciplinar informe ao clube ou ao jogador processado sobre as mesmas”, transferindo a responsabilidade aos times. 

Fechar