Adeus, Pirlo: o último artista em uma era de atletas

Comentários()
Goal
O meio-campista pendurou as chuteiras e entrará para a história como um dos melhores de todos os tempos

A Itália produziu alguns magníficos meio-campistas ao longo dos anos. Valentino e Sandro Mazzola, Gianni Rivera, Giancarlo Antognoni, Marco Tardelli, Rino Gattuso, Daniele De Rossi... - a lista continua. Mas um jogador supera todas essas estrelas, o maestro Andrea Pirlo. No domingo (05), Pirlo fez, pelo New York City FC, o seu último jogo como profissional.
 
"Você percebe por si mesmo que chegou o momento", disse o jogador de 38 anos à Gazzetta dello Sport ao anunciar a sua aposentadoria. "Todos os dias você tem problemas físicos. Na minha idade, você tem que dizer: chega. Você não pode continuar até 50. " 
 
Desde a sua estreia na Serie A pelo Brescia, com apenas 16 anos, Pirlo surpreendeu o torcedor em todo o mundo. O futebol é tão 'regional', especialmente na Itália, que é muito raro encontrar um craque de classe mundial que transcenda as cores dos clubes e as fronteiras nacionais. Junto com os gostos de Javier Zanetti, Paolo Maldini e Gianluigi Buffon, Pirlo é adorado por quase todos. 

Pirlo freekick
(Foto: Getty Images)

Ele é adorado porque é único. Instantaneamente reconhecível, - com ou sem os seus longos cabelos e a barba de marca registrada - assistir L'architetto (O Arquiteto como é chamado na Itália) deslizar sem esforço ao longo do campo, mover a bola e seus companheiros de equipe como um mestre de xadrez e cobrar faltas com a precisão de um jogador de Curling é uma beleza pura. 
 
Para os puristas do jogo, Pirlo é tudo o que um jogador deve ser. Ele é lento, ele é frágil, ele não lidera, desarma ou corre, mas é um grande  gênio desde o ponto de vista técnico e mental que ele ainda continua intocável. 
 
É por esta razão que Pirlo é particularmente adorado no Brasil - o país onde o 'joga bonito' nasceu. Muitos brasileiros anseiam por um retorno aos dias de 1970 e 1982, onde espíritos livres como os de Rivelino, Tostão, Sócrates e Zico se divertiram em seus arredores boêmios. Pirlo é a representação dos jogadores brasileiros despreocupados e ousados que gostariam ainda que existissem.  

Andrea Pirlo Kakà Massimo Ambrosini AC Milan(Foto: Getty Images)

"Andrea Pirlo é o jogador mais brasileiro de todos os europeus. Ele é o primeiro jogador no papel, se eu tivesse que fazer uma equipe dos sonhos", disse o ex-treinador do Brasil, Dunga, ironicamente uma das primeiras figuras que mudou o estilo da Seleção Canarinho para o 'atletismo'. 
 
Na verdade, agora vivemos na era do atleta. Mudanças na regra, avanços médicos, futebol sintético e a evolução tática subsequente e aumento da velocidade do jogo empurraram a maioria dos artistas do jogo como Pirlo para fora do esporte. Ele é mais adequado para a década de 1980 quando o jogo era mais lento, mais técnico e a pressão efetiva ainda estava a alguns anos de distância. 
 
"Ele é o resumo da classe, um homem que lidera o time usando todas as armas que alguns consideram antiquadas ainda, e para mim, são insubstituíveis: engano, a pausa, o truque, a precisão", disse a ex-estrela argentina e do Real Madrid Jorge Valdano . "Isso é exatamente o oposto daquela palavra que está tão na moda hoje e um desastre para o jogo: intensidade". 

Iniesta Pirlo Busquets Juventus Barcelona(Foto: Getty Images)

Essa intensidade também nos teria roubado o gênio de Pirlo. Quando a posição do Nº10 começou a se tornar obsoleta, Pirlo lutou para pregar um lugar na Inter. Felizmente, primeiro Carlo Mazzone, técnico do Brescia e depois Carlo Ancelotti no Milan tiveram a visão de mover Pirlo de volta ao seu habitat natural para um papel mais recuado. Dali, ele podia se expressar, ditar o ritmo e executar com precisão seus passes. 
 
Talvez ninguém desde Michel Platini tenha sido tão preciso e eficaz quando se trata de passes precisos no topo da defesa. Talvez ninguém tenha sido tão calmo e controlado quanto o italiano. Independentemente da qualidade do adversário, do tamanho do jogo - não houve pressão para Pirlo. 
 
"Eu não sinto pressão ... Eu não dou a mínima para isso. Passei a tarde de domingo do dia 9 de julho de 2006 em Berlim dormindo e jogando o PlayStation. De noite, saí e ganhei a Copa do Mundo ", comentou o volante. 

