O papel de Pelé para o Santos bater o Boca e voltar à final da Libertadores

Pelé 2019
Getty Images
Mesmo debilitado, o ídolo conversou com o elenco do Peixe antes do duelo nas semifinais

Rei que é rei nunca perde a majestade. Com o Santos classificado para a final da Libertadores pela primeira vez desde 2011, um nome foi fundamental na preparação da equipe para a vitória diante do Boca Juniors, por 3 a 0, no jogo de volta das semifinais da competição: ninguém menos do que Pelé.

Futebol ao vivo ou quando quiser? Clique aqui e teste o DAZN grátis por um mês!

O treinador do clube, Cuca, em entrevista coletiva, contou sobre a participação do ídolo na concentração da equipe antes da partida, tanto pelas redes sociais quanto entrando ao vivo para conversar com os jogadores. Por mais que outros nomes como Neymar e Rodrygo tenham participado da festa, nada pode ser comparado a aparição do maior de todos os tempos.

De acordo com o técnico, Pelé teria aparecido ao vivo para os atletas e os desejado sorte e dando força para o elenco antes da decisão. "Agradeço ao Rei pelo que ele fez. Entrou ao vivo com o grupo na concentração. Como brasileiro falando, é o maior orgulho que temos hoje, de falar que somos brasileiros pelo Pelé. Participou da nossa conquista nos motivando, mesmo estando como ele está. É para você." declarou.

Pelé despedida Santos

Se fez a diferença, é impossível saber. O que já é certo é que o Rei tem certa experiência tratando-se de duelos decisivos, especialmente contra o Boca Juniors.

Em 1963, o Santos entrou na Libertadores com um alvo nas costas: era o atual campeão da competição, além de ser cotado como o melhor time do mundo. Na decisão, enfrentou os xeneizes. Depois de vencer por 3 a 2 no Maracanã, na partida de ida, o time viajou para Buenos Aires e conseguiu uma vitória épica contra os gigantes argentinos.

Com mais de 80 mil pagantes no estádio, o Boca abriu o placar ainda no primeiro tempo, empurrado pela sua torcida. Foi quando Pelé apareceu. Com uma assistência para Coutinho e um golaço no segundo tempo, com direito a caneta no começo da jogada, o Rei do Futebol decidiu a partida pelo Santos e transformou o time da baixada em bicampeão continental.

Vale lembrar que o ídolo tem uma relação muito próxima com o Boca Juniors, de admiração mútua. O próprio já declarou que tinha vontade de atuar pelos xeneizes antes de terminar a carreira, enquanto o museu do clube argentino exibe, com orgulho, uma camisa do Rei.

Fechar