Bi da Copa do Brasil coroa "truco" do Cruzeiro de Mano na temporada

Comentários()
Pedro Vilela/Getty
Clube mineiro ignorou dívidas, abriu a carteira e recusou propostas para montar time campeão

Bicampeão inédito e dono do maior número de conquistas da Copa do Brasil, o Cruzeiro deixa Itaquera com muito mais que uma taça na bagagem. A vitória contra o Corinthians coroa uma aposta ousada do clube, que “trucou” no futebol brasileiro em 2018. 

Não foi, desde o princípio, uma temporada “qualquer” para o Cruzeiro, a começar pelo seu treinador. No ano passado, vale lembrar, Mano Menezes recebeu sondagem do Palmeiras, que havia acabado de demitir Cuca, e topou seguir no clube em nome de uma “convergência de ideais”, como ele mesmo definiu quando assinou a renovação em outubro. 

Para rejeitar um clube rico e com altas pretensões na maior metrópole do país, Mano queria títulos. O Cruzeiro se aliou a investidores e ignorou dívidas antigas, como o débito de R$ 50 milhões em pendências judiciais que se arrastavam na Fifa. Adiantou verba da Globo e fez empréstimos para quitar salários atrasados. Ainda assim, investiu.

Mano Menezes Corinthians Cruzeiro Copa do Brasil final volta 17102018(Foto: Pedro Vilela/Getty)

Mano queria laterais de confiança e viu a direção se desdobrar para trazer Edílson, campeão da Libertadores pelo Grêmio, e Egídio. Ainda comprou briga com o rival Atlético-MG para contratar Fred e recheou o elenco com Mancuello, Bruno Silva, Marcelo Hermes e David, promessa do Vitória que veio por R$ 10 milhões. Tudo para vencer. 

“Estamos sim passando por dificuldade financeira. Quando for divulgado o balanço vocês terão noção exata do que é a situação do Cruzeiro. Estamos trabalhando muito para manter uma equipe forte e, ao mesmo tempo, ir quitando essa dívida”, disse Itair Machado, vice de futebol do clube, ao GloboEsporte, em julho desse ano. 

O “truco” foi redobrado ao longo da temporada, quando diversos jogadores foram sondados pelo mercado. Thiago Neves, Arrascaeta e Dedé despertaram interesse do mercado e poderiam aliviar os cofres do clube, mas todas as conversas foram descartadas. Mais que isso, investiu em Barcos no meio do ano quando percebeu que poderia ficar sem um centroavante titular com a lesão de Fred. Tudo em nome do sucesso esportivo. 

Mais artigos abaixo
Barcos Cruzeiro Palmeiras Copa do Brasil 26092018(Foto: Pedro Vilela/Getty)

A Libertadores parou no Boca Juniors e nas polêmicas de arbitragem e o Brasileiro sempre esteve longe no (des)equilíbrio entre todas as competições. A Copa do Brasil, no entanto, salva a lavoura. Sufoco contra o Santos, uma batalha contra o Palmeiras e um duelo de nervos contra o Corinthians. 

Se a Copa do Brasil é, dos três torneios possíveis, o menos importante do ponto de vista esportivo, é o mais vantajoso financeiramente, rendendo R$ 50 milhões só pelo título. Com uma taça para exibir aos torcedores e dinheiro em caixa para tapar os buracos do “truco” financeiro, o Cruzeiro comemora e se permite sonhar mais. Será que é possível pedir ainda mais para 2019?

Próximo artigo:
Ainda abatido, Coutinho não sauda torcedores e demonstra tristeza no vestiário do Barcelona, segundo jornal
Próximo artigo:
Neymar desdenha de acusação de consumo de drogas: "Não sou tão estúpido"
Próximo artigo:
Presidente do Santos diz que não acatará pedido de Derlis González para ser deixar o clube
Próximo artigo:
Chelsea aceita acordo com Atlético de Madrid por Morata
Próximo artigo:
Atlético-MG abre negociação de troca com Corinthians, envolvendo Luan por Romero, segundo site
Fechar