Notícias Placares ao vivo
Barcelona

As contas do Barça não enganam: cofres não suportariam Dembélé, Griezmann e Neymar

14:21 BRT 19/09/2019
Neymar PSG Strasbourg Ligue 1 14092019
Divulgação da receita financeira do Barça revela que o clube não poderia manter Neymar e Dembélé ao mesmo tempo no elenco devido questões salariais

Se Ousmane Dembélé ainda está no Barcelona é porque Neymar não se juntou a equipe nesta temporada. Pode parecer óbvio, uma vez que ambos ocupam a mesma posição, mas, neste caso, a questão esportiva não foi o principal motivo e sim a econômica.

Quer ver jogos ao vivo ou quando quiser? Acesse o DAZN e teste grátis o serviço por um mês!

Os cofres do time espanhol não poderiam suportar outro salário tão alto com a permanência do francês e a chegada de Antoine Griezmann. Sem ter conseguido diminuir 28 milhões de euros da folha salarial, conforme planejado no orçamento apresentado há um ano, “os valores gastos ordenados aumentou 1%”, segundo o vice-presidente econômico do clube, Enrique Tombas.

De fato, como ressalta o gerente, o Barcelona precisou custear o embolso, porém conseguiu reduzir relativamente o impacto em seus cofres e não correu risco de exceder o Fair Play Financeiro. Este fator positivo deve-se ao aumento da estimativa de custo anual do time de 914 em 2017-18, para 990 milhões de euros na temporada 2018-19. Em 2017-18 os salários dos atletas custavam 70% da receita do clube, porém em 2018-19 o número caiu para 68%, devido a alta do orçamento no último ano. Essa relatividade de valores possibilitou que a equipe ainda saísse ganhando apesar do acréscimo de 1%.

Nesta temporada o Barcelona pretende seguir com o objetivo de reduzir o gasto salarial que atualmente chega 671 milhões para 642, número próximo aos atribuídos há dois anos. Essa manobra permitiria ao clube distanciar-se do limite estabelecido pelo Financial Fair Play, além de reduzir as despesas em 61% da receita total. 

Este contexto evidencia que a quase chegada de Neymar necessariamente obrigaria a partida de Dembélé. Embora o francês não gostasse da ideia, era uma questão de "manter-nos em parâmetros razoáveis", de acordo com Òscar Grau, CEO do Barça.