O que acontece no Arsenal é um evolução, não uma revolução

Comentários()
Getty Images
Time comandado por Unai Emery vem em uma sequência de nove vitórias consecutivas, em todas as competições

Quando Unai Emery foi oficializado como sucessor do lendário Arsène Wenger no comando do Arsenal, houve críticas. Após os dois primeiros jogos da Premier League, que acabaram sendo duas derrotas, as críticas aumentaram ainda mais. Todavia, depois dos dois reveses, os Gunners não perderam mais. Ao contrário. Foram nove partidas e nove vitórias.

O bom momento da equipe pode ser explicado por uma evolução do trabalho que foi feito durante 22 anos. Embora muitos tenham falado em uma revolução, quando analisado mais de perto, fica claro que não houve nenhuma mudança brusca de direção no sentido do time. Houve um aperfeiçoamento e diversos ajustes, que continuarão sendo feitos por um bom tempo.

Sob a batuta de Wenger, o Arsenal tinha estilo. Sob Emery, a equipe demonstra força de vontade para batalhar até o último minuto pelo resultado. É um conjunto mais aguerrido e brigador. 

A filosofia de domínio do jogo, por meio da posse de bola não foi deixada de lado. Ao contrário, Unai preza e espera que seus times joguem tendo a bola nos pés. Isso aconteceu com o PSG e com o Sevilla (especialmente quando jogava no Ramón Sánchez Pizjuán, casa dos sevillistas). Assim como Wenger, Emery vê que as melhores chances são criadas a partir do domínio e controle da partida. Arsène era mais obcecado pela bola nos pés, Emery busca maior objetividade. Em oito partidas nessa temporada, o Arsenal tem, em média, 56% de posse de bola, contra 62% na temporada passada completa.

Mesut Ozil Unai Emery Arsenal Manchester City Premier League 08/12/18

Alguns pontos sobre o elenco devem ser destacados desse novo trabalho de Unai.

Lucas Torreira chegou no meio do ano e já é amado pela torcida londrina. Forte no desarme, muito bom passador e com bastante vigor físico, o uruguaio chegou para dar estabilidade ao meio de campo, especialmente ao lado de Granit Xhaka, que demonstrou evolução tática notória em poucos meses sendo treinado por Emery. 

Outro trunfo da equipe são os atacantes Pierre-Emerick Aubameyang e Alexandre Lacazette, que têm feito muitos gols e dado assistências entre si. No começo da temporada, o treinador não via uma forma de deixar os dois jogando juntos, mas com o passar dos jogos a configuração ideal foi surgindo e hoje é uma das grandes armas desse Arsenal. 

Lacazette Aubameyang Arsenal 01042018(Fotos: Getty Images)

Há alguns pontos para se observar e para melhorar. Uma das fraquezas do time está no miolo de zaga. Não necessariamente nas qualidades defensivas, mas principalmente na capacidade dos zagueiros saírem jogando com a bola no chão. Essa tem sido uma das maiores dificuldades da equipe pois a combinação dos atletas não propicia qualidade suficiente para o que o técnico espera. 

Mesmo assim, fica claro que o time está no caminho certo. Com força no meio de campo, velocidade e precisão no ataque e uma defesa sólida, é de se esperar uma boa campanha desse time dos Gunners, que passa por um processo de evolução e não de revolução.

Próximo artigo:
Quantos gols Cristiano Ronaldo tem na carreira?
Próximo artigo:
Copa São Paulo: Grêmio, Vasco e Corinthians vão às quartas de final; Atlético é eliminado
Próximo artigo:
FIFA 19 Seleção da Semana: De Gea, Suárez e Fabinho lideram melhores da rodada
Próximo artigo:
BMG indica patrocínio ao Corinthians e inicia “batalha por seguidores” contra a Crefisa
Próximo artigo:
“Não estamos bem, temos que ser sinceros”, diz Casemiro após outra derrota do Real Madrid
Fechar