Amistosos Pré-Copa: o que deu pra ver de Marrocos e Irã?

Comentários()
Getty Images
Os dois franco-atiradores do Grupo B tiveram boa posse de bola, mas desafio contra Espanha e Portugal será muito maior

Marrocos e Irã são os franco-atiradores no Grupo B da Copa do Mundo, que tem Espanha e Portugal como grandes favoritos a avançarem para as oitavas de final.

Entretanto, a história dos mundiais já provou que gigantes podem cair e tudo é possível. Confira, abaixo, como foi o desempenho de Irã e Marrocos nos últimos amistosos realizados já após a convocação final!


IRÃ: MEIO-CAMPO POVOADO


Irã amistoso 11 06 2018(Foto: Getty Images)

A equipe treinada pelo português Carlos Queiroz foi o grande destaque nas Eliminatórias asiáticas, finalizando na primeira colocação geral e sem derrotas. Entretanto, o saldo nos últimos dois amistosos deixa um pouco de preocupação nos resultados.

Contra a Turquia, no dia 28 de maio, o Irã teve como pontos positivos a posse de bola (58.3%) e boas chegadas ao ataque mesmo atuando na casa do adversário. O problema foram os vacilos na defesa, que possibilitaram aos turcos chegarem ainda com mais perigo para vencer a contenda por 2 a 1.

No último dia 8, contra a Lituânia, o resultado ao menos veio: vitória por 1 a 0, com gol de Sardar Azmoun no finalzinho. Importante para dar confiança antes do Mundial, mas sem animar o bastante.

Taticamente, a aposta de Carlos Queiroz foi o 4-1-4-1 com o máximo possível de atenção na fase defensiva. Ou seja: a intenção é evitar as chances de grandes adversários e apostar em seus erros.


MARROCOS: MUDANÇAS DE ÚLTIMA HORA


Marrocos amistoso 11 06 2018(Foto: Getty Images)

Os três últimos amistosos da seleção marroquina serviram para aumentar a confiança dos jogadores.

Após um empate sem gols contra a Ucrânia, onde teve mais oportunidades e posse de bola, os africanos bateram Eslováquia (2 a 1) e Estônia. Os destaques, além dos gols do camisa 10 Younés Belhanda, foram o volume ofensivo e mudança de sistema tático: saiu o 3-4-3 usado contra os ucranianos para o 4-1-4-1 utilizado nas últimas duas vitórias.


VEREDICTO


Ainda que sejam franco-atiradores no Grupo B, Marrocos e Irã buscaram valorizar a posse de bola contra adversários muito mais frágeis aos que vão encontrar na Rússia. Mas a expectativa é aproveitar ao máximo as (esperadas) raras oportunidades que possam vir a aparecer.

Próximo artigo:
Van der Vaart: "Isco sempre tem problemas com treinadores"
Próximo artigo:
Bielsa diz que enviou espiões aos treinos de todos os rivais
Próximo artigo:
Corinthians no Mercado: Quem chega, quem sai e quais as prioridades para 2019?
Próximo artigo:
Gabriel Jesus recusou proposta mais vantajosa da Inter de Milão, para jogar com Guardiola na no City
Próximo artigo:
Corinthians anuncia contratação de Manoel por empréstimo até o fim do ano
Fechar