Santos vê Boca inflando "guerra" nos bastidores da Libertadores por casos de Covid-19

Clube manifestou-se publicamente e pediu posição de laboratório responsável por testes em jogadores para se antecipar ao adversário

O Santos tem um decisivo confronto contra o Boca Juniors marcado para a noite da quarta-feira (13), na Vila Belmiro, precisando de uma vitória simples para chegar à quinta final de Copa Libertadores na sua história. O embate nos bastidores, porém, já começou há alguns dias.

Futebol ao vivo ou quando quiser? Clique aqui e teste o DAZN grátis por um mês!

Depois da confirmação de que o goleiro John e o defensor Wagner Leonardo testaram positivo para a Covid-19 após o empate por 0 a 0 na Bombonera, no meio da última semana, o Boca Juniors pediu explicações à Conmebol sobre o caso.

Resguardado do ponto de vista legal, já que cumpriu o protocolo estabelecido pela Conmebol desde o começo, o Santos pediu até para o laboratório Cemepla esclarecer o óbvio: que não havia resultado positivo conhecido no elenco antes do duelo.

Ainda que não tenha implicações futuras, a movimentação é vista pelo Peixe como uma tentativa de inflar uma "guerra fria" nos bastidores. Em nota divulgada na sexta (8), o Peixe chegou a elencar as ações feitas antes e durante a viagem à Argentina para cumprir o protocolo.

Os jogadores que viajaram à Argentina já haviam sido liberados pela rodada de testes feita no sábado, padrão na Conmebol para a viagem das equipes visitantes. E, por isso, acredita que o Boca tenha total ciência de que nenhuma regra foi infringida por uma série de fatores.

Santos Boca Juniors Libertadores
Foto: Ivan Storti / Santos FC

Em primeiro lugar, os exames em que "Palha" e John testaram positivo para Covid-19 foram realizados na quarta, antes do jogo, mas só tiveram resultado divulgado na quinta. Eles são necessários para a delegação deixar a Argentina, o que em nada tem a ver com o protocolo da Conmebol. O prazo de um dia na divulgação é procedimento padrão para todos os clubes.

O Boca sabe, também, que são necessários exames para deixar e entrar na Argentina durante a pandemia da Covid-19, porque ele próprio já precisou sair do país durante a disputa do torneio continental.

Por último, o Santos não pôde contar com Soteldo nas quartas de final contra o Grêmio, mas, ao menos para o primeiro jogo, poderia tê-lo utilizado legalmente. O venezuelano estava liberado para o duelo por ter dado negativo no exame feito antes da viagem ao Rio Grande do Sul.

Porém, quando chegou a Porto Alegre, apresentou sintomas e o clube, por precaução, decidiu repetir os testes, aí sim com um retorno positivo na véspera da partida de ida. Ou seja, a ausência de um de seus principais jogadores se deu porque o Santos teve iniciativa própria de testá-lo mais uma vez antes da partida, mesmo ficando sem um dos seus principais jogadores nos duelos mais importantes do ano. Álibi forte a seu favor.

Santos e Boca se enfrentam no dia 13, a partir das 19h15 do horário de Brasília.

Fechar