Notícias Placares ao vivo
Palmeiras

Ricardo Goulart, lesionado: ausência decisiva para o Palmeiras?

18:32 BRT 29/04/2019
Ricardo Goulart Palmeiras Ituano Paulista 27022019
O elenco de Felipão mostra excelentes opções, e Zé Rafael pode ameaçar titularidade do camisa 11 no futuro

Principal contratação do Palmeiras para 2019, Ricardo Goulart ficou apenas oito minutos em campo na primeira rodada do Brasileirão. Sentiu o joelho e nesta segunda-feira (29) teve constatado uma lesão no menisco, que o tirará de campo por dois meses devido a realização de uma artroscopia. Serão, aproximadamente, nove partidas sem contar com o meia-atacante. Mas será que, mesmo com um elenco tão recheado de talento, a equipe treinada por Felipão vai sentir tanto esta ausência?

Na atual temporada, apenas Gustavo Scarpa fez mais gols pelo Palmeiras do que Goulart (6 a 4). O camisa 11 também deu assistências para três gols. Ou seja, decidiu em 58% dos jogos em que esteve em campo. Entretanto, o atual campeão brasileiro enxerga na força de seu próprio elenco um motivo para não temer uma queda tão grande.

Pois se é Gustavo Scarpa o artilheiro do time no ano, Dudu está na liderança em assistências (foram quatro em 20 partidas disputadas em 2019). A equipe treinada por Felipão não tem sido daquelas dependentes de um único grande talento até aqui. E isso ficou evidente, acima de tudo, na própria goleada por 4 a 0 sobre o Fortaleza, no último domingo (28).

Se Ricardo Goulart teve que sair de campo por volta dos 8 minutos, o seu substituto entrou para desequilibrar na primeira vitória conquistada na missão de defender o título. Zé Rafael, jogador contratado na atual temporada após excelentes serviços prestados para o Bahia, entrou para ocupar a vaga centralizada na linha de meias no 4-2-3-1: foi quem mais finalizou (6), fez dois gols e ainda deu uma assistência.

Após o jogo Zé Rafael lamentou a lesão de Goulart, mas não escondeu a felicidade pelo desempenho excelente. E a esperança, ao menos de acordo com as palavras de Felipão após a goleada, é de que é esperado uma sequência ainda melhor: "Tem que ter um período de adaptação, não é assim como as pessoas entendem. Tem que ter um período de trabalho, nós temos que conhecer o corpo do atleta”, afirmou, citando a adaptação do atleta (que disputou apenas sete jogos até aqui) ao time.

“Isso leva uns dois, três meses”, seguiu Felipão. ‘E o Zé já entrou contra o São Paulo porque apresentou um trabalho bom. Depois, entrou contra o Melgar e apresentou um trabalho bom. Hoje, era porque nós vínhamos da altitude, tínhamos que mesclar alguns jogadores. E fiemos essa mescla de três ou quatro jogadores que estavam aqui ou que viajaram e não jogaram, dentro desses estava o Goulart. Depois que ele saiu, o Zé entrou normalmente. Claro, vocês viram, nos dez últimos minutos do jogo, o Zé estava muito cansado também, mas foi uma opção que a gente teve hoje e ele foi muito bem”.

O torcedor palmeirense tem motivos para ficar tranquilo, levando em consideração não apenas o desempenho de Zé Rafael contra o Fortaleza no Allianz Parque, mas também o que os números da equipe de 2019 passam. Ricardo Goulart, entretanto, sabe que além de se recuperar de uma nova lesão ainda terá, provavelmente, muito trabalho para recuperar o status de titular absoluto. Elenco bom, disputas boas. Quem agradece é o treinador.