Andrea Pirlo World Cup 2006 Grosso(Foto: Getty Images)

Como um regista, Pirlo era o cérebro e batia o coração de um dos melhores meio de campos da história da Champions League. Juntamente com Gattuso, Clarence Seedorf e Kaká, o Milan alcançou três finais de Champions, uma semifinal e outra quartas-de-final em cinco anos na última década, ganhando dois títulos e jogando fora outros dois. 
 
Sua boa parceria no meio de campo com o  agressivo Gattuso foi vital, já que a Itália terminou com uma espera de 24 anos para finalmente levantar a sua quarta Copa do Mundo no verão de 2006. Na Alemanha, Pirlo liderou os números de assistências e prêmios de melhor jogador das partidas. Ele marcou o primeiro gol do torneio contra o Gana com uma finalização certeira de fora da área e deu a assistência para Marco Materazzi empatar o jogo final contra a França, também marcando o pênalti final que garantiu a Copa para a Azzurra. 

E, assim como qualquer grande jogador, ele provou aos seus críticos que estão errados quando muitos escreveram que ele estava acabado depois que terminou seu caso de amor de 10 anos com o Milan, deixando o clube em 2011. No seu 33º ano, ele talvez tenha realizado a sua melhor temporada individual da carreira. Ele foi o catalisador da Juventus, seu novo clube, que foi rebaixada após a crise envolvendo o clube na Série A, inspirando-os ao Scudetto sem perder um jogo antes de estrelar a Euro 2012 - onde ele não estava apto para atuar nas vitórias eliminatórias sobre a Inglaterra e a Alemanha. 

Andrea Pirlo Juventus AC Milan 2011
Crédito: Getty

Ele foi nomeado Jogador do Ano da Serie A, mantendo a honra nas próximas duas temporadas, já que os Bianconeri construíram uma dinastia. A Juve está atualmente em uma fase vitoriosa na Serie A que já leva seis anos. A única verdadeira decepção durante o período em Turim foi o seu último jogo no clube em 2015, quando a Juve sofreu uma derrota na final da Champions League por 3-1 para o Barcelona em Berlim. Ele foi reduzido a lágrimas no campo do Estádio Olímpico, perdendo a oportunidade de conquistar o terceiro título do torneio. 
 
Seus dois anos e meio no New York City FC também foram mais fracos. No entanto, quando chegou aos Estados Unidos, ficou claro que ele estava encerrando sua carreira. 
 
Na verdade, ele criou uma história mais do que suficiente durante uma carreira brilhante. Ele ganhou quase todos os títulos principais em seus clubes e para o país - seis títulos italianos, duas  Champions, uma Copa do Mundo e Campeonato Europeu Sub-21. Alguns confidente acreditava que ele teria ganho a Bola de Ouro em 2012, quando Itália perdeu a final da Euro - o único troféu importante que não conquistou. 

Andrea Pirlo NYCFC MLS(Foto: Getty Images)

Sua carreira está cheia de momentos inesquecíveis que ainda serão lembrados com destaque nos próximos 50 anos. Desde a sua penalidade de cavadinha contra a Inglaterra, naquela Euro, até a sua assistência para Fabio Grosso seis anos antes durante a final mais dramática na semifinal da Copa do Mundo, em Dortmund. Depois, a sua bola sublime para Roberto Baggio driblar Edwin van der Sar em 2001, a sua cobrança de falta contra o Real Madrid em 2009 e outro jogo deslumbrante contra o México em seu 100º jogo com a Itália. 
 
"Pirlo é um gênio. Juntamente com Baggio, acho que ele é o maior talento que o futebol italiano produziu nos últimos 25 anos ", disse Gianluigi Buffon. 
 
"A história vai lembrá-lo como um dos melhores com certeza. Ele conseguiu tudo", disse o ex-companheiro de equipe de Pirlo, Samuele Dalla Bona, para a Goal sobre a notícia de sua aposentadoria. 

Andrea Pirlo Brescia(Foto: Getty Images)

O que é certo é que nunca haverá outro jogador tão único quanto o Pirlo. Pois não é apenas o melhor meio-campista da Itália e um dos grandes vencedores de todos os tempos em sua função - ele é talvez o último artista puro do futebol em uma era de atletas.


VEJA TAMBÉM:


Próximo artigo:
Kaká pode assumir diretoria em nova gestão da CBF, diz portal
Próximo artigo:
"Todo jogador gostaria de ser treinado por Jürgen Klopp", diz Suárez
Próximo artigo:
Guarani x Corinthians: Horário, local, venda de ingressos, onde assistir e prováveis escalações
Próximo artigo:
"Rei do Allianz Parque", Dudu pode fazer 100º jogo na casa do Palmeiras nesta quarta
Próximo artigo:
Buscas por avião que transportava Sala são retomadas; siga as notícias em tempo real
Fechar