Momentos Campeões: Voluntarioso e longe dos holofotes, Modric foi o craque que representou a Croácia no Mundial

Comentários()
Getty Images
Eleito melhor jogador da Copa, o meia não apareceu com gols, mas dominou o campo com dedicação na marcação e passes precisos

Sem chamar muita atenção, mas uma mistura incrível de dedicação e técnica. A definição pode ser feita para a finalista Croácia, mas também serve para Luka Modric. Eleito o melhor jogador da Copa do Mundo, o craque do Real Madrid pode não ser o jogador mais vistoso em campo, mas mostrou na Rússia que é um dos atletas mais completos da atualidade.

AdvertisementAo todo, foram dois gols e uma assistência do camisa 10 na competição, números sem muita expressão, mas que pouco falam sobre o domínio que ele teve na faixa central do campo. Com a bola, acertou 87% dos 498 passes dados e acertou 15 dribles. Sem ela, foram cinco desarmes e nove passes interceptados.

Tamanho equilíbrio entre ataque e defesa foi o símbolo de uma Croácia que mostrou uma dedicação acima da média durante as partidas. Toda a equipe marcou sem a bola e soube sair em velocidade quando a tinha, sempre no ritmo do seu craque.

Modric - Croácia x Nigéria - Getty
(Foto: Getty Images)

E ele não foi só condutor como também operário no time. Dentro de uma Croácia que basicamente jogou uma partida a mais que os rivais por causa de uma sequência de três prorrogações, Modric correu 72 quilômetros, a terceira maior marca do torneio. Ao todo, ele jogou 694 minutos, mais que qualquer outro atleta.

Nem tudo foi positivo para o craque na Mundial. Além de uma atuação apagada na decisão diante da França, ele correu o risco de virar o vilão croata nas oitavas.

No segundo tempo da prorrogação, ele teve a chance de decidir o jogo em uma cobrança de pênalti, mas viu a bola parar nas mãos do goleiro Schmeichel. Coube a Subasic pegar três chutes dinamarqueses na decisão por penalidades para salvar a Croácia e o craque.

O momento de perigo não apagou o brilho de Modric na Copa. De estilo simples dentro de campo, ele não costuma ser o jogador que chama mais atenção, mas a bola de ouro é um prêmio merecido para o atleta de 33 anos, um dos melhores da história em sua posição.

 

Próximo artigo:
Mourinho: "Pochettino vai mudar quando começar a ganhar troféus"
Próximo artigo:
Bahia confirma chegada de Douglas, do Corinthians, por empréstimo
Próximo artigo:
Atacantes do Real Madrid somam 353 minutos sem marcar gol
Próximo artigo:
Corinthians busca tricampeonato paulista após 80 anos para se tornar o primeiro time a atingir tal feito quatro vezes
Próximo artigo:
Chelsea precisa de Higuaín, mas transferência pode atrasar
Fechar