Com dívidas, Internacional é cobrado publicamente por empresários e vive saia-justa

Miguel Angel Ramírez - Internacional x São José Gaúchão 2021
Ricardo Duarte/SC Internacional
A preocupação do Colorado é de que as cobranças públicas possam dificultar futuras negociações na busca por reforços

A situação financeira do Internacional está atingindo um nível delicado para futuras negociações. Empresários de futebol, que antes eram parceiros do clube em compra e venda de jogadores, estão cobrando publicamente dívidas antigas e atuais.

Futebol ao vivo ou quando quiser? Clique aqui e teste o DAZN grátis por um mês!

André Cury, agente dos atletas Yuri Alberto, Praxedes e Maurício, esteve recentemente no Estádio Beira-Rio cobrando R$ 28 milhões, dívida de negócios que envolvem gestões anteriores e que foram se acumulando durante os últimos anos.

“O André Cury esteve nos visitando, desde quando eu assumi a presidência, mas a gente não havia conversado pessoalmente. Ele aproveitou para conversar sobre os jogadores que ele tem aqui no Inter e falou também sobre a dívida que temos. Eu respondi que vamos pagar, pedi um tempo e vamos repactuar a dívida”, disse o presidente colorado Alessandro Barcellos, em contato com a reportagem da Goal.

Quem também cobrou publicamente o Internacional foi o empresário Jorge Machado. O agente esteve na última semana no Beira-Rio cobrando uma dívida de R$ 5 milhões. A reunião entre Jorge Machado e o CEO, Giovane Zanardo, e acabou sem acordo entre as partes, o que gerou uma manifestação do empresário em suas redes sociais, ameaçando ir à Fifa para acionar o Inter.

“Qualquer colocação neste sentido, feito de forma pública, nunca é positiva. É uma situação particular, e se ele acha que o Internacional tem alguma situação que o desagrade ele pode buscar os reparos onde ele achar melhor. É uma situação que não é boa para as partes e que fecha uma porta importante”, destacou o vice de futebol colorado João Patrício Herrmann, em entrevista para Rádio Guaíba.

A preocupação é de que as cobranças públicas possam dificultar futuras negociações na busca por reforços.

“Nunca é a mesma coisa quando você trata o problema de forma pública quando ele vinha sendo tratado de forma interna. Acho que não foram usadas as melhores expressões, mas eu respeito e cada um busca as suas reparações da melhor forma possível. Todas as dívidas, elas precisam ser analisadas e se realmente elas existem, elas serão pagas”, disse o vice de futebol colorado.

Na última semana, o Inter demitiu 63 funcionários e determinou corte de investimentos em todas as áreas do clube. O objetivo é de conseguir uma economia de R$ 55 milhões até o final deste ano.

A direção também está projetando faturar R$ 90 milhões em venda de jogadores até o final desta temporada. O objetivo é fechar o ano com um superávit de R$ 121 mil. O que para um clube do tamanho do Inter parece pouco, mas para uma entidade com uma dívida de R$ 400 milhões a curto prazo, será uma grande vitória, claro, se conseguir o objetivo traçado. 

Fechar