O substituto de Buffon? O mundo do futebol e a Juventus de olho em Alisson

PERFIL: Aos 23 anos, goleiro do Internacional saboreia ascensão meteórica como profissional e entra na mira dos grandes da Europa

Enquanto o técnico do Brasil ajeita seus papéis e limpa a garganta para anunciar os jogadores convocados, o Brasil inteiro para diante da TV para ouvir o nome dos "eleitos". Não o goleiro Alisson Becker, que no dia de sua primeira convocação, estava descansando após mais uma sessão de treinos intensa no Internacional. O jogador não vinha de um bom fim de semana: levara cinco gols do rival Grêmio. Como todo jogador, Alisson sempre sonhou em jogar na seleção.

Mas, aos 23 anos, esperava ser chamado quando tivesse experiencia suficiente para defender a camisa do Brasil. Depois de jogar na equipe Sub-20 que venceu o Torneio de Toulon, suas ambições se limitavam a fazer parte do time sub-23, que tentará o inédito ouro nas Olimpíadas do Rio em 2016.

 
Só que no dia 13 de agosto, Alisson foi acordado por um telefonema de seu treinador de goleiros Daniel Pavan, que lhe deu a notícia de que estava convocado para os amistosos da seleção contra Costa Rica e EUA.

"É um momento único na minha carreira", disse na ocasião. "Em um ano como profissional grandes coisas aconteceram. Eu me sinto muito honrado. "

Nos primeiros jogos o goleiro foi reserva de Marcelo Grohe, que substituiu Jefferson no gol do Brasil. A chance de Alisson veio em outubro, após a derrota da seleção para o Chile por 2-0 em partida válida pelas Eliminatória da Copa do Mundo de 2018.

Como goleiro titular, Alisson participou da vitória brasileira contra a Venezuela por 3-1 e fez o suficiente para convencer Dunga de mantê-lo como titular nos jogos contra Argentina e Peru.

Os quatro meses entre sua convocação e a titularidade na seleção deram à carreira do jogador um impulo vertiginoso. Uma ascenção meteórica que tem tudo para leva-lo ao futebol europeu, em especial para o futebol italiano. Juventus e Roma estão desesperados para levá-lo para a Europa.

“Recebi ofertas", admitiu. "O interesse de Juventus e Roma já é de conhecimento de todos, mas o Internacional já manifestou interesse em renovar meu contrato".

As chances do clube gaúcho de te-lo na equipe diminuíram após o Internacional ver o São Paulo pegar a última vaga para a Taça Libertadores.

Foi justamente o desempenho de Alisson no Campeonato Brasileiro que chamou a atenção do técnico Dunga. O próprio treinador da seleção, quando dirigiu o Internacional, foi o responsável por levar o goleiro ao time profissional.

A não classificação do Inter pode ter deixado o clube mais distante do goleiro, que estará sem disputar jogos importantes na abertura da janela de transferência. O contrato de Alisson termina no próximo ano e o cçube pode não ter dinheiro para cobrir a valorização do jogador. 

"Ele é um jogador de grande reflexo. É um goleiro muito dinâmico", diss Dunga.

O atributo mais forte de Alisson é a defesa de chutes fortes. Característica atestada pelas 83 defesas feitas pelo goleiro, que garantiram 14 jogos sem levar gol em 26 diputados pelo Internacional, ajudando sua equipe a ser a quarta menos vazada do torneio.

Com 1m93cm, ele tende a oscilae nas bola cruzadas na área. Nos primeiros minutos do jogo contra a Venezuela algumas saídas em falso explicitaram o problema. Nada que manche o currículo goleiro: em 37 bolas alçadas na área no Brasileirão, Alisson só falhou em uma.

A parte defensiva do Brasil passou a preocupar Dunga nos últimos meses. Expulsões de zagueiros, lesões e a falha do goleiro Jefferson, foram as razões que o fizeram mudar o time.

O trabalho com goleiros, particularmente, tem ganhado bastante atenção de Dunga, que chamou para ser seu treinador de goleiros o ex-jogador Taffarel Brasil, que admite Alisson ser seu ídolo.

"Trabalhar com Taffarel é inspirador para qualquer goleiro", disse Alisson. "Eu sempre disse que ele é uma referência para mim dentro e fora do campo"


Campeão do Mundo em 1994, o próprio Taffarel teve ótimo desempenho nos clubes onde jogou e pode passar a Alisson sua experiencia no futebol europeu: Taffarel jogou no Parma e no Reggiana. Alisson sem dúvida pedirá conselhos ao homem que rapidamente está se tornando seu mentor.

E o professor ficou igualmente impressionado com seu novo aluno. "Houve uma mudança no gol porque Alisson vem impressionando muito nos treinamentos", disse Taffarel. "Ele tem uma personalidade muito forte, eu acho que esse é o seu melhor atributo e tem sido um privilégio trabalhar com ele."

Alisson, que está sendo considerado como um potencial substituto a longo prazo para a grande Gianlugi Buffon, tem pela frente o desafio de se manter em alto nível dentro da pressão de ser titular da seleção brasileira.

E não se engane: Alisson Ramses Becker não vai mais perder uma convocação do técnico Dunga para as eliminatórias da Copa do Mundo. Ele e todo o resto do mundo estão bem acordados para seu talento.