Talento de Cavani faz a diferença na vitória do Uruguai sobre o Chile

Comentários()
(C)Getty Images
Em jogo duro, resolvido em detalhes, a capacidade decisiva do atacante decretou vitória e liderança de chave

Chile e Uruguai chegaram com a classificação encaminhada para as quartas de final da Copa América, mas nesta segunda-feira (24) o duelo que valeu a liderança do Grupo C teve um clima de mata-mata. Jogo duro, de poucas oportunidades para ambos os lados. O tipo de partida que costuma ser decidida por um detalhe. E dentro de um Maracanã bastante barulhento, este detalhe foi o talento de Edinson Cavani para finalizar. Foi dele, já no finalzinho, o único gol.

A vitória por 1 a 0 garante os uruguaios na primeira posição da chave, com sete pontos – um a mais em relação aos chilenos. Também evita um encontro contra a Colômbia, único time que terminou a fase de grupos com 100% dos pontos, e deixa a Celeste com um dia de descanso em relação ao Chile antes de enfrentar o Peru neste sábado (29).

Maracanã chileno

O duelo foi duro desde os primeiros momentos. Sem contar com Arturo Vidal em suas melhores condições, Reinaldo Rueda poupou o meio-campista e mudou o desenho de sua equipe. O Chile que havia vencido Equador e Japão com um 4-3-3 atuou com três zagueiros que praticamente não deixaram a dupla Cavani/Suárez respirar. Tanto, que os comandados de Óscar Tabárez fecharam os primeiros 45 minutos tendo o pior desempenho ofensivo nesta campanha de Copa América. O Chile teve mais volume e finalizações, mas não conseguiu levar grande perigo ao gol de Muslera.

Quer ver jogos ao vivo ou quando quiser? Teste o DAZN com um mês grátis!

Em meio ao duelo sem gols, o protagonismo foi das arquibancadas. Em maioria quase absoluta, os chilenos cantaram o jogo todo e ainda vaiavam as manifestações adversárias. A festa dos cantos só encontrava um silêncio nas raras ocasiões em que os orientais chegavam com maior perigo. Isso acontecia, curiosamente, quando a intensidade da marcação diminuía. Ou seja: quando o Uruguai tinha um pouco mais de espaço para jogar, o talento de sua dupla de atacantes aflorava.

Uruguai cresce no segundo tempo

Talvez ciente de que faltava uma articulação maior do meio para a frente, já que Edinson Cavani era obrigado a voltar demasiadamente e sair da área para construir jogadas, Tabárez sacou Lodeiro e jogou Arrascaeta para a faixa esquerda do meio-campo, onde o camisa 10 rende o seu melhor futebol também vestindo a camisa do Flamengo dentro do Maracanã. A melhora aconteceu, mas não foi algo tão gritante. Tanto, que o treinador sacou Arrascaeta para colocar o atacante Jonathan Rodríguez, que aprofunda as jogadas mais pelos lados.

Cavani decide

Foi justamente Jonathan Rodríguez quem, aos 82’, cruzou a bola para Cavani cabecear com extrema categoria no canto defendido por Arias. O gol da vitória de um Uruguai que, nesta última rodada do Grupo C, mostrou que o talento – maior em relação às armas chilenas hoje - para decidir desequilibra em duelos tão duros quanto foi este Chile 0x1 Uruguai.

Fechar