Por que o Boca Juniors é ‘La Bestia’ dos brasileiros na Libertadores?

Comentários()
A equipe argentina tem aproveitamento espetacular em mata-matas contra nossos times, e cinco razões ajudam a explicar esta superioridade

Header Tauan Ambrosio

A eliminação do Cruzeiro para o Boca Juniors, nas quartas de final da Libertadores da América 2018, será para sempre marcada pela polêmica envolvendo as arbitragens – especialmente no jogo de ida, quando a equipe argentina aproveitou a superioridade numérica, após a absurda expulsão de Dedé, para construir uma vantagem de 2 a 0 que condicionou absolutamente o duelo de volta.

O empate por 1 a 1 da última quinta-feira (04), no Mineirão, ficou marcado por acontecimentos históricos: Dedé tornou-se o primeiro jogador a receber cartões vermelhos em duelos de ida e volta de uma mesma eliminatória do torneio, enquanto Cristian Pavón fez, aos 94 minutos, o gol mais tardio do Boca desde a vitória sobre o Santos, na final de 2003.

O encontro entre Cruzeiro e Boca parece destinado a acontecimentos únicos e grandes emoções. Em 1977, as equipes protagonizaram a primeira disputa por pênaltis nas decisões da competição. A polêmica também esteve lá: na primeira cobrança dos argentinos, o zagueiro Mouzo acertou a trave, mas o árbitro venezuelano Vicente Llobregat mandou voltar a batida (alegando que o goleiro Raul havia se adiantado). No final das contas, os Xeneizes levaram a melhor por 5 a 4 e conquistaram a América pela primeira vez.

Foi o início, também, de um gigante domínio contra equipes brasileiras no mata-mata. Antes, o Santos de Pelé havia batido os Xeneizes na final de 1963. Depois, apenas Fluminense (semifinal de 2008) e Corinthians (decisão em 2012) conseguiram eliminar o sonho da equipe de La Bombonera. Em 17 embates, 14 triunfos.

Dedé Cruzeiro Boca Libertadores 04 10 2018Dedé foi expulso nos dois jogos das quartas de final (Foto: Getty Images)

Jogando como visitante em nosso país, nenhuma equipe evitou mais vezes a derrota (15 vezes: 7 vitórias e 8 empates). Mas o que explica tamanha superioridade de um clube contra outros tantos gigantes do Brasil? Como geralmente acontece no futebol, nenhuma resposta é absoluta. Mas é possível enumerar cinco razões:

• Poderio para montar constantemente equipes muito competitivas

• Influência nos bastidores

• La Bombonera

• Mística do próprio clube

• Vantagem psicológica

Cada uma delas esteve presente de alguma forma, também, na eliminação do Cruzeiro em 2018: a boa equipe treinada por Guillermo Schelotto, o bom relacionamento com a Conmebol (muito ao contrário do que acontece no Brasil), a força de seu estádio e mística. Mas a vantagem psicológica, o “respeitar muito”, também cobra a sua conta.

Tudo isso ajuda um pouco a explicar mais uma classificação boquense na conta de brasileiros. O que é de difícil explicação é como Raniel, bom atacante, perdeu de forma incrível a chance de fazer o 2 a 0 quase embaixo das traves na reta final do segundo tempo. Poderia ter sido diferente, mas seguiu o roteiro mais comum – infelizmente, para o futebol brasileiro. Agora cabe ao Palmeiras, nas semifinais, a missão de diminuir a desvantagem.

Próximo artigo:
Grêmio na Libertadores: maiores artilheiros, goleadas e times campeões
Próximo artigo:
Talismã de Renato, Michel decide para o Grêmio após cinco meses parado por lesão
Próximo artigo:
River Plate 0 x 1 Grêmio: Com gol de Michel, Tricolor bate o River na Argentina
Próximo artigo:
Quantos gols Cristiano Ronaldo tem na carreira?
Próximo artigo:
Ex-presidente do Real reforça qual é o problema do clube: “Saída de Ronaldo"
Fechar