A Juventus de Allegri tem problemas, mas saída de Cristiano Ronaldo é só um deles

Última atualização
Goal/Getty

Além do empate contra o Spezia na quarta-feira (22) , algo já complicado para a Juve, o artilheiro, Emanuel Gyasi, ainda imitou o famoso 'Siii!' de Cristiano Ronaldo.

O ganês estava apenas imitando seu ídolo, mas pode ter parecido uma zombaria para os torcedores da Juve.

Futebol ao vivo ou quando quiser? Clique aqui e teste o DAZN grátis por um mês!

Ronaldo pode ter partido, mas certamente não foi esquecido na Juventus. Ainda não, pelo menos. A natureza do time e, em particular, o momento de sua partida ainda não cicatrizou.

E tanto o sucesso de sua estadia em Turim quanto o impacto de sua saída foram repetidamente analisados ​​durante o pior início de temporada da Juve na Série A desde 1961.

Massimiliano Allegri, porém, disse que o tempo para conversas acabou antes da viagem a Spezia.

"Já se passaram 60 anos desde que a Juventus somou dois pontos nos primeiros quatro jogos da temporada", disse ele a alguns repórteres na terça-feira. "Nós precisamos vencer."

E eles fizeram. A Juventus iniciou a sua campanha com uma vitória por 3 a 2 e, embora não tenha sido convincente, foi certamente essencial. Afinal, a Velha Senhora havia começado o dia na zona de rebaixamento.

Mas o preocupante é que parecia uma batalha entre duas equipes lutando pela sobrevivência, uma disputa de baixa qualidade entre dois lados incapazes de se defender. Allegri admitiu que a sua equipe teve a sorte de não perder por 3 a 1 no início do segundo tempo, mas obviamente tirou alguns pontos positivos do jogo.

Matthijs de Ligt provou ser o vencedor da partida, rebatendo de pé direito para a Juve. Este foi, sem dúvida, um impulso oportuno para o zagueiro holandês.

E a Juve agradeceu não apenas à De Ligt por sua conquista, mas também a Federico Chiesa. Na verdade, embora o holandês tenha, possivelmente, resolvido o jogo a favor dos visitantes, foi o herói da Euro 2020 da Itália que os colocou de volta no duelo.

Moise Kean abriu o placar com uma finalização inteligente, mas a Juve parecia em perigo real de perder mais pontos.

Em três dos primeiros quatro jogos da nova temporada, os "bianconeri" perderam a vantagem depois de desmaiarem fisicamente no segundo tempo. Portanto, ficar para trás aos 50 minutos devido aos gols de Gyasi e Janis Antiste não era um bom presságio.

Chiesa, no entanto, empatou depois de "dar uma caneta" em Dimitris Nikolaou na área, antes de esticar o pé direito para marcar em Jeroen Zoet.

Foi um gol que sintetizou perfeitamente o talento e tenacidade do atleta, e também sublinhou porque é que tantos o vêem como o homem a substituir Ronaldo como líder do ataque da Juve - se é que ainda não o tinha assumido na segunda metade da temporada passada.

Acima de tudo, Massimiliano Allegri, treinador da Juve, estava feliz por eles terem sido obrigados a trabalhar por sua vitória. "Felizmente, vencemos uma partida sofrida", disse ele ao DAZN.

"Caso contrário, poderíamos ter pensado que tínhamos nos saído bem e não havia mais nada a fazer, quando na verdade há muito a melhorar."

Ele certamente estava bem ali. Alguns observadores estão obcecados com a perda de Ronaldo , mas as áreas problemáticas da Juve continuam no meio-campo e na defesa. O ícone de Portugal não teria coberto as rachaduras cada vez maiores na equipe da Velha Senhora.

Foto: Getty

Allegri pode não ter tido problemas com a saída de Ronaldo; ele queria reconstruir sem o português em 2019 do jeito que estava. O problema agora é que a Juve está em um estado muito pior, tanto do ponto de vista esportivo quanto financeiro.

Nos dois anos tentaram seguir duas direções muito diferentes, primeiro com Maurizio Sarri e depois Andrea Pirlo, e agora se encontram de volta ao ponto de partida, só que com menos dinheiro, sem Ronaldo e um elenco desequilibrado.

Por conta dessas questões financeiras, Allegri não conseguiu todas as contratações que queria durante o verão e ele está menos do que impressionado com vários jogadores, com o toscano também escalando a dupla de meio-campo Adrien Rabiot e Weston McKennie por sua péssima finalização esta semana.

Depois do empate com o Milan, ele foi pego pelas câmeras saindo do campo gritando: "E esses [caras] querem jogar pela Juventus!" Eles pelo menos lutaram pela camisa contra Spezia, como Allegri reconheceu.

"Devo cumprimentar os meninos porque não foi fácil jogar contra uma equipe tão boa quanto a do Spezia e estou menos zangado hoje, porque não quero 'martelar' os meninos todos os dias", disse ele.

"Mas temos que tirá-los de sua zona de conforto; caso contrário, vai virar uma bagunça." Provavelmente já é, para ser justo. A Juve pode não estar entre os três últimos, mas certamente ainda não está fora de correr riscos.

O clube ainda está contabilizando o custo da crise econômica causada pela Covid-19 e o fim abrupto do 'Projeto Ronaldo'. Seus problemas estão profundamente enraizados. Mas a vitória em Spezia ofereceu uma trégua temporária.

A Juve foi "para o inferno e voltou", como disse a Gazzetta dello Sport , mas sua campanha na Série A está atrasada. Agora, eles "só" precisam continuar ganhando.